China faz reunião sem precedentes enquanto economia é devastada pela política ‘Zero-COVID’

“As dificuldades, em alguns aspectos, são ainda maiores do que 2020, quando a pandemia atingiu com força”

Por Eva Fu 

O premiê chinês Li Keqiang presidiu em 25 de maio uma reunião de mais de 100.000 funcionários para emitir um alerta severo sobre os “desafios sombrios” à frente para a economia do regime comunista devido às políticas de combate à COVID-19.

Em uma teleconferência com representantes dos níveis de governo provinciais, municipais e distritais, Li alertou sobre a “aparente tendência de queda” em empregos, manufatura, eletricidade e transporte de carga.

“As dificuldades, em alguns aspectos e até certo ponto, são ainda maiores do que 2020, quando a pandemia atingiu com força”, disse ele aos participantes, segundo um resumo da mídia estatal chinesa.

A escala da conferência, não vista há anos, bem como o tom que ele adotou nos comentários, sugerem uma sensação de crescente ansiedade à medida que o primeiro-ministro chinês se torna cada vez mais vocal sobre as perspectivas da segunda maior economia do mundo.

Uma transcrição de seu discurso, compartilhado na internet, o mostra pedindo às autoridades que “tentem garantir” que a economia chinesa não se contraia no segundo trimestre.

“A meta não é alta e está bem distante da meta de crescimento de 5,5% que elevamos no início do ano, mas é isso que devemos fazer a julgar pela realidade”, disse ele.

Bancos de investimento como UBS, Goldman Sachs, Bank of America e JP Morgan reduziram suas previsões quanto ao PIB da China devido aos efeitos esmagadores das políticas de “zero-COVID” do regime.

Fatores “inesperados” desde março, como surtos da COVID-19 e a guerra na Ucrânia, arrastaram a economia, disse Li, acrescentando que seria necessário um “esforço considerável” para reverter a atual trajetória econômica. A receita de abril do governo, depois de levar em conta as restituições de impostos, caiu 5,9%, enquanto a receita de alguns governos locais na área costeira oriental da China caiu até 32%, disse ele. Ele revelou que várias províncias pediram dinheiro emprestado ao Conselho de Estado da China.

“Estamos tendo esta reunião hoje porque não há tempo a perder”, disse ele.

Li fez o discurso dois dias depois de sediar uma reunião do gabinete que revelou 33 medidas para aliviar a pressão econômica, incluindo aumentar a restituição de impostos, conceder empréstimos a pequenas empresas e estender a assistência ao seguro-desemprego.

O banco central da China, em 25 de maio, também iniciou uma reunião de “emergência”. Mais tarde, enviou um aviso pedindo aos bancos nacionais que priorizassem os empréstimos, segundo relatos da mídia chinesa.

Um homem caminha na rua durante uma pausa programada para o lockdown, em 23 de maio de 2022, em Xangai (Foto de Hu Chengwei/Getty Images)
Um homem caminha na rua durante uma pausa programada para o lockdown, em 23 de maio de 2022, em Xangai (Foto de Hu Chengwei/Getty Images)

Os lockdowns pesados ​​de Pequim para conter a COVID-19 paralisaram a produção nos principais centros industriais e comerciais. Xangai, após mais de dois meses de restrições rigorosas, que trancaram as pessoas em suas casas, viu sua produção industrial cair 61,5% em abril em relação ao ano anterior. Enquanto isso, a produção fabril em todo o país caiu para o pior nível desde a pandemia, há mais de dois anos.

Pelo menos 26 cidades chinesas permaneceram sob lockdown de uma forma ou de outra, desde 23 de maio, afetando mais de 200 milhões de chineses e mais de um quinto da produção econômica do país, segundo uma estimativa do banco japonês Nomura.

“As fábricas não podem funcionar, os plebeus não podem viver suas vidas e o transporte não pode funcionar, esse ‘dinâmica de zero-COVID’ é praticamente um suicídio econômico”, Gu Guoping, professor aposentado da Universidade de Engenharia de Xangai, disse ao Epoch Times, referindo-se ao nome oficial da estratégia de tolerância zero do regime.

Embora a conferência tenha sido “sem precedentes” em termos de escala, Gu acredita que não alcançará o resultado que Li espera.

“Seu chefe o tem amarrado”, disse ele, referindo-se ao líder chinês Xi Jinping, que é visto como líder das políticas para a COVID-19 do regime.

O líder chinês Xi Jinping (C) se prepara para tomar seu assento ao chegar com o primeiro-ministro Li Keqiang na sessão de abertura da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês no Grande Salão do Povo em Pequim, na China, em 4 de março de 2022 (Kevin Frayer/Getty Images)
O líder chinês Xi Jinping (C) se prepara para tomar seu assento ao chegar com o primeiro-ministro Li Keqiang na sessão de abertura da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês no Grande Salão do Povo em Pequim, na China, em 4 de março de 2022 (Kevin Frayer/Getty Images)

Li, durante a maior parte da última década, se manteve discreto. Mas suas observações nos últimos meses parecem ter um sentimento divergente de Xi.

Apesar do surto contínuo em Pequim, Li não usava máscara na sala de conferências, que acomodava dezenas de pessoas. Ele também não mencionou a política zero-COVID do regime que Xi divulgou.

O fato de Xi permitir que Li convoque a reunião em 25 de maio é indicativo de quão grave é o problema econômico da China, de acordo com Feng Chongyi, professor de estudos da China na Universidade de Tecnologia de Sydney.

Mas agora, Li está andando na corda bamba, disse ele.

“Se Li Keqing realmente for bem-sucedido, o crédito ainda será de Xi Jinping, que é o líder supremo”, disse ele ao Epoch Times. Mas se Li “não puder salvar a economia chinesa”, ele terá que “compartilhar a responsabilidade”.

Luo Ya contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas