China e Rússia aproveitam pandemia para avançar sobre Itália, diz secretário de Defesa

Departamento de Defesa dos EUA fornece ajuda humanitária à Itália, diz Esper

Por Ella Kietlinska

O secretário de Defesa Mark Esper disse ao jornal italiano La Stampa, em uma entrevista em 4 de maio, que a Rússia e a China estão usando ajuda humanitária fornecida à Itália para promover seus próprios interesses.

“A Rússia prestou assistência médica à Itália, mas depois tentou usar essa assistência para abrir uma brecha entre a Itália e seus aliados com uma campanha de desinformação”, disse Esper.

Veja também:

De acordo com pesquisadores do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), histórias que alegam que “o vírus é uma farsa, que é fabricado pelo homem” ou que é “uma arma biológica fabricada pelos Estados Unidos” são exemplos de desinformação russa.

“Pedi repetidamente à Rússia e à China que fossem transparentes com as informações durante esta crise”, disse Esper, acrescentando que recomendava “que suas doações para outros países fossem de qualidade e cheguassem sem restrições”.

A questão de explorar a vulnerabilidade dos aliados da OTAN devido ao surto do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus, também foi discutida durante a recente reunião de ministros da Defesa da Otan.  Os Estados Unidos e aliados da OTAN tomarão medidas “para garantir que a crise da saúde não se torne uma crise de segurança”, disse Esper.

Equipe de limpeza com equipamento de proteção para desinfetar camas de pacientes em uma das lojas de um novo hospital de campanha para pacientes com coronavírus, em Cremona, sudeste de Milão, em 20 de março de 2020 (Miguel Medina / AFP / Getty Images)
Equipe de limpeza com equipamento de proteção para desinfetar camas de pacientes em uma das enfermarias de um novo hospital de campanha para pacientes com coronavírus, em Cremona, sudeste de Milão, em 20 de março de 2020 (Miguel Medina / AFP / Getty Images)

Esper autorizou o Departamento de Defesa em 20 de abril a prestar apoio humanitário à Itália, incluindo o transporte de equipamentos médicos, combustível ou alimentos, para fornecer suprimentos médicos, participação de militares dos Estados Unidos em operações humanitárias realizadas na Itália, e serviços médicos remotos prestados nas instalações médicas italianas a pacientes que não tenham a COVID-19 em hospitais italianos, de acordo com uma declaração do Departamento de Defesa.

O presidente Donald Trump ordenou que seu governo, em 10 de abril – a pedido do governo italiano – forneça assistência à Itália para a COVID-19 e ajude a mitigar os danos econômicos causados ​​pela pandemia.

A ajuda à Itália, um dos “aliados mais próximos e mais antigos” dos Estados Unidos, não só ajudará a Itália a combater o surto do vírus do PCC, mas também neutralizará as campanhas de desinformação da China e da Rússia e “diminuirá o risco de reinfecção da Europa para os Estados Unidos”, disse Trump.

A ajuda humanitária à Itália aproveita a presença atual de 30.000 militares dos EUA e suas famílias na Itália, portanto não afetará a preparação ou a saúde das forças armadas nos Estados Unidos ou sua participação na resposta interna ao surto do vírus do PCC, de acordo com a ordem de Trump.

O general Tod Wolters, comandante do Comando Europeu dos Estados Unidos e outros comandantes daquela região, foi encarregado de prestar assistência à Itália na luta contra a COVID-19, disse Esper ao La Stampa.

Militares acompanham a assistência russa da COVID-19 na Itália

A Rússia prestou assistência médica à Itália, depois de uma conversa entre o presidente russo Vladimir Putin e o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte, segundo especialistas do CSIS.

A entrega de suprimentos médicos da Rússia para a Itália foi acompanhada por “mais de 100 militares russos treinados em descontaminação biológica, química e nuclear”, informou o CSIS.

Esper disse ao La Stampa que alguns atores “podem tentar usar a pandemia e os desafios econômicos resultantes que todos enfrentamos como uma abertura para investir em indústrias e infraestrutura críticas, que por sua vez podem afetar a segurança a longo prazo”.

Os ministros da Defesa da OTAN concordaram durante uma reunião que “adversários em potencial quase certamente procurarão explorar essa situação para promover seus próprios interesses e tentar semear divisão na Aliança e na Europa”, disse Esper ao La Stampa.

O pessoal militar russo enviado para a Itália era chefiado por Sergei Kikot, vice-comandante das tropas russas de defesa radiológica, química e biológica, e inclui virologistas e epidemiologistas, de acordo com a agência de notícias estatal russa TASS, além de pessoal de inteligência, de acordo com La Stampa. La Stampa também informou que alguns críticos argumentam que 80% da ajuda fornecida pela Rússia foi de pouca utilidade para a Itália.

Membros de uma equipe de médicos especialistas em combate à epidemia da China participam de uma conferência de imprensa após o pouso no aeroporto de Milão-Malpensa, em Ferno, perto de Milão, na Itália, em 18 de março de 2020 (Emanuele Cremaschi / Getty Images)

A assistência chinesa à COVID-19 na Itália vem com uma campanha massiva de propaganda

As remessas chinesas de suprimentos médicos para a Itália foram acompanhadas por uma campanha massiva de propaganda.

Segundo Dean Cheng, pesquisador principal da Heritage Foundation, o objetivo da campanha de comunicação chinesa é aumentar sua reputação no exterior para construir redes 5G nos principais países do mundo.

Esper disse ao La Stampa que “A dependência de fornecedores chineses de 5G (…) pode tornar os sistemas críticos de nossos parceiros vulneráveis ​​a interrupções, adulterações e espionagem. Também poderia comprometer nossos recursos de comunicação e compartilhamento de inteligência”.

Os Estados Unidos estão trabalhando no desenvolvimento de uma solução alternativa de tecnologia 5G e incentivam seus aliados a fazer o mesmo, disse Esper. Atualmente, essas tecnologias estão sendo testadas pelos militares dos EUA, acrescentou.

Não é por acaso que “um dos primeiros beneficiários da assistência médica chinesa foi a Itália”, disse Cheng em seu relatório. A Itália é o único dos países do G7 a aderir à iniciativa Um Cinturão, Uma Rota (OBOR), que visa expandir a esfera de influência política e militar da China por meio de práticas opacas de empréstimos que levam a armadilhas da dívida.

A empresa chinesa Huawei já está estabelecendo “bancos de teste 5G em várias cidades italianas”, disse Cheng.

A embaixada chinesa na Itália está publicando “vídeos, vinhetas, slogans e mensagens”, e o embaixador está dando entrevistas e emitindo “mensagens de apoio” à sociedade italiana, segundo Francesca Ghiretti, pesquisadora do Istituto Affari Internazionali (IAI). A propaganda chinesa também tem como alvo “políticos e tomadores de decisão”, disse Ghiretti.

Embora a propaganda vise aumentar a imagem do Partido Comunista Chinês no exterior, a primeira preocupação do PCC e de seu líder “é a sobrevivência do regime”, segundo Ghiretti. “Portanto, grande parte da propaganda chinesa que vemos no Ocidente é realmente dirigida ao público nacional da China (e sua diáspora)”, disse ele.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas