Cidadão suíço-espanhol é preso por conexão com assassinato de turistas em Marrocos

Por Tom Ozimek

Autoridades antiterroristas de Marrocos disseram que um homem com dupla nacionalidade suíço-espanhola foi preso por suposta participação na morte das duas turistas escandinavas.

O homem, que não foi identificado, foi detido em Marrakesh por supostamente tentar recrutar marroquinos para cometer atos de terrorismo, disse o Bureau Central de Investigações Judiciais (BCIJ) em um comunicado em 29 de dezembro.

Os corpos de Louisa Vesterager Jespersen, 24 anos, da Dinamarca, e Maren Ueland, 28 anos, da Noruega, foram encontrados no dia 17 de dezembro, perto da vila de Imlil, nas montanhas Atlas, no Marrocos.

Investigadores estão tratando as mortes como um ato de terrorismo.

Maren Ueland da Noruega (E) e Louisa Vesterager Jespersen da Dinamarca foram mortas em 17 de dezembro de 2018, durante uma viagem de acampamento no Marrocos (Folheto Privado / NTB Scanpix / via REUTERS; Facebook)

Recrutamento para “Planos Terroristas”

Autoridades do BCIJ acusam o cidadão suíço-espanhol preso de “envolvimento no recrutamento de cidadãos marroquinos e sub-saarianos para realizar conspirações terroristas no Marrocos contra alvos estrangeiros e forças de segurança a fim de tomar posse de suas armas de serviço”.

A BBC citou o BCIJ dizendo que o cidadão suíço-espanhol era suspeito de “ensinar alguns dos presos… sobre ferramentas de comunicação envolvendo novas tecnologias e de treiná-los em pontaria”.

O suíço-espanhol seguiu uma “ideologia extremista”, segundo o relatório da BBC.

“Lobos solitários”

Dezenove outros homens foram presos em conexão com o caso, incluindo quatro suspeitos principais que haviam prometido lealdade ao grupo terrorista ISIS em um vídeo feito três dias antes dos corpos das turistas serem encontrados.

De acordo com o Morocco World News, no vídeo, um dos suspeitos disse em árabe marroquino (Darija): “Esta é uma vingança para os nossos irmãos em Hajin.” Hajin é uma pequena cidade síria que está sendo libertada do controle do Estado Islâmico pelas Forças Democráticas da Síria.

Houve outro vídeo em que os quatro suspeitos iniciais pareciam estar jurando sua lealdade ao ISIS.

O porta-voz da polícia e da inteligência interna, Boubker Sabik, descreveu nesta semana os quatro homens como “lobos solitários”, acrescentando que “o crime não foi coordenado com o [ISIS]”.

Investigadores marroquinos disseram que nove dos suspeitos presos em 20 de dezembro e 21 de dezembro em todo o país estavam carregando armas e “materiais suspeitos” usados na fabricação de explosivos.

Assassinadas em suas tendas

Tanto Jespersen como Ueland tinham vivido no sul da Noruega, onde frequentaram a universidade.

Helle Jespersen, a mãe de uma das mulheres, disse que pediu que sua filha não fosse para Marrocos.

“Nós a aconselhamos a não ir porque é um lugar tão caótico e já ouvimos falar de pessoas que foram mortas lá”, conforme citado por ela pelo Telegraph.

Fontes locais não identificadas disseram ao The Sun que três homens “sem-teto” foram vistos acampando perto das duas mulheres.

“Três moradores de rua vieram de Marrakesh e montaram uma barraca ao lado da barraca das meninas”, disse um hoteleiro. “Os homens não eram daqui.”

A polícia marroquina publicou fotografias de três dos suspeitos, informou o The Sun, mas ainda não divulgou seus nomes (SERVICE-PUBLIC.MA)

Os partidários do ISIS enviaram centenas de imagens terríveis e um vídeo de decapitação diretamente para uma das mães de luto da vítima, de acordo com o The Sun.

Imagens perturbadoras das cabeças decepadas e parcialmente decepadas das mochileiras assassinadas também teriam sido colocadas na página do Facebook da mãe, que já estava destruida, segundo o relatório.

“Não devemos ceder”

O primeiro-ministro da Dinamarca, Lars Loekke Rasmussen, disse em 20 de dezembro que os assassinatos podem ser considerados “politicamente motivados e, portanto, um ato de terrorismo”.

“Ainda há forças obscuras que querem lutar contra nossos valores” e “não devemos ceder”, disse ele.

O Marrocos é geralmente considerado seguro para os turistas, mas tem lutado contra o extremismo islâmico há anos. Acredita-se que mais de mil marroquinos se juntaram ao ISIS.

As vítimas foram homenageadas em uma série de vigílias.

Na capital do Marrocos, Rabat, um minuto de silêncio foi realizado em 22 de dezembro com diplomatas dinamarqueses e noruegueses presentes, enquanto centenas de pessoas participaram de uma vigília na vila, perto de onde os corpos das mulheres foram encontrados.

A Reuters e a Associated Press contribuíram para este relatório.

 
Matérias Relacionadas