China assume ‘papel mais ativo’ na interferência eleitoral dos EUA, afirma o consultor de segurança

Donald Trump foi o primeiro presidente a enfrentar os chineses em 40 anos

Por Cathy He

O regime chinês tem o programa “mais massivo” entre os países que procuram interferir nas eleições dos EUA e assumiu o papel mais ativo em seus esforços de influência política, disse o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Robert O ‘Brien, na sexta-feira.

“Sempre haverá propaganda. Sempre haverá esforços para nos influenciar”, disse O’Brien a repórteres em um briefing. “Sabemos que os chineses assumiram o papel mais ativo”.

Os comentários do conselheiro de segurança nacional coincidiram com os do procurador-geral William Barr no início desta semana, de que era a China, e não a Rússia, que representava a maior ameaça à segurança eleitoral dos Estados Unidos. O’Brien disse estar “100 por cento” de acordo com a avaliação de Barr.

William Evanina, diretor do Centro Nacional de Contra-Inteligência e Segurança, disse em julho que Pequim estava intensificando seus esforços de influência no país ao tentar moldar a política americana, pressionar figuras políticas e contrariar as críticas à China. Algumas semanas depois, Evanina disse que Pequim preferia que Trump perdesse a eleição, devido à postura cada vez mais dura do governo em relação ao regime.

O presidente Donald Trump sai do Força Aérea Um ao chegar à Base Aérea Andrews em Maryland em 2 de setembro de 2020 (Mandel Ngan / AFP via Getty Images)
O presidente Donald Trump sai do Força Aérea Um ao chegar à Base Aérea Andrews em Maryland em 2 de setembro de 2020 (Mandel Ngan / AFP via Getty Images)

As tentativas da China de interferir nas eleições e na política dos EUA, ao contrário dos métodos da Rússia, se concentram no uso de incentivos econômicos ou coerção para influenciar os negócios e as elites políticas, uma vez que esses são os atores que eles moldam as políticas e as plataformas de campanha dos candidatos, disse um especialista ao Epoch Times. No entanto, as ambições de Pequim vão além de qualquer eleição.

“O objetivo chinês é se inserir (…) no Ocidente. E eles ficam tão intensos em suas posições lá que ninguém pode dizer não a eles quando querem algo”, disse Jeff Nyquist, autor e pesquisador de estratégia chinesa e russa, em uma entrevista.

Recentemente, autoridades norte-americanas alertaram que o regime tem como alvo líderes empresariais e funcionários norte-americanos, pressionando-os a adotar posições favoráveis ​​em relação a Pequim.

O’Brien disse que o regime tenta influenciar os líderes empresariais dos Estados Unidos “dizendo que se você não nos apoiar nos Estados Unidos, suas empresas não terão oportunidades na China”.

Fracasso da política externa

O’Brien também descreveu a abordagem dos Estados Unidos ao regime chinês como o “maior fracasso da política externa dos Estados Unidos nos últimos 40 anos”.

O assessor disse que o “mantra” prevalecente no Ocidente é que a China se tornaria mais democrática à medida que enriquecesse. Portanto, “fechamos os olhos para as atividades maliciosas da China, seja o roubo de nossa propriedade intelectual ou o envolvimento em práticas comerciais desleais, ou a intimidação de seus vizinhos”, disse ele em entrevista coletiva na Casa Branca na sexta-feira.

Mas, na realidade, “o oposto aconteceu”, disse O’Brien. “As violações dos direitos humanos na China têm piorado cada vez mais ao longo dos anos”, acrescentou o funcionário, citando os abusos do regime comunista contra os muçulmanos uigures e outras minorias religiosas, sua subversão das liberdades em Hong Kong e a agressão a Taiwan.

Enquanto isso, Pequim presidiu uma campanha agressiva para roubar propriedade intelectual dos Estados Unidos com o objetivo de substituir os americanos como uma superpotência econômica, disse O’Brien.

“O escopo da atividade chinesa contra os Estados Unidos é implacável”, disse ele. “Nunca vimos nada assim. Não foi nada como a Guerra Fria com os soviéticos”.

Seus comentários foram feitos enquanto o governo tem Trump acelerado suas ações para lutar contra Pequim em uma variedade de frentes, desde os riscos à segurança representados pela tecnologia chinesa até sua agressão militar no Mar do Sul da China.

O’Brien descreveu o presidente Donald Trump como o primeiro presidente a enfrentar os chineses em 40 anos e disse que o governo tomou “medidas fortes” para enfrentar as práticas comerciais desleais do regime, roubo de propriedade intelectual dos EUA e abuso de os direitos humanos.

O governo sancionou recentemente as autoridades chinesas e um grupo paramilitar por seu papel na repressão aos muçulmanos uigures em Xinjiang. Também sancionou a líder de Hong Kong, Carrie Lam, e outras autoridades de Hong Kong e da China por minar a liberdade na cidade.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas