China avança na concorrência de padrões tecnológicos em meio à pandemia

Por Frank Fang

Enquanto o mundo está enfrentando uma pandemia sem precedentes, a China aproveita a oportunidade para cumprir seus planos industriais de se tornar uma superpotência tecnológica.

Conhecido como China Standards 2035, o plano econômico é uma continuação do plano industrial “Made in China 2025” que visa alcançar a auto-suficiência em 10 setores de tecnologia até 2025.

Pequim lançou o China Standards em março de 2018 durante uma reunião realizada na Academia Chinesa de Engenharia, estatal. O objetivo do plano é que a China domine novas tecnologias, como inteligência artificial, big data e IoT (Internet das Coisas), desenvolvendo padrões tecnológicos e exportando-os para o mercado internacional.

Capitalizando a pandemia

A pandemia tornou-se parte das normas da China em 2035, depois que a Administração Nacional de Padronização da China (SAC) divulgou um novo documento em março intitulado “Principais pontos do trabalho nacional de padronização em 2020”.

O documento constitui “o roteiro inicial para as normas da China em 2035; o conjunto de ações a serem tomadas e a posição a ser adquirida durante o próximo ano”, escreveu a empresa de consultoria independente Horizon Advisory, com sede nos Estados Unidos, em seu relatório de abril no qual o documento foi analisado.

A Horizon Advisory observou que este documento representava o próximo passo da China em sua grande estratégia.

O documento chinês explicou como a China deveria “acelerar o desenvolvimento dos métodos de prevenção e detecção de epidemias COVID-19 e padrões de controle de qualidade”, promovendo padrões que incluíam “materiais e equipamentos para prevenção e controle de epidemias e apoio à cadeia industrial”.

Atualmente, isso é evidente no envio de suprimentos médicos e especialistas em saúde da China para outros países para combater o vírus, disse Emily de La Bruyère, cofundadora da Horizon Advisory, em uma entrevista por e-mail. Pequim procura exportar “os padrões chineses de atendimento e administração e gerenciamento de saúde pública”, disse ela.

Vários países, incluindo Israel, Holanda, Espanha e República Tcheca, reclamaram que os suprimentos médicos chineses estavam deficientes ou com defeito.

Bruyère explicou que a ajuda de Pequim a outros países também é acompanhada por sistemas de tecnologia da informação, como o pacote “antiepidêmicos” de serviços internacionais oferecidos pela gigante tecnológica chinesa Tencent.

A Tencent explica em seu site que o pacote contém serviços como programas de computador para realizar reuniões online e bancos de dados com informações médicas sobre o vírus.

As autoridades americanas alertaram anteriormente sobre os riscos associados à Tencent, enfatizando que seus vínculos com o aparato de segurança estatal da China fazem da empresa um “braço de vigilância do Partido Comunista Chinês (PCC)”.

“A Tencent também opera a plataforma internacional de informações COVID-19 de Pequim”, acrescentou Bruyère.

Enquanto empresas de todo o mundo correm para desenvolver uma vacina para o vírus do PCC, comumente conhecido como novo coronavírus, Pequim também está ansiosa para usar um grande número de participantes em ensaios clínicos”, para aproveitar essa posição para expandir seus padrões em pesquisa e desenvolvimento, produção, distribuição e cuidados à medida que a corrida pela cura progride”, disse Nathan Picarsic, outro co-fundador da Horizon Advisory, em uma entrevista por e-mail.

Ele acrescentou que a China priorizou particularmente o desenvolvimento da produção e padrões farmacêuticos tanto no Made in China 2025 quanto no China Standards 2035.

Fusão Militar-Civil

Ambos os planos se baseiam na iniciativa liderada pelo estado de Pequim para alavancar a cooperação entre a indústria militar e a privada para promover a inovação tecnológica. O esforço é chamado de “fusão militar-civil” e agora é supervisionado por uma agência governamental chamada Comissão Central para o Desenvolvimento da Fusão Militar-Civil.

Em um documento do SAC de março, a fusão entre militares e civis foi mencionada várias vezes, incluindo planos para aumentar “os esforços conjuntos de organizações técnicas militares e civis padronizadas”.

Novas restrições às exportações dos EUA foram promulgadas no final de abril à China para conter o fluxo de tecnologia dos EUA para as forças armadas chinesas sob a estratégia de “fusão” de Pequim.

O Departamento de Comércio agora exige que as empresas americanas obtenham licenças para vender determinados itens a empresas chinesas que apóiam as forças armadas chinesas, mesmo que sejam para uso civil. A lista de itens inclui equipamentos de produção de semicondutores e sensores.

Bruyère disse que, embora as restrições à exportação não limitem as ambições do PCC, “essas medidas são os primeiros passos necessários para entender melhor a ameaça e competir por padrões”.

“A estratégia de Pequim é baseada no acesso à tecnologia e inovação dos EUA. Pequim teme um ‘bloqueio de alta tecnologia'”, acrescentou.

Desde maio do ano passado, o governo dos EUA também colocou uma lista de empresas chinesas na Lista de Entidades, o que significa que as empresas americanas precisam obter licenças especiais para negociar com elas.

Essas empresas incluem a Huawei e suas 114 subsidiárias não americanas; cinco empresas chinesas de supercomputação e seus muitos pseudônimos; a maior empresa estatal de energia nuclear da China, CGNPG, e suas três subsidiárias; empresas chinesas de inteligência artificial, como SenseTime Group e Megvii Technology, e fabricantes de equipamentos de vigilância, como Hikvision.

Em novembro de 2019, o Departamento de Comércio anunciou um procedimento para proteger as redes de telecomunicações dos EUA e suas cadeias de suprimentos, adotando uma “abordagem específica de caso” para revisar e proibir qualquer transação que represente riscos à segurança. Segundo a Reuters, o procedimento foi apontado para empresas de telecomunicações chinesas como Huawei e ZTE.

Então, em janeiro, o Departamento de Comércio anunciou restrições de exportação para empresas de tecnologia dos EUA que fabricam programas de inteligência artificial para analisar imagens de satélite, que os especialistas também consideram uma medida para impedir que a tecnologia entre na China.

Picarsic disse que a abordagem da China é fundamentalmente diferente de outros países na busca pela inovação tecnológica.

Em vez de investir “em pesquisa básica e ciência e tecnologia fundamentais”, o PCC tira proveito de brechas na regulamentação e na aquisição de participações em empresas estrangeiras como forma de dominar as cadeias de suprimentos globais.

Por fim, o regime chinês usa “esse apoio para influenciar os padrões, garantindo o controle sobre o segmento industrial mais amplo”, explicou Picarsic.

Logística de transporte

O relatório da Horizon Advisory observou que a China já fez progressos no avanço dos padrões internacionais por meio da Plataforma Nacional de Logística de Transporte, LOGINK.

LOGINK é uma rede de troca de informações logísticas construída e implementada por vários ministérios do governo chinês, incluindo transporte, ciência e tecnologia, comércio e segurança pública, de acordo com seu site. Trabalha com empresas chinesas como a gigante estatal COSCO e a operadora de logística Cainiao, administrada pela gigante tecnológica Alibaba.

A China quer que os países adotem o software de dados e logística da LOGINK, a fim de acessar grandes quantidades de dados usados ​​no transporte de mercadorias.

Pequim “busca revolucionar o acesso e o controle das informações globais do PCC, impulsionar o posicionamento das empresas e sistemas de informação chineses e cimentar os padrões internacionais como base de informações para o transporte moderno”, disse a Horizon Advisory em seu relatório.

LOGINK é membro do grupo de negócios, Associação Internacional de Sistemas Comunitários Portuários.

5G

A próxima geração da tecnologia de comunicação sem fio, 5G, é outro foco da atenção do regime chinês.

Atualmente, a Huawei é a maior colaboradora dos padrões 5G, de acordo com um relatório de março da consultoria americana Strategy Analytics.

A empresa chinesa está especialmente na liderança no fornecimento de equipamentos de software e hardware da Huawei (conhecidos como ponta a ponta) para a infraestrutura de rede 5G, enquanto outras empresas de telecomunicações lideram especificações técnicas específicas.

“A competição de padrões é o desafio estratégico do século”, explicou Bruyère. “Pequim planeja isso explicitamente desde pelo menos 2000”, acrescentou.

Políticas futuras

Ele acrescentou que o governo dos Estados Unidos precisa entender suas regras de concorrência com a China, como o impacto a longo prazo da propriedade de redes e plataformas pela China e como essa concorrência pode ameaçar os sistemas econômicos e de segurança política e dos Estados Unidos.

Não foi suficiente para o governo dos EUA concentrar-se em empresas chinesas individuais como a Huawei, disse Bruyère, já que “o fortalecimento do estado de Pequim pode simplesmente substituí-las por um novo exército”.

Picarsic observou que “Pequim pretende que essa competição seja um caso de longo prazo e em tempos de paz”.

Ele explicou que Pequim tem uma vantagem, dado o tamanho de seu mercado e “a cuidadosa proteção de sua própria infraestrutura e dados críticos”.

Os Estados Unidos só podem rivalizar com a China se trabalharem ao lado de seus aliados, concluiu Picarsic.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas