China está desesperada para reter empresas sul-coreanas e japonesas, revelam documentos vazados

Por Alex Wu

Em torno de uma guerra comercial paralisante com os Estados Unidos, queda da demanda e interrupções na cadeia de suprimentos devido à pandemia de COVID-19, empresas estrangeiras estão deixando a China em massa. Empresas sul-coreanas, japonesas, taiwanesas e americanas como Microsoft, Google e Apple estão transferindo sua produção para fora da China.

O Epoch Times recebeu um conjunto de documentos internos do governo da cidade de Huizhou, na província de Guangdong, mostrando que, no contexto do êxodo de empresas estrangeiras, o Partido Comunista Chinês (PCC) emitiu uma ordem urgente para “prevenir empresas japonesas e sul-coreanas [deixem a China]”, tanto por questões econômicas quanto pela agenda política do Partido.

Em outubro de 2019, a gigante de tecnologia sul-coreana Samsung fechou sua fábrica em Huizhou e parou de fabricar telefones celulares na China. Em junho de 2020, a Samsung anunciou que sua produção de tela plana seria transferida da China para o Vietnã. A saída da Samsung da China atinge duramente a economia de Huizhou.

De acordo com um relatório do governo de 10 de agosto preparado pelo Departamento de Comércio de Huizhou e enviado ao escritório de relações exteriores local, no ano de 2020 até agora, o comércio de importação e exportação em Huizhou caiu 77,4% e 89,5 % respectivamente, em relação ao mesmo período do ano passado.

As autoridades afirmaram que a economia de Huizhou foi “afetada pela guerra comercial EUA-China, prevenção e controle de pandemia e a retirada de Huizhou da Samsung Electronics e muitos outros fatores que agravaram o impacto”.

Um pedido urgente

Em um documento de plano de trabalho emitido pelo governo municipal, foi revelado que a cidade recebeu uma carta, marcada como “extra-urgente”, do escritório de relações exteriores do governo provincial de Guangdong, solicitando à cidade que “retenha o Japão e a Coreia do Sul”.

“Use [a ideia de] combater a pandemia juntos como uma oportunidade para atrair países vizinhos como Japão e Coreia do Sul”, declarou o governo provincial.

Para este fim, o escritório comercial de Huizhou sugeriu algumas medidas, como “promoção do Parque Industrial China-Coreia do Sul (Huizhou) na Conferência de Intercâmbio China (Guangdong)-Coreia e na Conferência de Promoção Econômica Japão-Guangdong, que aconteceu em junho. Ele também sugeriu que, durante a conferência, as autoridades providenciem para que empresas japonesas e sul-coreanas visitem Huizhou em busca de oportunidades de investimento.

Além disso, o escritório comercial de Huizhou revelou seus recentes intercâmbios e projetos de cooperação com os dois países, incluindo o estabelecimento de um novo Escritório de Representação Econômica e Comercial de Huizhou na Coreia do Sul. Ele foi listado para operação no final de agosto. Os projetos incluem convencer empresas e instituições japonesas, sul-coreanas e de Singapura a visitar Huizhou, bem como “empresas importantes” nesses países e conduzir “promoção de investimentos”.

O comentarista de assuntos atuais Li Linyi interpretou esta carta como uma demonstração de que o regime chinês estava desesperado para impedir que empresas estrangeiras retirassem a produção da China e para “proteger a cadeia industrial regional da China”.

Esperando expandir a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota

Documentos internos do governo de Huizhou revelaram que a ordem para “manter o Japão e a Coreia do Sul” não tinha apenas considerações econômicas, mas também era uma tarefa política para a “Iniciativa Um Cinturão, Uma Rota(OBOR)” do partido.

Implementada por Pequim em 2013, é o projeto de investimento em infraestrutura de assinatura do regime que visa promover sua influência em todo o mundo.

Mas os críticos dizem que o OBOR coloca os países em desenvolvimento em uma “armadilha da dívida” ao oferecer empréstimos insustentáveis, enquanto explora seus recursos naturais como florestas, petróleo bruto e minerais para impulsionar a economia chinesa.

O escritório da OBOR de Huizhou disse em um documento de “visão de trabalho” datado de 14 de janeiro que esperava expandir a OBOR para os países do Leste Asiático, especialmente a Coreia do Sul. A cidade promoveria a expansão dos negócios locais nos mercados do Leste Asiático, fazendo várias visitas ao Japão e à Coreia do Sul para promover e atrair investimentos, e planejaria a construção do Parque Industrial China-Coreia (em Huizhou).

As autoridades também esperavam promover a OBOR por meio do relacionamento com cidades-irmãs. Um documento do escritório de relações exteriores de Huizhou observou que a cidade forjou anteriormente 5 “cidades amigáveis”: Seongnam na Coreia do Sul, Worcestershire no Reino Unido, North Vancouver no Canadá, Milpitas nos Estados Unidos e a Pirâmide de San Martín no México. Mas entre essas cinco cidades, apenas Seongnam ainda estava “ativa” devido ao “crescimento especial [no relacionamento]”, disse o documento. As outras quatro relações com as cidades estavam “em contato ocasional” ou “interrompidas”.

Nos últimos cinco anos, Huizhou e Seongnam interagiram todos os anos, desde intercâmbios de jovens e visitas governamentais à cooperação nas áreas de economia, turismo e educação, observou o documento.

O comentarista Li disse que estava claro que as autoridades chinesas esperavam atrair a Coreia do Sul para a OBOR, fortalecendo a cooperação econômica e comercial com ela.

Ele também observou que Pequim tinha dois objetivos para explorar o relacionamento com a Coreia do Sul: aproveitar seus recursos econômicos e tecnológicos para aliviar a crise econômica da China e exercer influência política sobre a Coreia do Sul para dar continuidade à agenda de Pequim.

A China é atualmente o maior parceiro comercial e mercado de exportação da Coreia do Sul. Li disse que a falta de posição do governo sul-coreano sobre a crescente invasão de Hong Kong por Pequim pode ser um indicativo de seu medo de perturbar Pequim por causa de interesses econômicos.

Li também afirmou que esses documentos internos indicam que o regime chinês está tentando amortecer o severo impacto das sanções econômicas da comunidade internacional, fazendo todo o possível para “conter o Japão e a Coreia do Sul”.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas