China: Xinjiang pressiona por mais medidas de bloqueio para conter vírus e causa ira nos residentes

Moradores disseram ao Epoch Times nas últimas semanas que eles acreditavam que o surto foi mais grave do que as autoridades descreveram, com base em informações que coletaram de hospitais e outras fontes

Por Nicole Hao

Na região de Xinjiang, noroeste da China, as autoridades de saúde relatam continuamente novas infecções enquanto lutam para conter o mais recente surto do vírus do PCC.

O governo da cidade de Urumqi, capital da região, anunciou novas medidas de bloqueio, para desgosto dos moradores locais.

Urumqi ordenou que todos os aldeões ficassem em casa, e que apenas o pessoal designado do Partido pode fazer compras em seu nome.

“As novas medidas de Urumqi mostram que o surto está fora de controle na cidade e que o vírus do PCC se espalhou de áreas urbanas para vilas”, disse Tang Jingyuan, comentarista de assuntos da China com base nos Estados Unidos.

De acordo com estatísticas oficiais de Urumqi, a cidade tem cerca de 3,5 milhões de habitantes, dos quais 18% vivem em áreas rurais, ou cerca de 655.000 pessoas.

Surto em Urumqi

Em 11 de agosto, a Comissão de Saúde de Xinjiang anunciou que 567 pessoas foram tratadas com COVID-19 em hospitais.

O anúncio indicou que 223 pacientes diagnosticados tiveram alta de hospitais entre 15 de julho e 10 de agosto, o que significa que pelo menos 790 pessoas (567 mais 223) foram diagnosticadas com COVID-19 em Xinjiang, no último mês. A maioria deles é de Urumqi.

Outras 131 pessoas foram identificadas como portadores assintomáticos (as autoridades chinesas os contam em uma categoria separada), enquanto 15.658 pessoas foram isoladas como contatos próximos de pacientes diagnosticados ou portadores assintomáticos.

No entanto, os moradores disseram ao Epoch Times nas últimas semanas que eles acreditavam que o surto foi mais grave do que as autoridades descreveram, com base em informações que coletaram de hospitais e outras fontes.

Enquanto isso, o diretor de assuntos agrícolas de Urumqi, Li Xiangrun, anunciou em uma entrevista coletiva em 7 de agosto que “administramos separadamente áreas residenciais e áreas agrícolas no campo”, acrescentando isso a todos os trabalhadores não agrícolas serão convidados a ficar em casa enquanto os agricultores permanecerão isolados em suas terras.

Li disse que todos os locais públicos nas áreas rurais estarão fechados, exceto mercearias e farmácias. Somente oficiais do Partido e voluntários designados tinham permissão para comprar comida e itens essenciais em nome dos aldeões. Qualquer pessoa que precise de alimentos ou remédios deve se inscrever por meio desse pessoal do Partido para fazer compras para eles, acrescentou Li.

A polícia chinesa fecha a estrada que leva ao Tribunal Popular Intermediário de Urumqi em Urumqi, região de Xinjiang, extremo oeste da China, em 17 de setembro de 2014 (GOH CHAI HIN / AFP via Getty Images)
A polícia chinesa fecha a estrada que leva ao Tribunal Popular Intermediário de Urumqi em Urumqi, região de Xinjiang, extremo oeste da China, em 17 de setembro de 2014 (GOH CHAI HIN / AFP via Getty Images)

Fechando toda Xinjiang

Desde que Xinjiang anunciou sua primeira infecção pelo vírus do PCC neste último surto em 16 de julho, o governo local implementou várias medidas de bloqueio em toda a região.

“Se você se atrever a sair de casa, quebraremos suas pernas. Se você se atrever a discutir conosco, arrancaremos seus dentes”, foi uma mensagem transmitida por alto-falantes em Urumqi em julho.

Embora as autoridades apenas tenham anunciado infecções em Urumqi, Kashgar, Changji e no Corpo paramilitar de Construção e Produção regional, toda a região foi bloqueada, segundo residentes.

Um ciclista ávido postou nas redes sociais em 30 de julho que ele ficou preso em uma estrada deserta na prefeitura de Tacheng por três dias. Funcionários em um posto de controle o impediram de entrar em qualquer vila ou cidade, alegando temores de que ele pudesse espalhar a COVID-19.

Tacheng fica a noroeste de Urumqi e é uma prefeitura de fronteira com o Cazaquistão. O ciclista andou de bicicleta por cerca de 2.900 milhas de Xangai a Tacheng e entrou em Xinjiang em 1º de julho.

No final de julho, vilas e cidades na província de Tacheng estabeleceram postos de controle e não permitiram que ninguém entrasse sem uma autorização de viagem.

O ciclista disse que implorou aos policiais que o mandassem para um centro de quarentena e que não se importaria em pagar esse custo, mas eles não permitiriam. Ele então implorou às autoridades que o mandassem de volta a Xangai, mas foi novamente rejeitado. Ele implorou por comida e bebida, mas sem sucesso.

O homem foi forçado a ficar lá cerca de dez horas na estrada. “Eu realmente não consigo entender se eles estão salvando pessoas [com o confinamento] ou matando uma pessoa saudável?” disse. “Estou esperando a morte nesta área deserta”.

Até o momento, o homem não forneceu novas atualizações nas redes sociais. Não está claro o que aconteceu com ele.

Residentes são amontoados em um local de teste de ácido nucleico de COVID-19 em Dalian, China, em 27 de julho de 2020 (Fornecido ao Epoch Times)
Residentes são amontoados em um local de teste de ácido nucleico de COVID-19 em Dalian, China, em 27 de julho de 2020 (Fornecido ao Epoch Times)

Escala de surto

Em 5 de agosto, a cidade de Hangzhou, na província de Zhejiang, leste da China, anunciou que um estudante do condado de Yarkant, em Xinjiang, foi identificado como portador assintomático quando tentou ser submetido a uma cirurgia ocular em um hospital local.

A equipe médica e os residentes do bairro de Xiasha de Hangzhou, distrito de Qiantangxin, onde vive o portador do vírus, disseram à edição chinesa do Epoch Times em 5 de agosto que o estudante deixou Xinjiang em 13 de julho e chegou a Hangzhou em 15 de julho, depois que ele e sua mãe visitaram Xangai por dois dias.

Tanto o aluno quanto sua mãe não apresentaram sintomas. Eles estiveram no aeroporto de Urumqi por várias horas para serem transferidos de avião em 13 de julho. Não está claro se outras pessoas foram infectadas enquanto o aluno e sua mãe estavam viajando.

As medidas de fechamento também irritaram os moradores da cidade de Dalian, no nordeste do país, onde também ocorre uma terceira onda do surto.

No dia 7 de agosto, a prefeitura anunciou que a polícia municipal puniu 52 pessoas envolvidas em quatro processos criminais relacionados ao surto e 38 “processos administrativos” relacionados ao surto.

As autoridades disseram que 52 pessoas não seguiram as regras de bloqueio do governo.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

China em Foco – EUA apura aplicativos da China

 

 
Matérias Relacionadas