“Cidade perdida” de quatro mil anos é descoberta no Iraque

A escavação do local, conhecido como Kunara e localizado perto da cidade de Sulaymaniyah, só foi possível depois que o ditador iraquiano, Saddam Hussein, foi deposto em 2003

De Jack Phillips

Uma cidade perdida de quatro mil anos de idade foi descoberta no Curdistão iraquiano, de acordo com pesquisadores.

“Nós não esperávamos descobrir uma cidade aqui”, disse Christine Kepinski, que explorou o local, de acordo com o jornal francês National Center for Scientific Research.

A escavação do local, conhecido como Kunara e localizado perto da cidade de Sulaymaniyah, só foi possível depois que o ditador iraquiano, Saddam Hussein, foi deposto em 2003. Os pesquisadores apontaram que a presença do grupo terrorista ISIS no Iraque também dificultou seus esforços.

“A situação é muito mais favorável agora”, disse a líder do projeto, Aline Tenu, ao jornal.

De acordo com o jornal, “esta cidade ficava no coração de um reino desconhecido: o povo da montanha, que até então permanecesse à sombra de seus poderosos vizinhos mesopotâmicos”, incluindo os acádios. O Império Acadiano é considerado o primeiro império antigo da Mesopotâmia e atingiu seu auge cerca de 4.000 anos atrás sob o governo de Sargão de Acádia. Após sua queda, os historiadores acreditam que ela se dividiu na Assíria e na Babilônia.

As pessoas viviam na cidade, localizada perto das Montanhas Zagros, por volta de 2200 aC, os arqueólogos teorizaram.

“A cidade de Kunara fornece novos elementos em relação a um povo até então desconhecido que permaneceu na periferia dos estudos mesopotâmicos”, acrescentou Tenu.

Mysterious 4,000-year-old lost city discovered

Posted by Fox News SciTech on Monday, April 1, 2019

Enquanto isso, dezenas de tabletes de argila cobertos de cuneiformes também foram descobertos, mostrando como as pessoas podem ter entregado farinha. Cuneiforme é um dos sistemas mais antigos de escrita.

Pesquisadores disseram que a cidade passou por um período de declínio depois de ser devastada por um incêndio há 4.000 anos, especularam os pesquisadores.

O especialista cuneiforme, Philippe Clancier, disse que as pessoas que viviam na cidade tinham uma boa compreensão da escrita acadiana e suméria, assim como dos seus vizinhos da Mesopotâmia.

Excavations carried out in Iraqi Kurdistan have revealed an ancient city that stood at the heart of an unknown kingdom:…

Posted by CNRS News on Tuesday, March 19, 2019

“Os primeiros tabletes encontrados em um prédio da cidade baixa registram um grande número de entradas e partidas de farinha”, continuou Clancier.

“Na verdade, era uma espécie de escritório de farinha”, explicou Tenu, acrescentando que era para o governador de Kunara.

“A cidade deve ter sido bastante próspera”, observou Tenu. “Como pedras raras, como obsidiana [e cornalina, uma pedra semipreciosa de gemas] foram usadas para produzir ferramentas totalmente comuns.”

Os moradores da cidade “provavelmente aproveitaram sua localização estratégica na fronteira entre o reino iraniano no leste e o mesopotâmico no oeste e sul”, Kepinski também teorizou.

Um homem passa por duas estátuas de touro alado de cabeça humana assírias no Museu Nacional do Iraque em Bagdá em 1º de março de 2015 (Karim Kadim / AP Photo)

Os pesquisadores também descobriram ferramentas e cerâmicas que foram compradas e comercializadas nas ruínas da cidade.

“Certamente foi a riqueza agrícola da área que promoveu sua ascensão. Arqueólogos descobriram os restos de cabras, ovelhas, vacas e porcos, sugerindo a existência de um grande sistema de pecuária. A presença de uma rede de irrigação no sul da cidade também é um lembrete do domínio que os habitantes da região alcançaram na agricultura de grãos, especialmente cevada e malte ”, observou a revista.

Eles não encontraram nada sobre o nome original da cidade, o que ainda é um mistério.

“Mas vamos continuar a procurar”, acrescentou Tenu.

Uma visão da antiga cidade da Babilônia. As ruínas da Babilônia que foram recentemente renovadas estão do lado direito, enquanto o lado esquerdo da fotografia mostra o que resta da cidade de Babilônia (Ali Al-Saadi / Getty Images)
 
Matérias Relacionadas