China poderá em breve usar armas nucleares para ‘coagir’ os EUA, alertam especialistas

"Construção dos silos em Yumen e Hami constitui expansão mais significativa do arsenal nuclear chinês até hoje”

Por Frank Fang

O regime chinês poderia usar o fortalecimento de suas capacidades nucleares para coagir os Estados Unidos em apenas alguns anos, dizem os especialistas, após relatórios recentes expondo os esforços secretos de Pequim para expandir seu arsenal nuclear.

A China terá cerca de 250 novos silos, instalações subterrâneas para abrigar e lançar mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs), assim que terminar de construí-los, disse a Federação de Cientistas Americanos (FAS) em relatório publicado na semana passada. Esse número, de acordo com o think tank, é mais do que todos os ICBMs baseados em silos operados pela Rússia e cerca de metade da força de ICBM dos EUA.

“O programa de silos de mísseis chinês constitui a construção de silos de mísseis mais extensa desde a construção de silos de mísseis pelos Estados Unidos e pela União Soviética durante a Guerra Fria”, diz o relatório.

Cerca de 110 dos novos silos estão localizados em um campo perto de Hami, uma cidade na parte oriental da região oeste de Xinjiang, revelou a FAS, citando fotos de satélite. O James Martin Center, com sede na Califórnia, descobriu outro local em junho. Os pesquisadores encontraram um campo inacabado com cerca de 120 silos localizados em Yumen, uma cidade na província vizinha de Xinjiang.

“A construção dos silos em Yumen e Hami constitui a expansão mais significativa do arsenal nuclear chinês até hoje”, afirma o relatório da FAS.

Coerção nuclear

O significado da última descoberta do silo é que os militares chineses “podem chegar a um inventário inicial de mais de 3.000 ogivas”, disse Rick Fisher, principal investigador do Centro para Estratégia e Avaliação Internacional, com sede na Virgínia, ao Epoch Times.

“A China agora está começando a correr em direção à superioridade da ogiva nuclear”, disse ele por e-mail.

A descoberta das atividades clandestinas de Pequim também levanta o fato de que a comunidade internacional pode não estar ciente de novas ações de fortalecimento nuclear por parte de Pequim, disse Patty-Jane Geller, analista de política para dissuasão nuclear e defesa antimísseis da Heritage Foundation.

Ele observou que alguns descartaram a ameaça representada por Pequim, citando estimativas públicas de seu arsenal nuclear, que o colocam em 350 ogivas, ainda uma fração do estoque mantido pelos Estados Unidos e pela Rússia. Mas as descobertas mostram que “não devemos simplesmente nos deixar levar por esse jogo de números”, disse Geller.

“Não podemos continuar a considerá-los um país com poucas armas nucleares. Temos que levá-los mais a sério”, disse ele ao Epoch Times.

“Não acho que a maioria dos americanos concorde em viver com uma China que pode coagir os Estados Unidos com fortes capacidades militares.”

Pequim pode começar a “coerção nuclear” contra os EUA em meados da década, “a menos que os Estados Unidos tomem medidas contra isso agora”, de acordo com Fisher.

A ameaça aumentará se o regime se juntar à Rússia a fim de combinar forças nucleares para exercer pressão contra os Estados Unidos. Por exemplo, isso poderia impedir “um futuro presidente dos Estados Unidos fraco em vir em defesa de Taiwan” se Pequim atacar, disse ele.

“A menos que os Estados Unidos respondam rapidamente, enfrentaremos uma era de inferioridade estratégica, intimidação constante e até mesmo um ataque nuclear pela China e pela Rússia”, disse Fisher.

Veículos militares transportando ICBMs DF-31AG participam de um desfile militar na Praça Tiananmen de Pequim em 1º de outubro de 2019 (Greg Baker / AFP via Getty Images)

Dissuasão mínima

A expansão nuclear da China lança dúvidas sobre se Pequim ainda está comprometida com uma postura de dissuasão mínima, que tem mantido publicamente por décadas. A política exige que o regime mantenha seu arsenal nuclear no nível mínimo necessário para deter as ameaças nucleares.

Fu Cong, diretor-geral do Departamento de Controle de Armas do Ministério das Relações Exteriores da China, reiterou o compromisso do regime durante a Conferência anual da UE sobre Não Proliferação e Desarmamento em novembro passado.

“Acho que está claro agora que a China está se afastando [da dissuasão mínima] e se tornando mais ambiciosa”, disse Gellar. Além de construir novos silos, Gellar disse que a China também está implantando novos bombardeiros com capacidade nuclear e desenvolvendo ICBMs que podem carregar várias ogivas ao mesmo tempo.

