Cidades turcas podem se transformar em “cemitérios” de acordo com engenheiros

Mais da metade dos edifícios da Turquia, ou 13 milhões de edifícios, infringem as regulamentações habitacionais, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente e da Urbanização

Da Reuters

ISTAMBUL – Uma anistia do governo turco sobre trabalhos de construção não registrados está colocando vidas em risco.  Engenheiros e arquitetos advertiram depois que um prédio residencial desabou em Istambul e matou 21 pessoas.

Três andares do prédio, de oito andares, foram construídos ilegalmente, mas os proprietários da propriedade puderam registrá-lo sob a anistia que trouxe bilhões de dólares de receita para o governo.

Especialistas dizem que as ruínas do prédio, que deformaram há duas semanas no bairro asiático de Kartal, em Istambul, destacam os perigos de se aprovar obras não regulamentadas em uma cidade de 15 milhões de habitantes com tendência a terremotos.

Alguns trabalhos começaram a abordar questões de segurança, mas dizem que estão concentrados em bairros mais ricos, em vez de áreas de maior risco, e a anistia exacerbou o perigo.

“Isso significará transformar nossas cidades, notavelmente Istambul, em cemitérios e resultará em caixões emergindo de nossas casas”, disse Cemal Gokce, presidente da Câmara de Engenheiros Civis.

“Mesmo sendo completamente sem licença, ou tendo mais andares do que o plano original, todos os edifícios receberam anistia. Isso é muito perigoso”, disse ele.

Cerca de 10 milhões de pessoas se inscreveram para se beneficiar da anistia e 1,8 milhão das solicitações foram aceitas.

Os proprietários pagam para registrar os edifícios, sujeitos a vários impostos e taxas. A anistia trouxe 16,5 bilhões de liras (US$ 3,1 bilhões) em impostos sobre propriedade e taxas de registro para os cofres do governo, disse o ministro da urbanização em dezembro.

O Ministério não respondeu a perguntas sobre críticas à anistia, que deveria expirar no final de 2018, mas foi prorrogado até junho.

O governo diz que é necessário remover divergências entre o Estado e os cidadãos, bem como “dar legalidade a essas estruturas, registrando-as”.

Pagar com vidas

O chefe da Câmara de Arquitetos de Istambul, Esin Koymen, disse que a câmara alertou o governo sobre as consequências da lei de anistia quando foi debatida no Parlamento.

“Nós dissemos a eles para retirá-la. Nós dissemos que as pessoas vão pagar por isso com suas vidas. Mas eles não deram ouvidos”, disse ela, acrescentando que o foco estava nas receitas geradas em vez de questões de arquitetura, planejamento ou engenharia.

O Partido AK, do presidente Tayyip Erdogan, deu grande ênfase à construção civil, que ajudou a impulsionar o crescimento durante seus 16 anos no poder.

Mas mais da metade dos edifícios da Turquia, ou 13 milhões de edifícios, infringem as regulamentações habitacionais, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente e da Urbanização, e muitos moradores de Istambul se preocupam com possíveis danos que seriam causados por um grande terremoto.

Um terremoto na região de Izmit, a cerca de 45 quilômetros a leste da cidade, matou mais de 17 mil pessoas em agosto de 1999.

Erdogan disse em 23 de fevereiro que estava “assustado” com a perspectiva de outro grande terremoto. Em uma entrevista à CNN Turca, ele culpou o colapso do prédio de Istambul pela construção ilegal, que ele disse constituir uma ameaça em todas as grandes cidades.

De acordo com dados da TSKB, uma empresa de administração de investimentos, cerca de 32% dos edifícios na Turquia desde 2002 não foram construídos de acordo com as regulamentações legais.

Por Birsen Altayli e Ceyda Caglayan

 
Matérias Relacionadas