China precisa do governo fora da economia para avançar, afirma especialista

A incerteza é algo que ninguém gosta mas, em economia, todo mundo tem que conviver com ela. A falta de certeza torna difícil as decisões nos negócios e causa estragos em modelos econômicos. É por isso que a economia ortodoxa muitas vezes ignora a incerteza e assume que tem certeza absoluta do planejamento econômico.

Na vida real, essa suposição nunca vinga. Essa é parte da explicação do motivo pelo qual a economia dominante é notoriamente ruim em prever crises financeiras.

Entretanto, para Horace “Woody” Brock, um economista matemático por formação, isso não é bem assim. Ele abraçou a economia da incerteza e fundou sua empresa de consultoria Strategic Economic Decisions após fazer um extenso estudo na Universidade de Stanford.

Seu mais recente livro é intitulado “American Gridlock“, onde ele propõe soluções de bom senso para crises econômicas.

O Epoch Times falou com Woody Brock sobre todos estes assuntos: os motivos pelos quais os gastos com infraestrutura são considerados a chama mágica que pode reacender o crescimento nos Estados Unidos e por que a China tem excesso de produção; o fato dos trabalhadores não precisarem temer a concorrência de robôs; como o padrão de vida para a classe média está aumentando apesar do aumento na desigualdade de renda; e como a China deve mudar seu modelo econômico para alcançar a próxima fase.

Epoch Times: Como a China pode se desenvolver ainda mais?

Sr. Brock: O problema com a China é que ela não compreende as cinco fases do crescimento econômico. As três primeiras etapas, quando você sai de um baixo investimento, baixa escala, baixa produtividade, de uma economia agrária para uma economia de alta produtividade voltada para o consumo, nesta transição é necessário ser um Faraó, ser agressivo.

Haverá corrupção, mas as pessoas que constroem as pirâmides sabem que se elas não concluírem dentro do prazo, serão enterradas vivas dentro delas. É feito assim.

A China fez de cima para baixo, só contemplou os estágios quatro e cinco. É por isso que a China está desesperada para implementar agora a transição para uma economia impulsionada pelo consumo, isso é inteiramente de baixo para cima.

Leia também:
Turismo de transplante na China: assassinatos por demanda
Economista explica erro da China ao investir em infraestrutura

Epoch Times: Você quer dizer iniciativa privada?

Sr. Brock: É como você e eu começarmos um negócio na segunda-feira, ele e outra pessoa na terça-feira. Como a Coreia do Sul, Taiwan e Hong Kong: bilhões de pequenos negócios criando um fabuloso crescimento.

O governo deveria ficar de fora, mas o Partido Comunista na China, que tem se recusado a liberar as indústrias estatais … não vai sair, porque eles são corruptos.

O problema é como Lord Acton nos disse em 1857, “o poder corrompe, e o poder absoluto corrompe absolutamente”.

Horace "Woody" Brock, presidente da Strategic Economic Decisions, em sua casa em Manhattan, Nova York, em 2 novembro de 2015 (Benjamin Chasteen / Epoch Times)
Horace “Woody” Brock, presidente da Strategic Economic Decisions, em sua casa em Manhattan, Nova York, em 2 novembro de 2015 (Benjamin Chasteen / Epoch Times)

Quando você tem um Partido Comunista cada vez mais forte, por definição, os requisitos para o crescimento ideal não estão lá.

Com o Partido Comunista, com o nível de corrupção massivo, e com um capitalismo comparsa, as empresas estatais não dão importância às fases um, dois e três. O preço, em termos de crescimento neste contexto de corrupção, explode exponencialmente nas fases quatro e cinco.

Eu e você não vamos começar um negócio na segunda-feira, e o outro não vai começar na terça-feira, quando se sabe que o resultado de fazê-lo é ficar numa situação onde, quando o grandalhão precisa, ele vai pagar o juiz para colocá-lo fora do negócio.

Então nós ficamos na cama como os norte-coreanos e nunca começamos um negócio. O crescimento, o sucesso ou o fracasso das nações não tem nada a ver com as taxas de juros. Só tem a ver com as estruturas de incentivo.

Epoch Times: Quais são os incentivos corretos?

Sr. Brock: Dê ao povo os incentivos corretos e o crescimento pode ser fabuloso. Não por dois trimestres, mas por 50 anos.
Dar às pessoas os incentivos errados é o que a Coreia do Norte fez, e com muito mais recursos do que a Coreia do Sul, cresceu zero por cento. E agora, no extremo norte, eles estão comendo uns aos outros, então acabou a história. Essa é a minha preocupação sobre a China.

O que eles vão fazer para criar as condições para um crescimento econômico de baixo para cima? É preciso ter a propriedade privada, a santidade do contrato e juízes não subornáveis, ou então não vai funcionar.

Leia também:
‘Breaking Bad’ é realidade na China
Agora é oficial: China falsifica dados econômicos

Epoch Times: E educação e inovação?

Sr. Brock: A educação é simplesmente uma pequena parte do todo. Isso é parte do investimento de capital. Obviamente o governo deve fornecer bens públicos. Ele fornece o exército, oferece educação, e tem que fazer um bom trabalho.

Não há necessidade de infraestrutura no estágio cinco. Você precisa sair do caminho. Saia do caminho; a um ponto em que o governo não existe.

O que impede a inovação? O Partido Comunista? Claro, inovação significa pessoas que sabem que elas podem ficar ricas se tentarem, e não terão sua riqueza roubada ou serão torturadas por isso. Quero dizer, é tão óbvio.

Vale do Silício não é regulamentado, não há governo. É a história de inovação mais bem sucedida na história da Terra, de longe.

Em relação ao que causa o sucesso e o fracasso, basta olhar! Se você quer uma Revolução Cultural, você também pode ter um crescimento negativo de -2  por cento – simplesmente mate todo mundo que saiba ler.

 
Matérias Relacionadas