China expande exército em ‘ritmo acelerado’ , diz Chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA

Por Jack Phillips

Um general de alto escalão dos Estados Unidos alertou na quinta-feira que o regime chinês está aumentando sua capacidade militar a um “ritmo muito sério e sustentado”, o que pode representar uma ameaça à estabilidade e à paz mundial.

O general do exército Mark Milley , chefe do Estado-Maior Conjunto, disse que os Estados Unidos precisam “manter nossa vantagem competitiva e tecnológica” sobre o Partido Comunista Chinês (PCC). Seus comentários vieram depois que o presidente Joe Biden e o chefe do Pentágono Lloyd Austin levantaram preocupações semelhantes nos últimos dias sobre a retórica do PCC, e enquanto os Estados Unidos e a China continuam intransigentes com Taiwan, ocorrem violações dos direitos humanos e disputas de terras.

Austin disse aos senadores na quinta-feira que o pedido de defesa de Biden de US$ 715 bilhões é necessário para enfrentar o desafio apresentado pelo regime “cada vez mais assertivo”.

“O pedido é porque reconhecemos que nossos concorrentes – especialmente a China – continuam a expandir suas capacidades”, disse Austin durante uma audiência com o Comitê de Serviços Armados do Senado. “Devemos estar à frente desses desenvolvimentos para continuar a ser um impedimento confiável em conflitos ao redor do mundo”, acrescentou.

Durante a audiência, Milley também indicou que o gasto total com defesa da China e da Rússia é superior ao dos Estados Unidos, embora não tenha explicado como chegou a essa conclusão. Fora isso, a China representa a ameaça militar “número um” aos Estados Unidos, acrescentou.

No início deste mês, um grupo bipartidário de senadores visitou Taiwan e disse que os Estados Unidos forneceriam 750.000 doses da vacina COVID-19 para a nação-ilha. Isso gerou uma série de declarações belicosas de autoridades chinesas, como Wu Qian, porta-voz do Ministério da Defesa Nacional da China, que observou que os Estados Unidos estão “minando seriamente” a estabilidade da região.

Wu então ameaçou  que qualquer um – sem citar nomes – que ousasse “separar Taiwan da China” sofreria um “ataque frontal determinado” do exército chinês. O PCC há muito afirma que Taiwan pertence a ele, embora Taiwan afirme que é uma nação soberana e democrática. Visto que o regime acredita que Taiwan faz parte de seu território, ele se opõe a que qualquer governo ou organismo mundial estabeleça laços com a nação insular.

O comentário de Milley veio meses depois de outro comandante americano sênior, o almirante Philip Davidson, chefe do Comando Indo-Pacífico dos EUA , alertar no mesmo painel do Senado que os militares da China estão ameaçando o domínio dos EUA no Pacífico.

“O equilíbrio militar no Indo-Pacífico é cada vez mais desfavorável para os Estados Unidos e nossos aliados”, disse Davidson. “Nossa postura de dissuasão no Indo-Pacífico deve demonstrar a habilidade e disposição para convencer Pequim inequivocamente de que os custos de atingir seus objetivos por meio do uso de força militar são simplesmente altos demais.”

O Senado aprovou na terça-feira uma lei de quase US$ 250 bilhões para investir em manufatura e tecnologia para ultrapassar Pequim, que inclui cerca de US$ 190 bilhões em gastos. Grande parte desse dinheiro irá para pesquisa e desenvolvimento em universidades e outras instituições.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas