China: censores suprimem conteúdo de ‘energia negativa’ enquanto enchente mortal assola cidade

Por Nicole Hao

As monções sazonais estão inundando as principais cidades chinesas, causando um grande número de vítimas civis e destruição generalizada de propriedades. É cada vez mais difícil obter informações sobre o desastre, à medida que o Partido Comunista Chinês (PCC) aumenta a censura de qualquer conteúdo que considere conter “energia negativa”.

Em 22 de julho, o regime chinês anunciou que 33 pessoas morreram nas enchentes, com oito desaparecidos. Mas os vídeos gravados por residentes sugerem um número muito maior. Enquanto isso, os internautas chineses recorreram às redes sociais para exigir que o regime revelasse o verdadeiro número de mortos.

Durante os recentes esforços de resgate, os corpos foram encontrados em um túnel submerso na cidade mais atingida até agora, Zhengzhou, em 22 de julho. Zhengzhou é o lar de mais de 12 milhões de pessoas e é a capital da província de Henan, centro da China.

Enquanto os residentes exigem transparência, o regime tem estado ocupado promovendo os chamados programas de propaganda de energia positiva. Esse conteúdo inclui aqueles que elogiam funcionários do partido, militares e esforços de resgate. Por sua vez, os censores da Internet tentaram remover rapidamente qualquer conteúdo considerado de “energia negativa”, como imagens capturadas por moradores locais documentando a destruição e responsabilizando os funcionários.

Sofrimento e censura

Nos últimos dias, os vídeos da devastação proliferaram nas redes sociais, o que levou à rápida ação dos censores.

Os vídeos mostraram que centenas de carros ficaram presos dentro de um túnel rodoviário em Zhengzhou, que foi submerso nas águas da enchente. Os corpos de alguns motoristas e passageiros ainda estavam dentro dos veículos.

Cinco minutos foi o suficiente para o túnel inundar, de acordo com os que sobreviveram em 20 de julho. A água atingiu quase 20 pés de profundidade (seis metros) no túnel de 2,6 milhas (4,3 km) de comprimento. “A água subiu tão rápido. A chance de sobrevivência era de apenas 10%! ”, Disse um anfitrião, de sobrenome Yang, de acordo com a plataforma de rede social chinesa Toutiao.

Enquanto as equipes de resgate finalmente drenavam o túnel da rodovia, milhares de residentes de Zhengzhou se aglomeraram e registraram o processo. No entanto, quando carros submersos começaram a aparecer pela água turva, a polícia afastou os curiosos e bloqueou as estradas próximas.

Vídeos foram gravados nos prédios, capturando equipes de resgate retirando corpos do túnel.

Em outros videoclipes que circularam nas redes sociais nesta quinta-feira, gritos de “É horrível de ver”, “Estou surpreso de ver isso acontecer”, “completamente terrível” acompanharam imagens horríveis da devastação da enchente.

No entanto, os censores apontaram que esses lamentos angustiados são portadores de “energia negativa” e os eliminaram. Outros conteúdos que mostram impotência, angústia e sofrimento das pessoas, juntamente com apelos públicos de transparência sobre o desastre, foram eliminados da mesma forma.

Um membro da equipe da Zhengzhou State Subway Company postou uma história na Internet sobre por que os trens do metrô ficaram presos nas enchentes em 21 de julho. O incidente causou 12 mortes, segundo o regime.

O funcionário disse que o projeto do metrô permitiu que ele operasse com segurança, mas os gestores da empresa não quiseram assumir a responsabilidade. Eles também não interromperam a operação do metrô antes, quando o risco de enchentes se tornou aparente, disse o funcionário.

Cerca de 500 passageiros acabaram presos nos trens inundados. Muitos gravaram vídeos e os compartilharam na Internet, pedindo ajuda.

Esse conteúdo circulou rapidamente nas redes sociais chinesas, mas todos foram removidos horas depois.

Enquanto isso, a mídia estatal chinesa não divulgou nenhuma notícia relacionada às mortes. Sua mensagem, em vez disso, foi que o PCC levou o povo chinês a vencer o dilúvio.

Em tempos de emergência, promover notícias exaltando a liderança do regime e suprimindo qualquer coisa que possa fazer Pequim parecer ruim é uma tática usada pelo PCC, disse Tang Jingyuan, um comentarista de assuntos da China baseado nos EUA.

“Quando ocorre um desastre, o regime não permite que nenhuma voz relate a verdadeira escala. Ele sempre relata quantos esforços de resgate o regime realizou e, em seguida, afirma que lidera o povo chinês para vencer um desastre novamente ”, disse Tang ao Epoch Times em 22 de julho.

Pessoas olham para carros inundados após fortes chuvas, em Zhengzhou, província de Henan, no centro da China, em 22 de julho de 2021. (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)

Propaganda de “energia positiva”

Os esforços de propaganda do PCC estavam em plena atividade em meio a esse desastre.

O regime chinês anunciou após as enchentes que as recentes chuvas fortes em Zhengzhou foram um evento único em um milênio. No entanto, Zhengzhou experimentou inundações muito mais intensas há menos de 50 anos em agosto de 1975. Áreas da província de Henan sofreram até quatro vezes a quantidade de chuvas em um período de dois dias na época, em comparação com o volume deste ano, de acordo com a Administração Meteorológica da China. Além disso, a China só começou a manter registros oficiais de precipitação em 1951 .

Em vez de se concentrar na cobertura das inundações, o canal de televisão estatal de Henan transmitiu vídeos de cantores exaltando o PCC, bem como dramas de propaganda da Segunda Guerra Mundial exaltando os esforços de guerra da China.

O apagão de notícias espalhou-se pela mídia estatal nacional. Nos dias 20 e 22 de julho, o porta-voz oficial do PCC, o Diário do Povo,  não incluiu nada sobre as enchentes de Zhengzhou em sua primeira página. A emissora estadual CCTV quebrou o silêncio em 21 de julho para mencionar que ações de resgate estavam em andamento.

Estradas desabaram após severas inundações e deslizamentos de terra nos últimos dias que afetaram o condado de Gongyi, perto de Zhengzhou, na província de Henan, no centro da China, em 22 de julho de 2021 (JADE GAO / AFP via Getty Images)

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas