Cidade chinesa oferece recompensas de US$ 15.000 para quem relatar reuniões públicas

Por Dorothy Li

Uma cidade do leste se tornou a primeira na China a oferecer recompensas financeiras significativas para pessoas que relatam reuniões públicas. Autoridades de todo o país estão lutando para conter novos surtos do vírus do Partido Comunista Chinês (PCC ), também conhecido como COVID-19 , especialmente com o surgimento de mais casos de infecções pós-vacinais .

Funcionários da cidade de Tai’an, na província costeira de Shandong , na China, pagaram a um residente US$ 15.000 em 3 de agosto. O indivíduo relatou um treinamento de grupo de empresas em um hotel no dia 30 de julho, segundo a mídia estadual local.

As autoridades disseram que os organizadores não informaram o governo local sobre o treinamento de 12 dias e que os participantes vieram de várias cidades da China. Depois que os participantes testaram negativo, eles foram obrigados a voltar para suas casas.

A cidade de Tai’an é a mais recente de várias regiões a oferecer incentivos monetários em repressões para combater o novo surto. Autoridades em cidades, condados, distritos e até mesmo o nível mais baixo de governo (comitês de bairro) em pelo menos oito províncias anunciaram recompensas financeiras ao público por fornecer informações sobre o vírus do PCC. O último surto começou na cidade de Nanjing , onde  nove limpadores de aeroporto infectados foram relatados em 20 de julho .

Um comitê de bairro na cidade de Yangzhou anunciou que os residentes poderiam receber uma recompensa de US$ 310 se relatassem outras pessoas que viajaram de áreas infectadas ou tiveram contato próximo com casos confirmados. Um escritório distrital da cidade ofereceu às pessoas US$ 775 para fornecer informações e dobraria a recompensa se os casos relatados fossem confirmados, de acordo com a agência de notícias estatal ThePaper.cn.

Yangzhou, a cerca de uma hora e meia de carro de Nanjing, se tornou o mais recente hot spot, relatando 32 casos na quarta-feira. Embora este número não deva refletir o total real, dado que o regime chinês esconde o número real de infectados, o que eles relatam representa quase metade dos 73 confirmados em todo o país na quarta-feira.

Vista aérea de uma área residencial restrita devido ao vírus do PCC em Yangzhou, província de Jiangsu oriental, em 3 de agosto de 2021 (STR / AFP via Getty Images)

As autoridades atribuíram o surto em Yangzhou a uma cidadã de 64 anos que não informou às autoridades locais sobre sua viagem de volta de Nanjing em 21 de julho. Antes de procurar tratamento para tosse e febre em 27 de julho, ela costumava visitar lugares lotados, como centros de entretenimento usados ​​para jogar cartas e mah-jong, restaurantes e lojas, segundo a mídia estatal Xinhua.

A polícia local deteve a mulher, de acordo com o relatório.

As autoridades de Yangzhou também estabeleceram uma linha direta especial para o público relatar possíveis casos do vírus do PCC.

Os residentes fazem fila para o teste COVID-19 em Yangzhou, província de Jiangsu, leste da China, em 3 de agosto de 2021 (STR / AFP via Getty Images)

O comentarista chinês Li Muyang disse que os incentivos em dinheiro indicam que as autoridades temem que o regime as repreenda por casos de surto do vírus PCC ocorrendo em suas áreas. Li sugeriu que as autoridades se preocupam mais com suas posições do que com a segurança dos cidadãos locais.

O prefeito da cidade de Yangzhou renunciou em 2 de agosto. O governador da província criticou o prefeito no dia 1º de agosto porque os pacientes positivos para COVID-19 foram identificados tarde demais, fazendo com que a situação da cidade se tornasse “complicada e séria”.

O principal órgão anticorrupção do PCC puniu 18 oficiais na cidade de Zhangjiajie na quarta-feira. Muitos dos casos mais recentes surgidos em todo o país estão relacionados a uma performance realizada neste popular destino turístico em 22 de julho. As autoridades agora estão tentando localizar mais de 2.000 pessoas que participaram do evento.

Casos de infecções pós-vacinação

Autoridades de saúde de Xangai relataram em 3 de agosto que um funcionário do aeroporto, já vacinado, havia testado positivo para o vírus do PCC. O chefe do painel de supervisão das atividades do COVID-19 em Xangai, Zhang Wenhong, confirmou que o trabalhador infectado havia sido vacinado.

“A equipe recebeu as vacinas, é claro, porque o grupo de alto risco deve ser vacinado de acordo com os regulamentos de vacinação”, disse Zhang em entrevista coletiva na terça-feira. Ele acrescentou que 85% da população adulta de Xangai, a maior cidade da China, foi vacinada e todos os funcionários do aeroporto foram vacinados.

Os resultados do sequenciamento genético mostram uma correspondência elevada com a variante Delta, mas não está relacionada aos novos casos em Nanjing, disseram as autoridades na quarta-feira.

Xangai examinou mais de 68.000 pessoas relacionadas ao caso em 4 de agosto, disseram autoridades de saúde de Xangai.

Funcionários inspecionam uma unidade em um laboratório temporário “Fire Eye” usado para testes COVID-19 em um centro de exposições em Nanjing, província de Jiangsu, leste da China, em 28 de julho de 2021 (STR / AFP via Getty Images)

Infecções recentes do Aeroporto Internacional de Nanjing Lukou na China afetaram 17 das 31 províncias. As autoridades de saúde de Nanjing admitiram em 22 de julho que quase todos os trabalhadores infectados haviam recebido vacinas, exceto uma pessoa com menos de 18 anos de idade.

Em outra cidade costeira, Xiamen, ao longo do Estreito de Taiwan, um funcionário do aeroporto e três de seus parentes foram confirmados infectados com o vírus do PCC em 30 de julho. As autoridades locais não mencionaram se receberam vacinas chinesas, mas os trabalhadores do aeroporto estão listados como um grupo de alto risco na lista de vacinação prioritária da China.

A cidade de Xiamen completou 93 por cento da segunda rodada de testes em massa, coletando mais de 420.000 amostras em 3 de agosto, informou a mídia estatal ChinaDaily.

Relançamento do teste em massa

Em resposta ao número crescente de casos de infecções pós-vacina, o regime chinês dobrou sua abordagem de contenção com testes massivos e fechamentos rígidos.

Fila de teste COVID-19 em Wuhan , província de Hubei central, China, em 3 de agosto de 2021 (STR / AFP via Getty Images)

Zhuhai, uma cidade vizinha de Macau, anunciou a primeira ronda de testes massivos de 2 milhões de pessoas na noite de 4 de Agosto.

A cidade de Wuhan, na província de Hubei, onde COVID-19 foi identificado pela primeira vez no final de 2019, começou a testar seus 13,5 milhões de residentes na terça-feira. Foi declarado um “estado de emergência” em Hubei, o que fez com que as autoridades provinciais implementassem medidas estritas para combater o aumento dos casos do vírus do PCC, situação que levou a que supermercados fossem atacados por pessoas que  procuravam comida.

Prateleiras vazias em um supermercado de Wuhan enquanto as pessoas estocam itens na província de Hubei, no centro da China, em 2 de agosto de 2021 (STR / AFP via Getty Images)

Zhengzhou, recentemente afetada por enchentes , planejava concluir a segunda rodada de testes em massa de seus 12,6 milhões de residentes em 6 de agosto, disse a agência de notícias estatal Xinhua.

Na capital Pequim, o PCC fechou os complexos residenciais na quarta-feira, onde vivem três novos infectados. Um residente de sobrenome Li confirmou ao Epoch Times na quarta-feira que eles não têm permissão para sair e que estão esperando para receber o teste de ácido nucléico.

Enquanto isso, as autoridades em todas as 31 províncias pediram às pessoas que evitem viagens e reuniões, enquanto muitos voos domésticos, barcos e trens foram cancelados. A mídia estatal informou que o regime chinês reforçou os controles de fronteira, suspendendo a emissão de documentos de entrada e saída para viagens não essenciais e de emergência.

Hong Ning contribuiu para este artigo .

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas