China deseja separar Nova Zelândia dos aliados, afirma especialista

Por Victoria Kelly-Clark

Um especialista australiano disse que a China adoraria ser capaz de separar a Nova Zelândia de seus aliados mais tradicionais da Austrália , América, Canadá e Reino Unido – os países que compõem a aliança Five Eyes.

O Prof. Associado Salvatore Babones da Universidade de Sydney disse ao Epoch Times que a China gostaria de ver uma Nova Zelândia mais isolada.

“A China adoraria separar a Nova Zelândia da aliança Five Eyes”, disse Babones. “A Nova Zelândia tem sido o elo mais fraco na aliança de compartilhamento de inteligência Five Eyes, e o governo Ardern parece muito mais fortemente empenhado em manter sua relação comercial com a China comunista do que em manter sua relação de segurança com o mundo livre”.

Os comentários de Babones foram feitos no momento em que o primeiro-ministro Scott Morrison disse que a Five Eyes Alliance é “realmente importante” em um mundo no qual, ele aludiu, outras forças têm visões diferentes “sobre como o mundo deveria funcionar”.

O principal deles é uma ordem mundial dominada por nações que não aderem às regras internacionais defendidas pelas democracias liberais que dela participam.

Morrison disse que a Austrália e seus aliados do Five Eyes são democracias liberais de mercado livre, com economias lideradas por empresas que compartilham valores e interesses em questões de segurança e inteligência.

Essas nações democráticas, disse ele à SkyNews , trabalham juntas para “apoiar nossa região e vê-la ser soberana e independente, para que possamos manter o mar aberto, para que não haja partes dos oceanos ou mares do mundo que sejam dentro e fora dos clubes”.

Morrison não acredita que todos os sistemas de governo sejam tão bons quanto os outros. “Se fosse esse o caso, você sabe, jogaríamos uma moeda a cada dia e decidiríamos de que forma você governa o país, você sabe, vamos correr sob um regime autoritário ou democracia liberal.”

Ele acrescentou que apoiava as democracias liberais: “Não. Democracia liberal até o fim. Para sempre”.

As relações bilaterais através do Mar da Tasmânia ficaram tensas brevemente quando o ministro do Comércio da Nova Zelândia, Damien O’Connor, disse em 27 de janeiro que a Austrália deveria seguir o exemplo de seu país e lidar com a diplomacia com Pequim com mais respeito.

O’Connor foi posteriormente acusado por políticos australianos e neozelandeses de seguir as linhas do Partido Comunista Chinês. O Ministro do Comércio da Austrália minimizou o incidente e reafirmou o forte relacionamento entre os países vizinhos.

E: A primeira-ministra Jacinda Ardern observa durante uma coletiva de imprensa em Wellington, Nova Zelândia, em 17 de março de 2020 (Hagen Hopkins / Getty Images) D: O primeiro-ministro Scott Morrison participa da reunião do Conselho de Governos Australianos em Sydney, Austrália em 13 de março de 2020 (Brook Mitchell / Getty Images)

O Prof. James Laurenceson, da University of Technology em Sydney, disse que a probabilidade de a China separar a Nova Zelândia de seus aliados é quase zero.

Laurenceson disse ao Epoch Times que a Nova Zelândia, Austrália e os Estados Unidos têm um relacionamento próximo porque serve a seus interesses.

“Não é surpreendente que eles nem sempre se envolvam com a China da mesma maneira”, disse Laurenceson. “Essa nunca foi a intenção da aliança ANZUS ou do acordo de compartilhamento de inteligência Five Eyes”.

Certamente, a nova ministra das Relações Exteriores da Nova Zelândia, Nanaia Mahuta, garantiu à Austrália, aos Estados Unidos, ao Canadá e ao Reino Unido que permanecerá um aliado fiel.

Em seu discurso inaugural sobre política externa, Mahuta disse acreditar que a chave para a postura da política externa da Nova Zelândia eram os relacionamentos. Destacando a Austrália, ela observou que a chave para as relações exteriores da Nova Zelândia era a Austrália.

“A relação trans-Tasman é crítica para a prosperidade e segurança da Nova Zelândia”, disse Mahuta. “A Austrália é nosso único aliado formal e um parceiro indispensável em toda a amplitude de nossos interesses internacionais”.

Além disso, ela observou que o relacionamento da Nova Zelândia com os Estados Unidos é essencial para a defesa e segurança do país, enquanto o relacionamento da Nova Zelândia com o Canadá e o Reino Unido é forte e duradouro.

Mahuta também destacou o relacionamento da Nova Zelândia com a China, dizendo que busca um “relacionamento maduro”, onde os dois países têm expectativas práticas um do outro.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas