China paga influenciadores americanos de redes sociais para promover Jogos Olímpicos de Pequim

Influenciadores devem publicar pelo menos 24 postagens com foco nos Jogos Olímpicos e na cultura chinesa

Por Eva Fu

Pequim está pagando “influenciadores” da mídia social americana em um plano para promover os próximos Jogos Olímpicos de Inverno em meio a uma onda de boicotes diplomáticos do Ocidente.

Sob um contrato de US $300.000 com o consulado chinês de Nova Iorque, a Vippi Media, uma empresa de consultoria de Nova Jersey, supervisionará uma campanha de marketing até meados de março no Instagram, TikTok e na plataforma de streaming ao vivo Twitch.

O principal objetivo é apresentar uma descrição favorável dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim e das relações EUA-China, de acordo com uma divulgação registrada no dia 10 de dezembro pelo Departamento de Justiça sob a Lei de Registro de Agentes Estrangeiros. O envio foi relatado pela primeira vez pela OpenSecrets, uma organização sem fins lucrativos de Washington que monitora o financiamento de campanhas e dados de lobby.

A Vippi Media recebeu um adiantamento de US $210.000 do consulado, como demonstra a apresentação.

O consulado chinês ordenou que a Vippi contratasse oito “influenciadores” de mídia social que tenham alcançado níveis específicos de popularidade; um alcance mínimo de 100.000 pessoas é necessário para cinco deles e, para os outros três, pelo menos 500.000.

Pelo contrato, datado de 22 de novembro, esses influenciadores devem publicar pelo menos 24 postagens, com foco nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos e na cultura chinesa, como a preparação dos atletas em Pequim, as novas tecnologias implantadas nos Jogos, “momentos emocionantes” e a história de Pequim.

Cerca de um quinto das postagens deve se concentrar em “cooperação e qualquer coisa boa nas relações China-EUA”. Exemplos disso, citados na apresentação, incluem intercâmbios de alto nível e ‘resultados positivos’, bem como colaboração em mudanças climáticas, biodiversidade e novas energias.

A Vippi Media não pode ser contatada para comentar o assunto.

A operação de mídia social ocorre no momento em que os Estados Unidos anunciam um boicote diplomático a Pequim mediante a repressão em curso em Xinjiang, uma medida que aliados, incluindo Canadá, Austrália e Reino Unido, seguiram.

Ativistas dos direitos humanos seguram cartazes enquanto protestam em Taipei contra as Olimpíadas de 2022 em Pequim, para marcar o Dia dos Direitos Humanos, em 10 de dezembro de 2021 (Sam Yeh / AFP via Getty Images)
Ativistas dos direitos humanos seguram cartazes enquanto protestam em Taipei contra as Olimpíadas de 2022 em Pequim, para marcar o Dia dos Direitos Humanos, em 10 de dezembro de 2021 (Sam Yeh / AFP via Getty Images)

Os gastos com campanha são uma fração dos gastos do regime chinês em campanhas de propaganda dirigidas pela mídia estatal. De maio a outubro, o China Daily, um jornal em inglês administrado por Pequim, relatou um orçamento de gastos de mais de US $5,5 milhões para anunciar e distribuir seu jornal para o público ocidental. No entanto, a operação de mídia social representa uma nova e mais lucrativa fronteira para o regime espalhar e ampliar suas narrativas pró-China globalmente.

O consulado chinês espera que as postagens sejam visualizadas 3,4 milhões de vezes até o final do contrato, em 13 de março, quase quatro vezes a circulação global do China Daily.

O regime há muito tempo explora o poder das mídias sociais para divulgar suas narrativas, tanto doméstica quanto internacionalmente. No ano passado, documentos vazados obtidos pelo Epoch Times mostraram que o regime estava usando páginas proxy do Facebook para afirmar a soberania de Pequim sobre a ilha autônoma de Taiwan e para promover uma hipotética invasão militar.

No início deste mês, a empresa-mãe do Facebook, Meta, afirmou que removeu cerca de 600 contas vinculadas a Pequim que espalhavam falsas alegações sobre a COVID-19 e outras mensagens antiamericanas. O Twitter removeu separadamente um total de 2.160 contas vinculadas ao estado que tentavam rejeitar as críticas ocidentais às violações aos direitos humanos em Xinjiang.

A CGTN, braço internacional da emissora estatal chinesa CCTV, também lançou uma campanha de dois meses, em abril, para recrutar talentos da mídia global que falam inglês e celebridades da mídia social. Os participantes que chegaram ao topo tiveram a oportunidade de tornarem-se “contadores de histórias” em tempo parcial ou integral nos escritórios da CGTN, em Washington, Londres e Nairóbi.

Desde o ano passado, pelo menos 14 “influenciadores” postaram conteúdo relacionado a Xinjiang em plataformas de mídia social ocidentais que se alinham com a narrativa oficial de Pequim, as quais foram aproveitadas por contas controladas pelo Estado chinês em plataformas de mídia social com sede nos EUA para até 556 postagens, de acordo com uma análise recente do Instituto Australiano de Política Estratégica.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas