Cidadãos chineses relatam agravamento da disseminação de vírus, enquanto autoridades sugerem gravidade da crise

A escola de saúde pública da Universidade de Hong Kong estimou que cerca de 43.590 foram infectados apenas em Wuhan

Por Nicole Hao

Os cidadãos chineses dizem que o novo surto de coronavírus está se espalhando rapidamente para outras partes do país fora do epicentro da cidade de Wuhan, capital da província de Hubei.

Moradores da cidade chinesa de Chongqing, no sudoeste da China, relatam que os hospitais estão se enchendo de pacientes.  Eles acreditam que a situação é muito pior do que as autoridades chinesas retratam e que elas não estão divulgando o verdadeiro número de infecções e mortes.

As autoridades afirmam que o vírus infectou milhares na China continental e matou dezenas de pacientes.  No entanto, especialistas acreditam que os números reais provavelmente são muito maiores.

Enquanto isso, os governos locais ainda estão lutando para conter o vírus com medidas de emergência.

A cidade chinesa de Wuhan admitiu um novo surto de pneumonia viral em 31 de dezembro de 2019, semanas após o primeiro paciente exibir sintomas.

Desde então, o vírus se espalhou para Hong Kong, Macau, Taiwan, Japão, Tailândia, Estados Unidos, Canadá, Austrália, França, Alemanha e outros países.

Chongqing

Chongqing fica a oeste de Hubei.  A cidade possui muitas conexões de transporte para Wuhan, com uma população de aproximadamente 31 milhões, de acordo com estatísticas oficiais.

Antes da decisão das autoridades de Wuhan de implementar um bloqueio de transporte, 30 trens de alta velocidade circulavam entre Chongqing e Wuhan todos os dias, de acordo com o Wuhan Railway Bureau.  Nos primeiros 22 dias de janeiro, cerca de 22.000 passageiros voaram de Wuhan para Chongqing, segundo estatísticas do governo. A maioria das outras localidades em Hubei também iniciou bloqueios.

Os habitantes de Chongqing disseram ao Epoch Times em língua chinesa por telefone que a situação em sua cidade é muito grave.

Li é farmacêutico em um hospital estatal de Chongqing.

Ele disse que muitas pessoas de Hubei chegaram a Chongqing nas últimas semanas.  Muitos deles são agricultores que moram em Hubei e vivem em áreas rurais de Chongqing, ou ricos em Hubei que residem em Chongqing.  Eles chegaram a Chongqing depois que suas cidades foram colocadas em quarentena.

Li disse que é difícil dizer o número real de pessoas que morreram pelo vírus em Chongqing.  Porém, em seu local de trabalho, uma proporção significativa de pacientes diagnosticados precisa ser tratada na unidade de terapia intensiva (UTI).  Ele supõe que morreram muito mais pessoas do que tem sido relatado pelas autoridades do governo. 

 “Os dados do governo estão extremamente distorcidos”, disse ele em uma entrevista por telefone em 25 de janeiro.

A senhora Hong, moradora do distrito de Jiangbei em Chongqing, disse ao Epoch Times em língua chinesa que conhecia uma família de cinco membros que retornou recentemente à área depois de visitar Wuhan.  Quatro deles foram diagnosticados com o vírus.

Ela também ouviu casos de pessoas diagnosticadas com o vírus que morreram repentinamente em casa, mas suas mortes não foram relatadas na lista de pacientes das autoridades.  “O regime chinês não se importa com a vida do povo chinês”, disse Hong.

Yuan, morador do distrito de Nan’an, em Chongqing, disse que, desde que o governo colocou a cidade fechada em 25 de janeiro, as pessoas ficaram nervosas.  “Eu estoquei comida suficiente para durar dois meses”, disse ele.

“Tempo de guerra

Autoridades de outras regiões estão tentando medidas drásticas para conter a doença.

Em 28 de janeiro, o ministério da segurança pública da China, que supervisiona a força policial do país, solicitou a todos os departamentos policiais do país que iniciassem “preparativos em tempo de guerra”, o que significa que a polícia deve ajudar cada governo local a “manter a estabilidade social” – um eufemismo para controlar o discurso público – e “controlar a doença”. As autoridades chinesas detiveram internautas por divulgarem informações sobre a doença on-line.

 A comissão de saúde da cidade de Tianjin, no norte da China, anunciou que a cidade iniciará “preparativos para a guerra”.

 47 hospitais criarão um grande hospital geral, a ser liderado pela comissão.  A agência reorganizará toda a equipe médica da cidade em 500 equipes.

 Até o momento, todas as províncias e regiões chinesas, exceto o Tibet, confirmaram casos.  Para conter o vírus, as autoridades do Tibet fecharam todos os sites de turismo da região na segunda-feira.

Viralidade

 Feng Zijian, vice-diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China, admitiu indiretamente a gravidade da doença durante uma entrevista de 28 de janeiro que foi ao ar pela emissora estatal CCTV.  Ele disse que o novo vírus estava se espalhando a uma taxa mais rápida que a SARS (síndrome respiratória aguda grave) durante seu pico.

O surto de SARS de 2002 a 2003 matou quase 800 pessoas em todo o mundo depois de emergir no sul da China.

No mesmo dia, o Departamento de Assuntos Civis de Wuhan postou no Weibo oficial do governo da cidade – uma plataforma semelhante ao Twitter – que as autoridades pagariam os custos de cremação para qualquer paciente com coronavírus que morresse, a partir de 26 de janeiro.

“Para melhorar a capacidade de transportar e lidar com os corpos, o governo da cidade e o Ministério de Assuntos Civis da Província de Hubei despacharam veículos, funcionários e equipamentos de proteção para cada casa funerária [em Wuhan]”, afirmou o post.

Cerca de uma hora depois, a postagem foi editada, com a frase sobre os novos recursos excluída.  Mas muitos internautas já haviam captuado a tela do post e começaram a divulgá-lo.

Enquanto isso, o jornal estatal Xiaoxiang Morning Post noticiou sobre Hu Ming, diretor da UTI do Hospital Pulmonar de Wuhan, em 28 de janeiro.

Hu disse ao jornal que sua UTI está cheia de pacientes com coronavírus desde o início de janeiro.  Para cuidar dos pacientes, ele e seus colegas não dormem em casa.

Hu também disse que um de seus pacientes infectou mais de 10 outras pessoas, incluindo médicos e enfermeiros.

Um dia antes, Yang Yunyan, vice-governador da província de Hubei, disse que toda a província providenciou mais 100.000 leitos hospitalares para acomodar pacientes com coronavírus.

Estimativa

Especialistas dizem que o número real de infecções provavelmente é muito maior do que o que as autoridades chinesas divulgaram.

A escola de saúde pública da Universidade de Hong Kong estimou que cerca de 43.590 foram infectados apenas em Wuhan.  O período de pico do vírus seria de abril a junho.

O estudo projetou que o segundo surto mais grave seria em Chongqing, com mais de 150.000 novos casos todos os dias em abril.

 A equipe de pesquisa estimou que, em 27 de janeiro, Chongqing tinha 145 a 570 infecções em potencial, Pequim 72 a 260 e Xangai 62 a 224 – todas mais altas do que as autoridades estão relatando atualmente.

 
Matérias Relacionadas