China realiza primeiro transplante de pulmão em paciente com coronavírus, levantando preocupações sobre a origem dos órgãos

Especialistas em ética e virologia questionaram se o tratamento seria eficaz e levantaram preocupações de que a cirurgia poderia ter envolvido a extração forçada de órgãos

Por Nicole Hao

Com o apoio de autoridades governamentais, um cirurgião chinês recentemente conduziu uma cirurgia de transplante de pulmão em um paciente infectado com o novo coronavírus.

Relatos da mídia chinesa disseram que o par de pulmões era uma doação voluntária de uma pessoa que morreu.

Especialistas em ética e virologia questionaram se o tratamento seria eficaz e levantaram preocupações de que a cirurgia poderia ter envolvido a extração forçada de órgãos.

Em um julgamento de junho de 2019, um tribunal popular independente em Londres concluiu por unanimidade “além de qualquer dúvida razoável” que prisioneiros de consciência na China haviam sido – e continuam sendo – mortos por seus órgãos “em uma escala significativa”.

Transplantes de pulmão

O jornal estatal Beijing Daily publicou em 1º de março que o principal especialista chinês em transplante de pulmão, Chen Jingyu, passou cinco horas e concluiu a primeira operação de transplante de pulmão em um paciente com vírus na cidade de Wuxi, localizada na província de Jiangsu, no leste da China.

O paciente era um homem de 59 anos que começou a apresentar sintomas em 23 de janeiro. Ele foi diagnosticado com COVID-19 em 27 de janeiro. Dias depois, em 7 de fevereiro, ele recebeu um procedimento médico para inserir tubos nas vias aéreas .

A situação do paciente continuou se deteriorando. Em 22 de fevereiro, ele começou a receber tratamento de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO). A ECMO envolve o uso de equipamentos fora do corpo humano para substituir a função dos pulmões. Ele usa uma bomba para circular o sangue através de um pulmão artificial e no corpo do paciente.

Em 24 de fevereiro, o paciente foi transferido para o Hospital de Doenças Infecciosas de Wuxi.

“Após o tratamento [ECMO], os kits de teste de diagnóstico de coronavírus continuaram negativos. Mas os pulmões do paciente foram gravemente danificados e não puderam ser reparados”, relatou o jornal.

Em relação à fonte do órgão para transplante, dizia: “Os pulmões foram doados por um paciente com morte cerebral. … Os pulmões foram enviados para Wuxi de outra província através de um trem de alta velocidade de sete horas”.

Chen é vice-diretor do Hospital de Doenças Infecciosas de Wuxi. Ele disse ao repórter do Beijing Daily: “A operação é muito arriscada. A equipe médica deve usar roupas de proteção e realizar a cirurgia em uma sala de operações com pressão de ar negativa”.

O próprio Chen não pôde confirmar se o paciente estava livre do novo coronavírus.

Em 1º de março, Chen disse a outro meio de comunicação estatal The Paper: “O resultado negativo do teste de ácido nucleico não significa que não há coronavírus nos pulmões. Por isso, tomamos precauções rigorosas quando realizamos a operação”.

Chen disse que proporia ao governo central a criação de uma equipe para realizar operações de transplante de pulmão em “pacientes relativamente jovens com COVID-19 em estado crítico, como pacientes de 20, 30, 40 e 50 anos”.

A mídia estatal chinesa anunciou em 2 de março que uma segunda operação de transplante de pulmão foi realizada em um paciente com COVID-19 no Primeiro Hospital Afiliado da Faculdade de Medicina da Universidade de Zhejiang, em 1º de março.

A paciente era uma mulher de 66 anos que foi diagnosticada com COVID-19 em 31 de janeiro e estava em tratamento no hospital desde 2 de fevereiro, segundo relatos da imprensa. Essa paciente também foi submetida a tratamento com ECMO, mas em 1º de março os dois pulmões falharam.

A reportagem informou que o órgão transplantado veio da província de Hunan e foi transportado de avião. Foi relatado que o doador era um paciente com morte cerebral.

Han Weili, diretor do departamento de transplante de pulmão do hospital, realizou a operação.

Os relatórios da mídia não foram elaborados sobre as condições atuais dos dois pacientes transplantados.

