China quer controlar a nuvem

Por que o PCCh investe tanto na tecnologia blockchain?

Por John Mac Ghlionn 

Comentário

O Partido Comunista Chinês (PCCh) não é fã de criptomoedas, especialmente do Bitcoin. Não surpreendentemente, as elites em Pequim também não gostam de NFTs. Faz sentido. Ambos são ativos altamente especulativos. No entanto, quando se trata de blockchain, a tecnologia subjacente que alimenta Bitcoin e os NFTs, o PCCh parece estar muito interessado. Neste artigo, você verá o porquê.

Em 2019, o líder chinês, Xi Jinping, falou com entusiasmo sobre blockchain. Ele convocou empresários e magos da tecnologia em todo o país para “agarrar a oportunidade” apresentada pela tecnologia revolucionária. O surgimento da blockchain, segundo Xi, sinalizou um “importante avanço na inovação independente das principais tecnologias”.

Ele enfatizou que o desenvolvimento adicional da blockchain, uma tecnologia essencial, precisava ser acelerado.

Em um artigo anterior, descrevi como a blockchain funciona em detalhes bastante extensos. Embora existam quatro tipos de estruturas de blockchain, precisamos apenas nos preocupar com dois deles: blockchains públicos e privados. O primeiro, por natureza, não precisa de permissões, é completamente descentralizado, permite que qualquer pessoa participe. Este último, entretanto, é gerenciado por administradores de rede aprovados. Os participantes devem obter aprovação antes de ingressar na rede.

Não deve ser surpresa saber que o PCCh é muito a favor de blockchains privados. A questão, porém, é por quê?

Por que o PCCh investe tanto na tecnologia blockchain?

É simples — dados.

Quem controla os dados controla o futuro

Há dois anos, o PCCh lançou a Blockchain-based Service Network (BSN), uma “infraestrutura comum para a implantação e operação de aplicativos blockchain globalmente”, segundo seu site. Sim, globalmente.

Os principais membros do BSN incluem China Mobile, China UnionPay e Red Date Technology, o “arquiteto técnico por trás do BSN”.

O CEO da Red Date Technology, Yifan He, disse à CNBC que a tecnologia blockchain tem o potencial de “mudar toda a internet e quase toda a arquitetura do sistema de TI”.

Outro guru da blockchain, Paul Triolo, acrescentou ao ponto de He. “A tecnologia Blockchain é muito importante para a China, pois as autoridades do governo a veem como uma barreira baixa para o setor de tecnologia de entrada e querem que as empresas chinesas usem aplicativos blockchain para resolver problemas do mundo real”.

Uma renderização artística da tecnologia blockchain. A SALT Lending quer criar o primeiro mercado de empréstimos baseado na tecnologia (Shutterstock)
Uma renderização artística da tecnologia blockchain. A SALT Lending quer criar o primeiro mercado de empréstimos baseado na tecnologia (Shutterstock)

Conforme os Estados Unidos e a União Europeia usam a tecnologia blockchain para rastrear as emissões de carbono, a China planeja usá-la por motivos muito diferentes. O PCCh quer controlar o máximo de dados possível, não apenas na China, mas também internacionalmente. Se os desenvolvimentos atuais servirem de base, o PCCh planeja usar a BSN para atingir esse objetivo bastante preocupante.

Como observou o artigo da CNBC, o BSN está focado em trabalhar com grandes empresas internacionais, “em particular, aquelas que operam infraestrutura de computação em nuvem”. Pense em empresas como Amazon e Microsoft, duas grandes operadoras de nuvem, por exemplo.

Alguns leitores podem se perguntar o que é a nuvem e qual o seu propósito exato.

No mundo virtual, a nuvem é tudo. A Microsoft define a computação em nuvem como “a entrega de serviços de computação—incluindo servidores, armazenamento, bancos de dados, rede, software, análise e inteligência—pela Internet (‘nuvem’) para oferecer inovação mais rápida, recursos flexíveis e economias de escala”.

Agora, a China quer usar a BSN para controlar esses serviços.

Segundo o mencionado por He, daqui a uma década, “todas as nuvens terão um ambiente blockchain padrão para lidar com todos os aplicativos relacionados à blockchain”. A BSN pretende ser um “balcão único” para todas as atividades relacionadas à blockchain na nuvem.

Qualquer pessoa familiarizada com computação em nuvem sabe que, em teoria, você possui os dados que cria e carrega. No entanto, os provedores de serviços em nuvem são realmente aqueles que controlam – com controle total – os seus dados.

Neste momento, cerca de 90% das empresas em todo o mundo usam sistemas baseados em nuvem. Muitas dessas empresas, como Amazon e Microsoft, têm muitos dados sobre você, o cliente. Todos os dias, 2,5 exabytes de dados são gerados. Para colocar essa figura bastante enigmática em perspectiva, o Google, o principal mecanismo de busca, armazena algo em torno de 10 exabytes.

É alguma surpresa que a BSN (simplesmente uma extensão do PCCh) queira uma fatia da torta densa de dados? Em suma, não. Nem um pouco. A China é essencialmente um panóptico digital, um país construído sobre coleta de dados e vigilância sem fim.

Para concluir, é importante ressaltar que a tecnologia blockchain e a nuvem podem ser usadas como forças para o bem. No entanto, assim como uma faca de pão nas mãos erradas pode se tornar uma arma mortal, a tecnologia suprema nas mãos erradas pode se tornar uma arma.

Quantidades excessivas de dados confidenciais nas mãos de Pequim se tornam assustadores. Com a BSN, o PCCh quer controlar o armazenamento de dados — meus dados, seus dados, os dados de todos. Será que este sonho se tornará realidade? Não aposte contra isso. O regime chinês vem tramando e planejando isso há anos.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas