Cidadão chinês abre nova ação contra autoridades por danos causados ​​pela COVID-19

Desde que ele entrou com o processo original, Zhang disse que ele e sua família foram assediados e que a polícia local apareceu sem avisar em sua residência

Por Frank Fang

Zhang Hai, a primeira pessoa na China a entrar com um processo contra o regime chinês por sua má gestão do surto de coronavírus, abriu um novo processo depois que o processo original foi rejeitado por um tribunal de primeira instância na cidade de Wuhan, na China central.

“O Tribunal Popular Intermediário de Wuhan não agiu de acordo com a lei. Ele só me informou por telefone que meu caso foi rejeitado ”, disse Zhang, de acordo com o site chinês de notícias de direitos humanos Civil Rights and Livelihood Watch (CRLW). Zhang é residente de Wuhan, capital da província de Hubei.

Zhang explicou que, quando o tribunal o chamou em 17 de junho, ele exigiu que o tribunal emitisse um documento formal explicando por que rejeitou o caso. Mas o tribunal recusou e pediu-lhe que procurasse pessoalmente as leis chinesas.

“Então, vou seguir o protocolo normal ao apresentar minha reclamação no tribunal superior. Quero ver como os tribunais lidam com meus casos, se eles podem salvaguardar os direitos de litígio dos cidadãos”, acrescentou Zhang.

De acordo com o CRLW, Zhang enviou seus novos documentos de reivindicação por meio do serviço postal local para o Tribunal Popular Superior na província de Hubei por volta das 9 horas da manhã hora local em 12 de agosto.

De acordo com o Artigo 51 da Lei de Procedimento Administrativo Alterada da China, que entrou em vigor em maio de 2015, os tribunais são obrigados a emitir um documento com explicações quando rejeitam processos.

Zhang entrou com seu processo no Tribunal Popular Intermediário de Wuhan em 10 de junho, buscando uma indenização de 2 milhões de yuans (cerca de US $ 286.730) das autoridades chinesas, alegando que a decisão do governo de encobrir informações sobre o surto causou o morte de seu pai. Seu pai morreu de complicações da COVID-19.

Zhang nomeou três entidades governamentais como réus: o governo da cidade de Wuhan, o governo da província de Hubei e o Hospital Geral do Comando Central de Salas de Operações em Wuhan.

Depois que o pai de Zhang sofreu uma fratura óssea na cidade de Shenzhen, no sul da China, Zhang levou seu pai para Wuhan, de onde mora a família, para tratamento hospitalar em 17 de janeiro. O pai de Zhang foi internado no hospital e foi submetido a uma cirurgia.

Embora a operação tenha sido bem-sucedida, Zhang disse que seu pai desenvolveu febre e testou positivo para o vírus em 30 de janeiro. Seu pai faleceu em 1º de fevereiro.

Zhang disse que não teria trazido seu pai de volta para Wuhan se soubesse que os surtos eram tão graves.

De acordo com o CRLW, Zhang submeteu um documento legal à promotoria em Wuhan e Hubei, bem como ao Tribunal Popular Superior de Hubei, pedindo-lhes que tomassem medidas legais para a rejeição do Tribunal Popular Intermediário de Wuhan.

“Quero que toda a sociedade veja como os tribunais em diferentes níveis tratam os casos jurídicos, dando-me assim a oportunidade de apresentar o meu caso. Não tenho medo de perder o caso, mas outros têm medo de que eu o inicie”, disse Zhang, de acordo com o CRLW.

Só obteve resposta da Procuradoria Provincial, que lhe enviou uma mensagem a confirmar que a Procuradoria recebera o seu documento.

Desde que ele entrou com o processo original, Zhang disse que ele e sua família foram assediados e que a polícia local apareceu sem avisar em sua residência.

Lu Miaoqing, um advogado residente na cidade de Guangzhou, sul da China, disse ao CRLW que o Tribunal Popular Intermediário de Wuhan violou a lei quando não emitiu um documento com explicações. Lu expressou esperança de que o Tribunal Popular Superior de Hubei cumpra a lei e garanta o direito de Zhang a litígios.

Lu é membro do “Grupo de Consultoria Jurídica para Compensação COVID-19”, um grupo de consultoria que consiste em duas dezenas de advogados e defensores dos direitos na China e dissidentes chineses nos Estados Unidos desde março. O grupo oferece aconselhamento jurídico às vítimas na China que buscam indenização e reparação das autoridades chinesas em relação ao surto.

COVID-19 é uma doença causada pelo vírus do PCC, comumente conhecido como novo coronavírus. O vírus se originou na cidade chinesa de Wuhan no final de 2019, mas as autoridades fizeram o possível para encobrir o surto, silenciando os médicos informantes e não revelaram desde o início que o vírus poderia ser transmitido entre as pessoas.

Zhang não foi o primeiro caso rejeitado pelo Tribunal Popular Intermediário de Wuhan sem explicação. No final do mês passado, um residente de Wuhan de sobrenome Xu também recebeu uma ligação do tribunal rejeitando sua reclamação contra o governo municipal de Wuhan.

Xu alegou que a morte de seu pai devido à COVID-19 foi resultado direto da negligência do governo municipal em lidar com o surto.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
https://youtu.be/xWIKu8i8zaI
 
Matérias Relacionadas