China retoma transmissão de jogos da NBA

Por Frank Yue

O canal estatal chinês CCTV anunciou em 9 de outubro que seu canal de esportes retomaria a transmissão dos jogos da NBA (National Basketball Association) na manhã de 10 de outubro.

Um porta-voz da CCTV explicou que “dada a alta demanda para assistir a esportes de basquete na China”, a retomada é um “acordo normal de transmissão”. A NBA “recentemente continuou a expressar sua boa vontade” e “fez esforços positivos para apoiar a luta da China contra a epidemia”, acrescentou.

No ano passado, a mídia chinesa e as plataformas online pararam de transmitir os jogos, que são incrivelmente populares na China, após a polêmica sobre um tweet em apoio aos protestos de Hong Kong postados pelo CEO Darly Morey dos Houston Rockets.

Protestos em massa eclodiram em Hong Kong no ano passado, quando milhões de pessoas ficaram irritadas com a crescente intrusão do regime chinês nos assuntos locais. Após sua transferência de soberania para a China em 1997, a cidade, uma ex-colônia britânica, recebeu a promessa de autonomia e liberdades.

Reações de internautas chineses

Alguns fãs chineses da NBA saudaram o retorno das transmissões de jogos.

No entanto, alguns apontaram para a ironia, já que a CCTV já havia suspendido as partidas, citando sentimentos nacionalistas, mas agora eles queriam se beneficiar do acordo comercial.

Um internauta comentou: “Por que eles não têm coragem?”

Outro disse: “As autoridades chinesas pisaram na linha vermelha e destruíram sua credibilidade.”

Evento repetido

No ano passado, Daryl Morey tuitou: “Lute pela liberdade. Apoie Hong Kong ”para mostrar seu apoio aos manifestantes de Hong Kong.

Manifestantes gritam slogans enquanto seguram panfletos no Southorn Playground de Hong Kong em 15 de outubro de 2019 (Anthony Wallace / AFP via Getty Images)
Manifestantes gritam slogans enquanto seguram panfletos no Southorn Playground de Hong Kong em 15 de outubro de 2019 (Anthony Wallace / AFP via Getty Images)

Esta postagem gerou uma grande reação, com empresas chinesas interrompendo os negócios, enquanto autoridades americanas criticaram a NBA por não defender Morey e a liberdade de expressão.

Em 8 de outubro de 2019, a CCTV declarou a proibição da transmissão de jogos da NBA, declarando que “acreditamos que qualquer discurso que desafie a soberania nacional e a estabilidade social não tem nada a ver com liberdade de expressão”.

Sob pressão interna, o presidente da NBA, Adam Silver, declarou que “apoia a liberdade de expressão”.

Pressionando pelo retorno da NBA

Em entrevista à Radio Free Asia (RFA), Li Hengqing, economista e diretor do Information & Strategy Institute em Washington DC, disse: “As empresas relevantes sofreram um grande revés financeiro durante o período de interrupção”.

O mercado chinês é responsável por 10% da receita anual da NBA, de acordo com o Chicago Tribune. Uma série de ações retaliatórias dos chineses causou sérias perdas à NBA.

E embora algumas autoridades tenham falado recentemente sobre a dissociação entre os EUA e a China, a China está tentando manter laços comerciais com os Estados Unidos.

Frank Tian Xie, professor de negócios da Universidade Aiken da Carolina do Sul, concorda com a opinião de Li. “O que importa para a NBA é a enorme base de fãs na China. O interesse de altos funcionários também está em jogo”, disse Xie. “A China precisa cooperar com as empresas americanas para criar uma impressão de prosperidade”, acrescentou.

Registro de direitos humanos

Em 29 de julho de 2020, a ESPN, uma plataforma americana de notícias esportivas, publicou uma investigação sobre os relatos de vários ex-treinadores da NBA, que trabalharam nas academias da NBA na China, em relação ao abuso de jogadores, o que aconteceu muito antes do tweet de Morey.

Treinadores americanos em três academias de treinamento da NBA na China teriam reclamado aos dirigentes da liga sobre seus companheiros chineses, abusando fisicamente dos jovens jogadores e não lhes oferecendo treinamento.

Um exemplo disso é a academia da NBA em Xinjiang, uma região da China onde mais de um milhão de uigures e outras minorias étnicas muçulmanas estão sendo mantidos em campos de concentração. Os treinadores americanos também eram frequentemente perseguidos e vigiados. Um deles foi detido três vezes sem motivo, de acordo com a ESPN.

O técnico da NBA, Bruce Palmer, disse que alertou repetidamente os treinadores chineses para não
golpear, chutar ou jogar bolas em crianças enquanto ele era diretor técnico em um centro de treinamento da NBA na cidade de Dongguan, província de Guangdong.

De acordo com a ESPN, o programa da NBA China, lançado em 2016 para desenvolver jogadores locais em um mercado promissor, transformou a NBA China em uma “empresa de US$ 5 bilhões”. A maioria dos ex-funcionários falou sob condição de anonimato por temer que suas oportunidades futuras de carreira fossem afetadas.

Em julho, a liga anunciou que havia fechado a Academia de Xinjiang. Mas as autoridades se recusaram a comentar se a decisão foi tomada após o relatório da ESPN.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas