Chinês é condenado por contrabandear 40.000 falsificações da Apple

Por Eva Fu

Um cidadão chinês de 45 anos foi condenado a mais de três anos de prisão por seu papel no tráfico e na distribuição de produtos falsificados da Apple da China nos Estados Unidos, informou o Departamento de Justiça em um comunicado divulgado em 30 de julho.

Li Jianhua, que também é conhecido como Jeff, contrabandeou mais de 40 mil aparelhos eletrônicos e acessórios, como iPhones e iPads falsos, durante os cinco anos entre 2009 e 2014, enquanto vivia com um visto de estudante.

As acusações judiciais mostraram que Li atuou como gerente de vendas da empresa e de sua antecessora, a Mathron Tech. Ambos fabricaram e venderam tablets, telefones celulares e tocadores de música portáteis que depois eram embalados como produtos da Apple.

O tribunal disse que Li havia embolsado mais de US$ 1,1 milhão do esquema.

Os itens falsificados, transferidos através de mais de 360 remessas, teriam custado mais de US$ 15 milhões se fossem reais, de acordo com os promotores.

“O objetivo da conspiração era que os acusados se enriquecessem vendendo esses dispositivos e acessórios eletrônicos a lucros substanciais para clientes desavisados que acreditavam estar comprando produtos genuínos da Apple e da Sony”, afirmou a acusação.

Li foi acusado junto com Andreina Becerra, Roberto Volpe e Rosario LaMarca em 2015.

LaMarca foi sentenciado em julho de 2017 a 37 meses de prisão; Becerra e Volpe foram condenados em outubro de 2018 a três anos de liberdade condicional e 22 meses de prisão, respectivamente.

Li, que se declarou culpado em fevereiro de 2018, foi o último dos quatro a receber o veredicto do tribunal.

“Atos claros”

Inicialmente, Li enviou os pacotes juntamente com logotipos falsos no mesmo carregamento, que ele disseminou para seus conspiradores em todo o país. No entanto, os funcionários da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos (CBP) acharam os pacotes suspeitos e apreenderam os bens.

Os promotores disseram que a apreensão de remessas ocorreu em cinco ocasiões diferentes entre julho de 2009 e agosto de 2013. Os itens, todos com as marcas falsificadas da Apple, foram designados para serem enviados para Becerra, Volpe, ou a empresa LaMarca RLN, em Nova Jersey.

Após as apreensões, Li criou uma tática de precaução: separar os dispositivos da embalagem falsa da Apple para evitar novas detecções e continuar sua operação.

Li revendia seus produtos falsificados por meio de sua empresa Dream Digitals, com sede em Hong Kong, a preços “substancialmente abaixo” dos aparelhos originais da Apple, depois de acrescentar as marcas falsas da Apple, segundo os documentos de acusação.

O tribunal disse que Li e seus colaboradores tentaram disfarçar os lucros ilegais, dividindo os lucros em pequenas quantias para depositar em contas bancárias na Flórida e em Nova Jersey. Eles também iriam obscurecer ainda mais a trilha do dinheiro, transferindo uma parte dos fundos para a Itália. Até US$ 1,1 milhão dos lucros foram transferidos para contas bancárias em Hong Kong e na China continental controlada por Li.

“Pelo menos desde ou por volta de julho de 2009 até fevereiro de 2015 ou por volta de fevereiro de 2015 … os réus conscientemente e intencionalmente conspiraram e concordaram um com o outro … para cometer crimes contra os Estados Unidos”, afirmou a acusação de 2015. O documento também detalhou mais de 20 relatos de atividades incriminatórias entre os quatro acusados.

O tribunal apreendeu a propriedade de quatro contas bancárias sob o nome de Li, sua empresa Dream Digitals, bem como a empresa RLN de LaMarca.

As alegações de roubo de propriedade intelectual pela China estão sob escrutínio mais rigoroso desde a guerra comercial Estados Unidos-China. Um relatório da Casa Branca de 2018 destacou a China como “a maior fonte mundial de produtos falsificados e pirateados”.

De acordo com um relatório de 2017 sobre direitos de propriedade intelectual (IPR), produtos falsificados da China e Hong Kong responderam por 48% e 39% de todos os produtos falsificados apreendidos na alfândega dos Estados Unidos, com um valor de varejo combinado de cerca de US$ 940 milhões.

Outro relatório de 2017 da Comissão sobre o Furto da Propriedade Intelectual Americana identificou a China como a principal culpada pelo roubo de propriedade intelectual, que custa aos Estados Unidos entre US$ 225 bilhões e US$ 600 bilhões por ano.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

 
Matérias Relacionadas