Cidadãos chineses não confiam nas vacinas COVID-19 do país: ‘Deixem os líderes vacinarem primeiro’

“Vacinas inativadas” podem acabar injetando vírus vivos diretamente no corpo humano ou causar efeitos colaterais tóxicos

Por Huang Tse

O Partido Comunista Chinês (PCC) divulgou recentemente vacinas caseiras e ordenou que milhões se vacinassem contra o vírus do PCC .

Mas a maioria das pessoas no continente, incluindo especialistas, rejeitaram a orientação e levantaram preocupações sobre a segurança das vacinas feitas na China, especialmente porque várias empresas farmacêuticas ainda estão realizando testes clínicos para seus produtos.

A mídia chinesa informou que o governo central planejou 50 milhões de vacinações, com 25 milhões de pessoas recebendo a primeira dose antes de 15 de janeiro de 2021, e depois  uma segunda dose antes de 15 de fevereiro de 2021.

De acordo com um relatório do Epoch Times, as autoridades locais na cidade de Zhenjiang, província de Jiangsu, depois de obrigar os residentes a serem vacinados, não tomaram a vacina COVID-19  Em Xangai, médicos e cidadãos comuns estão preocupados com a segurança da vacina.

Mais de 90 por cento da equipe médica no Hospital de Medicina Tradicional Chinesa do distrito de Shanghai Yangpu se recusou a receber as vacinas.

Zhang Wenhong, diretor do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital Huashan afiliado à Universidade Fudan em Xangai, disse em uma reunião em 22 de dezembro que muitos profissionais da área médica se recusam a ser vacinados e afirmou que “são os quadros dirigentes que deveriam ser vacinados primeiro ”, relatou a mídia online chinesa National Daily Business.

Muitos internautas chineses ecoam a declaração do especialista em doenças infecciosas de “Deixem os líderes vacinarem primeiro”. O que está por trás dessa afirmação?

Primeiro, o povo chinês não confia nos oficiais do PCC e não quer ser cobaia de teste para a vacina da COVID-19 . O desenvolvimento de uma vacina geralmente envolve três fases de testes clínicos. Quantas pessoas participaram dos testes? Quais são os resultados detalhados? As autoridades chinesas aprovaram o uso de vacinas COVID-19 em julho de 2020, antes do estágio final dos testes clínicos serem concluído.

A estatal Sinopharm não forneceu nenhum detalhamento de seus dados de ensaios clínicos, nem divulgou o tamanho de sua amostra de teste para sua vacina da COVID-19. O Lancet publicou um relatório sobre a CoronaVac, uma vacina da COVID-19 desenvolvida pela empresa farmacêutica Sinovac, com sede em Pequim; os dados do ensaio clínico foram ambíguos.

Em segundo lugar, o Dr. Sean Lin, ex-microbiologista do Exército dos EUA e ex-diretor de laboratório do ramo de doenças virais do Instituto de Pesquisa do Exército Walter Reed, disse ao Epoch Times que é muito arriscado para a China lançar suas vacinas inativadas prematuramente porque todas as vacinas que o país desenvolveu ainda estão em ensaios clínicos.

Lin disse: “As vacinas inativadas são muito arriscadas. Estariam todos os vírus mortos? No processo de matar, muitos componentes químicos são adicionados. Quais são os efeitos colaterais desses produtos químicos? ” Em outras palavras, as “vacinas inativadas” podem acabar injetando vírus vivos diretamente no corpo humano ou causar efeitos colaterais tóxicos.

Outra vacina da COVID-19 de fabricação chinesa da Sinovac já está em uso. Ela não foi aprovada. O código de aprovação em sua embalagem mostra “TBA”. Dezembro de 2020 (The Epoch Times)

A Dra. Mei-Shang Ho, epidemiologista do Instituto de Ciências Biomédicas da Academia Sinica em Taipei, Taiwan, disse ao Epoch Times que as vacinas inativadas representam uma ameaça. Ho fez parte da pesquisa de vacinas contra SARS (síndrome respiratória aguda grave) de Taiwan em 2003, apresentando vacinas de vírus inteiros inativados. Ela descobriu que os pacientes tinham o Realce Dependente de Anticorpos (ADE) após serem vacinados, o que significa que as vacinas amplificaram a infecção ou desencadearam imunopatologia prejudicial.

Ela disse que Taiwan nunca desenvolverá essas vacinas de vírus inteiros, nem as usará.

Terceiro, as informações sobre a eficácia e os efeitos colaterais das vacinas chinesas não foram amplamente divulgadas pelas autoridades.

O Conselho de Estado da China anunciou em uma conferência de imprensa em 31 de dezembro de 2020, que a vacina inativada de Sinopharm havia recebido “aprovação condicional” pela Administração de Medicamentos da China. A vacina teve uma taxa de eficácia de 79,34 por cento, de acordo com relatos da mídia estatal. A informação é confiável? Quais são os efeitos colaterais da vacina?

É digno de nota que um ensaio recente do CoronaVac no Brasil relatou apenas cerca de 50,4 por cento da taxa efetiva, apenas o suficiente para ultrapassar o limite de 50 por cento definido pela Organização Mundial da Saúde para aprovação regulatória.

Em 5 de janeiro, o especialista em vacinas chinês Tao Lina postou uma foto das instruções da vacina da COVID-19 da Sinopharm no Weibo, na qual 73 efeitos colaterais foram listados; ele chamou a vacina chinesa de a vacina mais perigosa do mundo. A postagem no Weibo já foi excluída pelos censores.

As preocupações com as vacinas chinesas são bem fundamentadas. Em dezembro, pelo menos 16 funcionários chineses de uma grande empresa estatal localizada na província de Lunda Norte, em Angola, foram infectados com o vírus do PCC e todos receberam as vacinas desenvolvidas pela Sinopharm, de acordo com um relatório da Radio Free Asia. Cerca de 300 trabalhadores chineses da Tianjin Electric Power Construction Co. foram diagnosticados com COVID-19 na mesma época em Pančevo, Sérvia, disse o relatório.

A maioria dos trabalhadores infectados recebeu vacinas da Sinopharm antes de deixar a China. Tomar a vacina era uma exigência para os cidadãos chineses que trabalhavam no exterior.

Recentemente, as autoridades chinesas anunciaram que as vacinas seriam administradas gratuitamente. No entanto, há um problema. A CoronaVac, uma nova vacina fabricada pela farmacêutica estatal Sinovac Biotech, estabeleceu um limite de idade, permitindo que pessoas entre 18 e 59 anos tomem a vacina. As autoridades alegaram que a vacina está aguardando “mais testes clínicos”. Esse movimento mais uma vez levantou questões sobre a segurança e eficácia das vacinas nacionais.

Quarto, cada etapa do desenvolvimento, produção, transporte e armazenamento de uma vacina é crucial e exige regulamentação estrita. Mas a sociedade comunista da China fomentou a corrupção de cima a baixo e a falta de transparência das autoridades causou desconfiança entre o povo. Qualquer cura ou tratamento preventivo não pode ser garantido.

Pelo menos quatro grandes escândalos com vacinas foram expostos entre 2007 e 2018: a  vacina de Shanxi de 2010 ; a  vacina contra hepatite B de 2013,  que causou ferimentos e morte de bebês no sul da China; a vacina contaminada de Shandong 2016 ; e o escândalo da vacina Changsheng Bio-Technology em 2018 . Vacinas problemáticas na China tornaram-se uma norma.

As elites comunistas estão ocupadas estudando política, criando políticas e ganhando dinheiro com a corrupção. Elas não têm tempo, energia ou estado de espírito para fazer a coisa certa. A falsificação é muito comum sob o regime do PCC.

Portanto, mesmo que os líderes chineses “fossem vacinados primeiro”, eles poderiam simplesmente receber uma injeção de glicose ou água salina, e não a vacina propriamente dita.

A afirmação “Deixe os líderes irem primeiro” já foi ouvida antes e é uma frase que assombra a cidade de Karamay em Xinjiang.

Em 8 de dezembro de 1994, ocorreu um incêndio em um teatro em Karamay durante uma apresentação com a presença de oficiais de alto escalão, autoridades locais e estudantes. Testemunhas afirmaram que uma mulher que ajudou a organizar o evento e possivelmente era uma autoridade do governo disse a todos no teatro: “Deixe os líderes irem primeiro!” No final, todos os funcionários do governo sobreviveram.

Mas outros 322 não sobreviveram, entre eles 288 alunos do ensino fundamental e médio. Depois que um repórter da CCTV revelou o incidente 12 anos depois, o documentário do jornalista sobre o incêndio foi censurado e banido da transmissão pública pelas autoridades chinesas.

As pessoas testemunharam a falta de vergonha e frieza dos líderes do PCC.

Agora que as autoridades chinesas estão exigindo a vacinação dos cidadãos, já que o COVID-19 continua a aumentar no país, as pessoas estão dizendo aos seus líderes para toma-las primeiro. Este é um forte sinal de que as pessoas não confiam nos seus líderes.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse: “A maior mentira que eles [o PCC] contam é pensar que falam por 1,4 bilhão de pessoas que são vigiadas, oprimidas e têm medo de falar”.

É hora de toda a população chinesa perceber esse ponto.

As opiniões expressas neste artigo são opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas