China está desenvolvendo míssil hipersônico capaz de atingir carros em trânsito

A aceleração da China em desenvolver armas hipersônicas atraiu uma proporção igual de medo e ira dos EUA

Por Andrew Thornebrooke 

A China está desenvolvendo uma nova arma hipersônica precisa o suficiente para atingir um veículo de passageiros em movimento enquanto voa a cinco vezes a velocidade do som.

Um grupo de pesquisadores das forças armadas chinesas disse que está fazendo “progressos importantes” no desenvolvimento de um míssil capaz de extrema precisão em velocidades hipersônicas, informou a mídia chinesa South Morning Post, citando um artigo e revisado por pares e publicado no jornal Infrared and Laser Engineering.

A equipe, liderada por Yang Xiaogang, aparentemente recebeu o prazo para resolver a questão de como melhorar a precisão do crescente programa hipersônico da China até 2025.

A capacidade de atingir um veículo em velocidade hipersônica seria uma façanha de perícia tecnológica em ciência de mísseis, se realizada. Atualmente, as armas hipersônicas têm capacidade de manobra incrivelmente limitada por causa de sua velocidade.

Quando a China testou sua arma hipersônica orbital em julho passado, o teste foi considerado um grande marco, apesar do fato de o míssil ter aterrissado a cerca de 24 milhas de seu alvo pretendido.

A equipe de Yang está melhorando a precisão dessas armas desenvolvendo um novo sistema de identificação e rastreamento que adicionará informações de detectores de movimento àquelas coletadas pelos detectores infravermelhos normalmente usados ​​por mísseis guiados por calor. Os dados combinados coletados de ambos os sistemas permitirão um processo de rastreamento mais nítido do que o rastreamento quadro a quadro usado em detectores de calor tradicionais e um míssil muito mais preciso.

A China já demonstrou sua capacidade de atingir alvos móveis maiores, como um porta-aviões, mas atingir alvos móveis menores, especialmente em regiões densamente povoadas, é algo muito mais difícil.

Há outras evidências de que a China também está tentando desenvolver uma tecnologia de mísseis mais precisa. Imagens de satélites recentemente revelaram um local de testes de mísseis altamente desenvolvido no deserto do oeste da China, que os analistas acreditam estar sendo usado para melhorar a eficácia dos mísseis para atingir navios no porto.

Essas armas podem ser usadas para várias funções de combate, incluindo um ataque de decapitação a uma frota inimiga no porto ou mais ataques a alvos móveis de alto valor, como sistemas de armas ou comandantes.

As tentativas aceleradas da China de desenvolver armas hipersônicas atraíram uma proporção igual de medo e ira dos Estados Unidos, que descartou seu próprio programa para construir um veículo planador hipersônico em 2011 após dois testes fracassados.

O então vice-presidente do Estado-Maior Conjunto, John Hyten, disse em novembro que a burocracia desenfreada do Pentágono e a cultura de aversão ao risco estavam prejudicando o desenvolvimento militar dos EUA. Ele disse que os Estados Unidos realizaram apenas nove testes hipersônicos nos cinco anos anteriores, enquanto o regime comunista da China realizou centenas.

“Um dígito versus centenas não é um bom lugar”, disse Hyten.

No entanto, nem todos os líderes militares americanos estão tão preocupados com o papel dos hipersônicos.

O secretário da Força Aérea, Frank Kendall, minimizou a importância de tais armas para a estratégia dos EUA durante uma conversa em janeiro e disse que as necessidades estratégicas dos EUA são diferentes das da China.

“A China tem um conjunto de alvos e posso entender facilmente por que eles querem colocar armas hipersônicas em quantidades razoáveis”, disse Kendall. “Não temos o mesmo alvo definido com o qual eles estão preocupados”.

Independentemente disso, os temores de uma nova corrida armamentista levaram os Estados Unidos a uma corrida para desenvolver pelo menos algumas novas capacidades hipersônicas.

Em maio, a Força Aérea anunciou que havia realizado com sucesso um teste de um míssil hipersônico lançado do ar de um bombardeiro B-52 na costa da Califórnia. O teste garantiria que os militares dos EUA mantivessem a vantagem, afirmou a Força Aérea.

“Nossa equipe altamente qualificada fez história com esta primeira arma hipersônica lançada do ar”, disse o comandante do 419º Esquadrão de Testes de Voo, tenente-coronel Michael Jungquist. “Estamos fazendo todo o possível para levar essa arma revolucionária aos combatentes o mais rápido possível”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas