China, Rússia, Coreia do Norte e Irã formam aliança antiamericana

"China e a Rússia querem moldar um mundo consistente com seu modelo autoritário - ganhando autoridade de veto sobre as decisões econômicas, diplomáticas e de segurança de outras nações”

Por James Gorrie

Comentário

No que provavelmente é o maior desafio estratégico para os Estados Unidos no futuro, um novo “Eixo do Mal” surgiu no cenário mundial, como dizia a terminologia do presidente George W. Bush. China, Rússia, Coreia do Norte e Irã estão trabalhando juntos para enfraquecer a ordem mundial liderada pelos Estados Unidos.

Uma nova ameaça à ordem mundial do pós-guerra

Esse recente alinhamento de nações delinqüentes representa uma ameaça direta a todas as bases estratégicas, comerciais, econômicas e culturais que ancoram a estabilidade e o desenvolvimento do mundo desde o final da Segunda Guerra Mundial. Consequentemente, o desafio enfrentado pelas instituições diplomáticas e estratégicas dos EUA, bem como pelos planos militares, tornou-se tremendo.

Isso se deve em grande parte ao fato de que, diferentemente de outras nações que não podem compartilhar valores, morais e objetivos democráticos americanos ou ocidentais, essas quatro nações são agressivas e participam ativamente de guerras de expansão ou tiram vantagem da ameaça de guerra para fazê-la.

Esse novo eixo fascista tornou-se muito mais evidente após o ataque com um drone americano que derrubou o general terrorista Qassem Soleimani, do Irã. Para combater a maior resposta dos EUA na região, as autoridades de defesa chinesas anunciaram que a China e a Rússia participarão dos próximos exercícios militares navais com a marinha iraniana no Oceano Índico e no Golfo de Omã.

Este não é um evento particularmente surpreendente, mas é crucial, se não tão ameaçador. As autoridades de defesa dos EUA estão cientes do surgimento da colaboração russo-chinesa há pelo menos alguns anos, como o Resumo da Defesa Nacional de 2018 reconhece:

“O desafio central para a prosperidade e a segurança dos Estados Unidos é o ressurgimento da competição estratégica de longo prazo, razão pela qual a Estratégia de Segurança Nacional se classifica como poderes revisionistas. Está cada vez mais claro que a China e a Rússia querem moldar um mundo consistente com seu modelo autoritário – ganhando autoridade de veto sobre as decisões econômicas, diplomáticas e de segurança de outras nações. ”

China e Rússia aprofundam laços militares

A China e a Rússia estão especialmente se aproximando, participando de exercícios militares altamente coordenados, harmonizando estruturas de comando e até transferências de tecnologia. A Coreia do Norte e o Irã também fazem parte dessa colaboração infeliz e perigosa. No entanto, existem razões racionais para fazer isso.

Os quatro países são concorrentes regionais ou globais dos Estados Unidos. Mas todo mundo acha que o poder militar e econômico americano está entre eles e seus planos expansionistas. De fato, todos eles estão sujeitos ao sistema financeiro internacional baseado no dólar e controlado por Washington, D.C., e atualmente sob severas sanções econômicas nos EUA. O sistema financeiro dominado pelos Estados Unidos e a supremacia tecnológica e militar limitaram, em graus variados, a capacidade dessas nações de exercer maior hegemonia regional ou global.

Cuspindo no prato em que comeu

A China, em particular, se beneficiou do sistema administrado pelos próprios americanos que desejam derrubar. Ela viu como seu desenvolvimento disparou, passando de uma nação agrária pobre para ser a segunda maior economia do mundo e líder em robótica, inteligência artificial e biociências, entre outras áreas.

O rápido desenvolvimento da China é justamente porque os Estados Unidos concederam a ela o status de nação mais favorecida, permitindo a entrada na Organização Mundial do Comércio. Isso foi seguido pelos Estados Unidos e nações ocidentais investindo bilhões em capital, fábricas e propriedade intelectual na China nas próximas quatro décadas.

Hoje, a China está explorando estrategicamente seu status de potência econômica mundial para militarizar o Mar da China Meridional e ameaçar Hong Kong e Taiwan. Ela também está intimidando seus vizinhos na tentativa de questionar as garantias de defesa dos Estados Unidos na região. Esses esforços incluem o aproveitamento das capacidades de mísseis nucleares da Coreia do Norte. Esses esforços incluem tirar proveito da capacidade da Coreia do Norte em mísseis nucleares.

O mal da Coreia do Norte ganha status

Tanto a Coreia do Norte quanto o Irã são estados agressivos, com interesses diferentes e desestabilizadores. A Coreia do Norte é um estado cliente da China desde 1950, com o início da Guerra da Coreia, e depende da China para alimentos, combustível e outras mercadorias. Atua em conjunto com os interesses da China para neutralizar a influência dos Estados Unidos na região.

Em seu compromisso com um maior status regional e global, Pyongyang usou suas capacidades de mísseis nucleares, incluindo mísseis de lançamento de teste para o Japão, em apoio à ascensão planejada da China na região e, por extensão, também à sua. A ameaça de ação militar contra a Coreia do Sul e os Estados Unidos também faz parte desse esforço.

Irã patrocina terrorismo e islamismo radical

O Irã, por outro lado, é o estado terrorista mais ativo do mundo. Ele ganhou um controle significativo sobre o Iraque. Com suas guerras de poder em Israel, Líbano, Síria, Gaza, Iêmen e Arábia Saudita, a corrupta teocracia islâmica busca domínio regional e religioso no Oriente Médio. Isso inclui retirar os Estados Unidos do Oriente Médio, excluir Israel do mapa e eliminar o controle saudita sobre a Arábia. O Irã se beneficia da Rússia como parceiro estratégico e fornecedor de armas e sistemas de defesa militar.

Nesta nova aliança “revisionista”, todos, exceto o Irã, têm armas nucleares e sistemas de lançamento intercontinentais. Teerã, no entanto, certamente está tentando ingressar nesse clube, frustrado apenas pelo governo Trump. Mas as semelhanças de comportamento e objetivos vão muito além do mapa nuclear.

Uma reunião de fascistas

As quatro nações são Estados policiais fascistas, independentemente de como são chamadas. Cada uma tem uma história horripilante e deprimente de maltratar seu povo há décadas e é governada por tiranos ditatoriais únicos com mãos manchadas de sangue pela vida. Os líderes políticos de cada regime controlam os fatores de produção para apoiar suas políticas externas agressivas e manter o controle sobre a população civil.

Aliança de falhas econômicas

Notavelmente, Rússia, Coreia do Norte e Irã são todos fracassos econômicos. A Rússia e o Irã dependem de petróleo e gás natural para a maior parte de suas receitas de exportação. Todos eles, exceto a China, carecem de diversificação industrial, mercados internos com bom funcionamento, sistemas jurídicos transparentes e câmbio de qualquer valor.

China e Rússia são os que mais têm a perder. Pequim está vendo seus sonhos de primazia econômica colapsarem sob as tarifas dos EUA. A legitimidade do Partido Comunista Chinês (PCC) está desaparecendo diariamente diante da recusa de Hong Kong em aceitar o governo comunista.

E as esperanças da Rússia de controlar a Europa Ocidental através do monopólio da venda de gás natural estão quase terminando. Um recente acordo assinado por Israel, Chipre e Grécia fornecerá mais gás natural a um custo menor para a Europa, sem o risco de ser intimidado por Moscou.

As quatro sociedades também são retrógradas e más, e tentam impor suas visões distópicas ao resto do mundo. Esse novo desenvolvimento não é um bom presságio para os Estados Unidos ou para as nações civilizadas. A história das poderosas nações fascistas que se unem contra as democracias do mundo não é agradável. (Veja Alemanha, Japão e Itália, por volta de 1939).

Parece que esta nova década promete mais desafios ao mundo e ainda menos estabilidade do que a anterior.

James Gorrie é escritor e palestrante no sul da Califórnia. Ele é o autor de “The China Crisis”.

As opiniões expressas neste artigo são de opinião do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

***

 
Matérias Relacionadas