China desafia Alemanha na indústria de carros elétricos

A estratégia da China é roubar tecnologia essencial por meio de investimentos em empresas estrangeiras

Por Frank Fang, Epoch Times

No início dos anos 2000, a China adotou um modelo de desenvolvimento baseado em manufatura de baixos salários, o que levou a uma reputação de “Made in China” que significava produtos de baixa qualidade. Nos últimos anos, Pequim vem fazendo mudanças para reforçar a competitividade de suas empresas domésticas e para alcançar o desenvolvimento de alta tecnologia no Ocidente.

Em maio de 2016, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, falou sobre a necessidade de modernizar o setor manufatureiro do país: “A China já é uma grande nação manufatureira, mas está longe de ser uma potência manufatureira. A integração da manufatura e da internet é um caminho inevitável da indústria moderna ”, segundo o jornal estatal China Daily.

Uma das principais indústrias em que Pequim se concentrou foi a de veículos elétricos.

Para se tornar líder no mercado global de carros elétricos, a estratégia da China é roubar tecnologia essencial por meio de investimentos em empresas estrangeiras.

“As empresas chinesas e o governo vêem a transferência de tecnologia do exterior como uma maneira importante de acelerar o progresso tecnológico e alcançar os ambiciosos objetivos políticos”, segundo uma avaliação de 2016 do modelo econômico “Made in China 2025” de Pequim pelo think tank alemão, Instituto Mercator de Estudos da China.

A Alemanha, em particular, viu o aumento do investimento chinês nos últimos anos, à medida que a China olhava para as inovações avançadas da Alemanha em automação, robótica e automóveis. E, de fato, a robótica e os novos veículos de energia foram incluídos na lista de dez setores que a China deseja desenvolver até 2025.

Agora, a concorrência da China parece estar chegando perto. Um relatório do dia 23 de julho divulgado pelo banco central alemão Deutsche Bundesbank previu que os fabricantes de carros elétricos da Alemanha enfrentariam em breve um duro desafio da China, segundo a agência de notícias alemã Deutsche Presse-Agentur (DPA). O relatório também especula que a pressão da China logo se materializará, uma vez que em breve exportará em maior número seus veículos elétricos produzidos internamente.

Na mídia chinesa, a indústria automobilística chinesa é frequentemente descrita pela frase “ultrapassando alguém mudando de faixa” – o que significa que o país deve tomar um caminho rápido se quiser alcançar primeiro os outros países e depois superá-los para se tornar o líder.

De acordo com um artigo de 5 de junho no portal de notícias chinês Sohu, o desenvolvimento da indústria automobilística chinesa começou por volta de 1991. E depois de anos de planejamento estatal, subsídios do governo e programas de desenvolvimento, as montadoras chinesas devem fabricar cerca de 900.000 veículos de energia nova (NEVs ) este ano, incluindo carros e ônibus movidos a eletricidade, solar e etanol. O número aumentará para 6,09 milhões até 2020, segundo dados do Chongqing Vehicle and Test Research Institute.

A China fabricou apenas 8.159 NEVs em 2011, de acordo com estatísticas da associação comercial China Association of Automobile Manufacturers (CAAM).

No final de 2017, os subsídios do governo para a indústria de NEV totalizaram 50 bilhões de yuans (cerca de US $ 7,37 bilhões), segundo Sohu.

No entanto, a China ainda está atrasada em muitas tecnologias-chave, como a fabricação de chips semicondutores avançados, que conduzem de tudo, de computadores pessoais a veículos elétricos a mísseis balísticos.

O investimento chinês na Alemanha concentrou-se em empresas de automação e montadoras.

Um dos casos mais conhecidos envolve Li Shufu, presidente do Grupo Geely Holding de Zhejiang, uma montadora sediada na cidade de Hangzhou, província de Zhejiang, e seu investimento de US $ 9 bilhões para adquirir uma participação de 10% na fabricante de automóveis Mercedes-Benz Daimler. Fevereiro, segundo a Reuters.

E desde meados de 2013, a China investiu pesadamente em empresas alemãs como a KHD Humboldt Wedag, uma empresa de engenharia que fornece peças de maquinaria. O conglomerado estatal de aviação da China, a Aviation Industry Corporation,  comprou uma participação de 79 por cento, segundo o Instituto Mercator.

Em dezembro de 2016, a Midea Group da China, uma fabricante de eletrodomésticos sediada em Beijiao, uma cidade na província de Guangdong, no sul da China, adquiriu a Kuda, uma fabricante alemã de robótica de alta tecnologia para automação de fábricas, segundo a Reuters.

A onda de gastos causou alarme na Alemanha. De acordo com a Bloomberg, Hans-Gerog Maassen, presidente da principal agência de inteligência doméstica da Alemanha, recentemente expressou preocupação com as aquisições de tecnologia na China, que tinham o potencial de “comprometer o interesse econômico e de segurança da Alemanha”.

“Certamente precisamos nos preocupar com isso, se tivermos a impressão de que por trás do comprador potencial está um Estado estrangeiro com interesses que vão muito além das aquisições”, disse Maassen a repórteres em 24 de julho, em Berlim.

 
Matérias Relacionadas