China suspende licenças individuais de turismo para Taiwan em meio à tensão crescente

Por Reuters

PEQUIM – A China deixará de emitir permissões individuais de viagem para Taiwan para as pessoas em 47 cidades do continente a partir de 1º de agosto, informou o Ministério da Cultura e Turismo em 31 de julho, citando o estado dos laços com a ilha autogovernada, mas não deu detalhes.

As pessoas do continente precisam de permissão para viajar para o que Pequim considera uma província renegada. Apenas viajantes de 47 cidades, como Pequim, Xangai e Xiamen, podiam visitar Taiwan de forma independente.

Viajantes do continente com licenças emitidas antes de quinta-feira podem seguir o itinerário original, mas depois dessa data os turistas só podem ir em grupos, disse a China International Travel Service (CITS), um grande operador turístico do continente.

“Estamos cientes da suspensão”, disse outro operador, Shanghai Spring International Travel Service. “Hoje é o último dia para solicitar a permissão como indivíduos.”

O Conselho de Assuntos do Continente de Taiwan expressou seu severo protesto e condenação da mudança na China.

“As autoridades do continente unilateralmente destruíram o acordo sem comunicação com o nosso lado”, disse o painel em um comunicado.

“Não estamos satisfeitos em ver que o turismo e as trocas normais em todo o Estreito foram interrompidos por fatores políticos”.

Nos últimos anos, a China intensificou os exercícios militares em torno de Taiwan, incluindo regularmente o que Pequim chama de exercícios de “enclausuramento de ilhas” e o envio de navios de guerra para as águas vizinhas.

As forças armadas chinesas realizaram exercícios esta semana nas águas perto de Taiwan, após uma advertência na semana passada de que estava pronta para a guerra se houvesse qualquer movimento em direção à independência para o que Pequim considera uma província renegada.

A China, que nunca renunciou ao uso da força para colocar a ilha sob seu controle, também acusou os Estados Unidos de minar a estabilidade global e denunciou suas vendas de armas a Taiwan. Os Estados Unidos são o principal fornecedor de armas de Taiwan.

A proibição vem meses antes das eleições presidenciais de Taiwan em janeiro. Pequim vê Tsai Ing-Wen com cautela desde que se tornou presidente de Taiwan em 2016, suspeitando que ela esteja pressionando pela independência formal da ilha.

Isso ocorre em meio a uma recuperação no número de turistas da parte continental para Taiwan, que ficou em 1,67 milhão no primeiro semestre, um aumento de 28% em relação ao ano anterior, segundo dados oficiais.

No ano passado, 2,69 milhões de turistas visitaram a ilha, uma queda de 1% em relação ao ano anterior e uma queda de 35% em relação ao pico de 2015, segundo dados do Departamento de Turismo de Taiwan.

Em Wenzhou, uma das cidades chinesas afetadas, uma viajante de sobrenome Yang ficou incomodada com a proibição, já que sua permissão expira em agosto, mas ela não estava muito preocupada com os laços do estreito.

“Eu fui para Taiwan no ano passado, e todo mundo lá foi legal.”

Pela redação de Pequim, Se Young Lee e Ryan Woo

 
Matérias Relacionadas