O relatório da FAS argumentou que, à luz da construção dos novos silos, a China “saiu da categoria de ‘dissuasão mínima’”.

“Este acúmulo [de arsenal nuclear] é profundamente preocupante e levanta questões sobre as intenções da RPC [ República Popular da China ]”, disse um porta-voz do Departamento de Estado em um comunicado ao Epoch Times.

O porta-voz acrescentou: “Apesar da confusão que a República Popular da China quer gerar [sobre seu verdadeiro arsenal nuclear], este rápido aumento tornou-se mais difícil de esconder e destaca como a China está se desviando de décadas de estratégia nuclear baseada no mínimo dissuasão”.

No momento da redação, o Ministério das Relações Exteriores da China não havia feito comentários sobre os novos silos.

Dentro da China, aumentaram os apelos para que o regime expanda seu arsenal nuclear. Por exemplo, em maio passado, Hu Xijin, editor-chefe do jornal estatal linha-dura Global Times, acessou sua conta na mídia social chinesa para pedir a Pequim que aumentasse rapidamente o número de ogivas nucleares para mais de 1.000, incluindo uma de mínimo de 100 ICBMs DF-41. Ele disse que as ogivas são necessárias para “deter a agressão estratégica dos Estados Unidos”.

Os especialistas estimam que os ICBMs DF-41 tenham um alcance operacional de 15.000 quilômetros (9.300 milhas), o que os torna capazes de atingir o território continental dos Estados Unidos.

Também em maio de 2020, o especialista militar chinês Song Zhongping disse ao Global Times que Pequim “precisa aumentar seu número de armas nucleares para efetivamente conter um ataque nuclear e a capacidade de dissuasão nuclear dos EUA contra a China”.

Na semana passada, o Global Times publicou um editorial em resposta aos dois relatórios sobre os novos campos de silos da China. O artigo não nega ou afirma as descobertas, mas diz que o regime deveria ter uma força nuclear “forte o suficiente para fazer os Estados Unidos, dos militares ao governo, temerem”.

Avisos dos EUA

Geller disse que o relatório da FAS confirmou as advertências anteriores do almirante Charles Richard sobre a crescente capacidade nuclear da China. Richard é o chefe do Comando Estratégico dos Estados Unidos, que supervisiona as armas nucleares do país.

Durante uma audiência no Congresso em abril, Richard disse (pdf) que o arsenal nuclear da China estava passando por uma “expansão sem precedentes” e que Pequim tinha “o ritmo necessário para dobrar seu arsenal nuclear até o final da década”.

Ele acrescentou que o regime está prestes a implantar toda uma tríade nuclear estratégica: mísseis terrestres, submarinos e bombardeiros.

“A China é capaz de executar qualquer estratégia de emprego nuclear plausível em nível regional agora e logo será capaz de fazê-lo em alcances intercontinentais”, disse Richard.

Em resposta à nova descoberta dos silos da China, o Comando Estratégico dos Estados Unidos disse em um tweet : “O público descobriu o que estivemos dizendo o tempo todo sobre a crescente ameaça que o mundo enfrenta e o véu de sigilo que o cerca”.

Nova maneira

Washington precisa traçar um novo curso em face da crescente ameaça militar representada por Pequim.

“Para proteger os Estados Unidos de futuras ameaças nucleares da China e da Rússia, o governo Biden terá que reverter suas preferências iniciais pelo controle de armas e redução nuclear para liderar a mais agressiva construção nuclear dos EUA desde a Guerra Fria”, disse Fisher.

Depois de assumir o cargo em janeiro, o presidente Joe Biden renovou o novo tratado de controle de armas START por mais cinco anos, até 5 de fevereiro de 2026. O tratado, assinado em 2010, limita a Rússia e os Estados Unidos a não mais que 1550 ogivas nucleares.

Fisher disse que o tratado deveria ser abandonado, pois “não promove mais a segurança americana”.

Embora esforços tenham sido feitos para que a China participasse das negociações de controle de armas trilaterais, Pequim rejeitou o apelo dizendo que o número de seus arsenais nucleares era baixo em comparação com os dos Estados Unidos e da Rússia.

Segundo Geller, o novo tratado de controle de armas START está desatualizado porque foi assinado em uma época, há 11 anos, em que “definitivamente não sabíamos da expansão [nuclear] que a China está realizando hoje”.

“O mínimo que temos que fazer é concluir nossos próprios esforços de modernização nuclear”, disse Geller.

Cathy He contribuí para este artigo.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas