China é parte fundamental da política externa da índia no segundo mandato de Modi

Por Abhimanyu Kumar, especial para o Epoch Times

Déli , Índia – Lidar com a rival regional China será um componente-chave do segundo mandato do primeiro-ministro indiano Narendra Modi, dizem os especialistas, evidenciado por sua escolha de pessoas para cargos importantes em relações internacionais.

“Tanto o atual secretário de Relações Exteriores quanto o ministro das Relações Exteriores são especialistas em China, então está claro quem é o foco deste governo”, disse Jayadev Ranade, ex-funcionário sênior da agência de inteligência estrangeira da Índia, pesquisadora e analista e especialista em China. O ministro das Relações Exteriores de Modi, Subrahmanyam Jaishankar, e o secretário do Exterior, Vijay Gokhale, serviram como embaixadores da Índia, na China, no passado.

Espera-se que Modi se reúna com o líder chinês, Xi Jinping, nos bastidores da próxima cúpula da Organização de Cooperação de Xangai, realizada de 14 a 15 de junho em Bishkek, Quirguistão, e novamente na cúpula do G-20 em Osaka, Japão, no final de junho. O primeiro-ministro indiano também estendeu um convite a Xi para uma cúpula na Índia em algum momento deste ano.

Modi e Xi se conheceram em Wuhan, na China, em abril de 2018, depois de um tenso confronto fronteiriço no território disputado entre a China e o Butão, um país aliado da Índia, cerca de um ano antes. As relações diplomáticas entre as duas potências asiáticas permaneceram estáveis desde a reunião.

Índia é um obstáculo para o OBOR da China

Um dos principais itens da agenda para a China, quando se trata de discussões com a Índia, é impedir que Déli bloqueie os países da região de participar da iniciativa One Belt, One Road, numa tradução livre Um Cinturão, Uma rota (OBOR), de Pequim.

O ambicioso plano envolve a construção de infraestrutura para estabelecer uma rota comercial da China para o resto do mundo. De acordo com a série especial do Epoch Times, “Como o espectro do comunismo está governando nosso mundo”, como parte do plano OBOR, o Partido Comunista Chinês (PCC) disponibiliza empréstimos a países em desenvolvimento como “armadilhas de dívida”, para obter o controle de locais e infraestruturas estratégicas, como foi o caso no Sri Lanka em 2017, onde a China assumiu o controle de um importante porto depois que o Sri Lanka não pagou sua dívida. A iniciativa é uma parte importante do plano da PCC de se tornar uma potência globalmente dominante, acrescenta a série.

O projeto, nos últimos tempos, se deparou com vários obstáculos no sul da Ásia, com a Índia pedindo aos seus aliados que abandonassem o plano. A Índia está preocupada com a crescente influência da China na região e também está preocupada com as implicações para a sua soberania, como o Corredor Econômico China-Paquistão do projeto que passa pela Caxemira, uma região disputada entre a Índia e o Paquistão.

Exemplos recentes de obstáculos às ambições da China na região incluem Bangladesh cancelando a expansão de uma importante rodovia que seria construída por uma empresa chinesa, e as Maldivas repensando seus laços com Pequim. O governo recém-eleito do país insular é mais estreitamente ligado à Índia do que à China.

Diante da oposição da Índia ao projeto, a China foi forçada a fazer concessões no cenário internacional como uma tentativa de colocar a Índia na OBOR.

No início deste ano, a China levantou suas objeções à decisão da ONU de declarar Masood Azhar, chefe do grupo terrorista Jaish-e-Muhammad, com base no Paquistão, arriscando-se a prejudicar suas relações com o Paquistão.

Azhar supostamente está por trás de um ataque mortal contra um comboio de segurança indiano na Caxemira, em fevereiro, que resultou na morte de 44 soldados indianos.

Após o ataque, a Índia intensificou a pressão diplomática para declarar Azhar um terrorista, recebendo apoio dos Estados Unidos, do Reino Unido, da França e, finalmente, da China.

Mas isso pode ter custado para a Índia, com Pequim esperando uma concessão da Índia em troca. Rajeesh Kumar, membro associado do Instituto para Estudos e Análise de Defesa, financiado pelo governo indiano, observou que a Índia adotou recentemente uma postura mais branda diante da OBOR.

“Para a cúpula[OBOR] deste ano, a Índia não emitiu declarações escritas que se opusessem, como aconteceu na última vez”, disse Kumar.

Mas o segundo mandato de Modi pode ver uma rivalidade mais intensa entre as duas potências, já que cada uma delas se esforça para expandir sua esfera de influência, forjando relações bilaterais mais próximas com os países vizinhos ou formando alianças internacionais. Isso é ainda mais importante para a Índia, que busca laços mais estreitos com rivais chineses como os Estados Unidos e o Japão, à medida que Pequim aumenta sua presença no arqui-rival da Índia, o Paquistão.

“Os esforços da China para conter a Índia são anteriores ao que aconteceu recentemente. Como a China se tornou economicamente mais forte, ela começou a flexionar seus músculos”, disse Ranade em uma entrevista anterior. “Eles estão nisso há muito tempo.”

 
Matérias Relacionadas