Questões

Chen disse que as operações de transplante podem ser uma solução para outros pacientes com COVID-19 cujos pulmões estão gravemente danificados e cujos resultados de testes diagnósticos são negativos.

Mas Sean Lin, ex-pesquisador de virologia do Exército dos EUA, disse que é improvável que um transplante ajude a tratar esses pacientes com vírus, já que sua condição grave indica que eles ainda têm o vírus.

“Fazer isso [cirurgia de transplante] é completamente blasfêmia”, disse Lin ao Epoch Times em uma entrevista por telefone.

“Com a progressão dos tratamentos que esse paciente [primeiro transplante de pulmão] recebeu, fica claro que seus pulmões, trato respiratório e seu corpo estão cheios do novo coronavírus”, disse Lin, observando que o paciente foi transferido para um hospital de doenças infecciosas depois que sua condição piorou, sugerindo que a infecção viral era grave.

Lin disse que é improvável que um par de novos pulmões possa aliviar a doença do paciente, pois o novo órgão provavelmente ficará infectado.

Devido à infecção viral, o sistema imunológico do paciente provavelmente está “à beira do colapso”, disse ele, acrescentando que, com a cirurgia de transplante, o corpo também está lutando contra a rejeição do novo órgão.

A operação também traz um alto risco de infecção para a equipe médica que realiza a cirurgia – como evidenciado pela explicação de Chen sobre as medidas de precaução que eles tomaram.

Finalmente, a eficácia dos kits de diagnóstico foi questionada pelos principais especialistas chineses, que disseram que alguns pacientes que têm o vírus estão recebendo resultados negativos.

Fonte dos órgãos

Embora as reportagens da mídia chinesa afirmem que os pulmões das duas cirurgias de transplante vieram de doadores, especialistas que investigaram as práticas de extração forçada de órgãos pelo regime chinês despertaram o alarme sobre a procedência dos órgãos.

“Os investigadores descobriram que é altamente provável que a maioria dos órgãos utilizados para transplante na China tenha sido retirada à força de indivíduos que não consentem. Portanto, é lógico supor que os pulmões usados ​​também foram”, disse Ann Corson, porta-voz do Médicos Contra a Extração Forçada de Órgãos (DAFOH), um grupo de defesa com sede em Washington que publicou relatórios sobre o assunto.

Por mais de uma década, os pesquisadores coletaram evidências crescentes de que o regime está matando prisioneiros de consciência, a maioria dos quais são praticantes do grupo espiritual perseguido Falun Gong, por seus órgãos e vendendo-os no mercado de transplantes.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática espiritual que consiste em exercícios meditativos e ensinamentos baseados nos princípios de verdade, compaixão e tolerância. O regime chinês suprimiu fortemente a prática desde 1999. Os seguidores estão sujeitos a detenção arbitrária, trabalho forçado e tortura. Milhares morreram sob custódia, de acordo com o Centro de Informações do Falun Dafa.

Um relatório de 2016 da Coalizão Internacional para Acabar com o Abuso de Transplantes na China (ETAC) constatou que o regime chinês realizava cerca de 60.000 a 100.000 transplantes por ano, superando em muito a reivindicação oficial de 10.000 a 20.000 por ano de um sistema de doação pública recém-criado. A conclusão foi baseada na análise de registros públicos de 712 hospitais chineses, incluindo contagem de leitos, taxas de utilização, pessoal cirúrgico, programas de treinamento e financiamento estatal.

David Kilgour, ex-secretário de estado canadense da Ásia-Pacífico e co-autor do relatório da ETAC, disse ao Epoch Times que ficaria “muito surpreso” se os doadores de órgãos para esses dois transplantes fossem doadores que genuinamente consentiram.

Ele acrescentou que observadores independentes devem ir à China para examinar exatamente o que aconteceu durante os procedimentos recentes.

Ethan Gutmann, especialista na China e coautor do relatório da ETAC, sugeriu que a divulgação pela mídia estatal desses transplantes de pulmão era semelhante a um exercício de relações públicas.

“Esses transplantes de pulmão feitos em tempo recorde sugerem que eles estão abertos para negócios”, disse Gutmann, observando que a lucrativa indústria de transplantes da China sofreu um golpe desde o início do surto.

“Estou lendo os anúncios como uma propaganda.”

 
Matérias Relacionadas