China bloqueia a terceira cidade portuária mais movimentada do mundo, potencialmente interrompendo rede global de fornecimento

Aqueles que estão na zona fechada estão em quarentena total, sair de casa é estritamente proibido

Por Shawn Lin

A cidade industrial chinesa de Ningbo, lar do terceiro maior porto de contêineres do mundo, está em quarentena devido a um recente surto da COVID-19. Analistas sugerem que as medidas de bloqueio podem causar mais interrupções na rede global de fornecimento.

De acordo com a mídia estatal chinesa Global Times, a cidade de Ningbo, na província de Zhejiang, está bloqueada após detectar pelo menos 23 casos do vírus do PCC. O surto teria se concentrado no distrito de Beilun, a área central do porto de Ningbo, colocando muitos caminhoneiros locais e funcionários essenciais do porto em quarentena.

A dinâmica da política chinesa “covid zero” colocou o distrito de Beilun sob um bloqueio de emergência de nível I desde as 16h30 do dia 1º de janeiro, imediatamente após a confirmação de vários casos do vírus do PCC.

De acordo com a Comissão Nacional de Saúde da China, as áreas onde ocorreu o surto foram separadas em zonas fechadas, zonas controladas e zonas de prevenção com base no nível de risco de transmissão, colocando-as sob diferentes protocolos de gerenciamento.

Atualmente, as zonas fechadas e controladas do distrito de Beilun cobrem 4,66 quilômetros quadrados e contém 37.000 pessoas. Aqueles que estão na zona fechada estão em quarentena total, sair de casa é estritamente proibido, todos os estabelecimentos comerciais estão fechados e as necessidades básicas diárias são entregues à porta. As zonas controladas permitem apenas a entrada de pessoal essencial, não a saída, seguindo o protocolo “não saia a menos que seja necessário”.

O porto de Ningbo-Zhoushan é o segundo maior porto de contêineres da China e o terceiro maior do mundo. Ele teve uma capacidade de carga de 1,1 bilhão de toneladas por três anos consecutivos. O distrito de Beilun é a área central do porto de Ningbo-Zhoushan, e suas zonas fechadas e controladas estão próximas aos terminais de carga.

A Ningbo Marine, uma empresa chinesa de transporte de carga, afirmou que o bloqueio está tendo um impacto considerável nas importações e exportações de curto prazo na área do porto de Beilun e no porto de Ningbo-Zhoushan como um todo, principalmente porque o pessoal essencial do porto e os motoristas de caminhão estão em quarentena. Além disso, as zonas fechadas bloquearam temporariamente as principais estradas de entrada e saída da cidade portuária, bem como muitas rodovias e canais de entrada de terminais.

De acordo com a rede de notícias local de Ningbo, existem mais de 20.000 caminhões no distrito de Beilun, enquanto apenas cerca de 7.600 receberam passes especiais para entrar e sair do porto.

O relatório relata que o bloqueio da indústria de caminhões do distrito de Beilun afetará não apenas seu comércio exterior e frete, mas também afetará o transporte e a logística de toda a província de Zhejiang.

Os controles antivírus do Partido Comunista Chinês colocam um rótulo especial nas pessoas que visitaram uma cidade de médio ou alto risco em 14 dias. Enquanto isso, a maioria das regiões da China coloca os indivíduos rotulados em quarentena de 14 + 7 dias.

Embora os bloqueios das grandes cidades da China para combater surtos estejam preocupando muitas empresas de frete e comerciantes em todo o mundo, os portos do distrito de Beilun de Ningbo permanecem, majoritariamente, operacionais. Além disso, a cidade de Ningbo emitiu contramedidas específicas para garantir a continuidade da operação de seus portos, apesar dos contratempos.

O site de notícias de frete chinês One Shipping afirmou que as exportações de comércio exterior da China e as empresas de logística e agenciamento de cargas devem se preparar para o “pior caso”, pois atrasos e congestionamentos de frete podem ser inevitáveis ​​e provavelmente terão um efeito dominó nos principais portos e mercados ao redor do mundo.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas