China adia divulgação de dados populacionais de 2020, enfrentando possível colapso populacional

Por Alex Wu

O Escritório Nacional de Estatísticas do Partido Comunista da China declarou em uma entrevista coletiva, em 18 de janeiro, que adiaria a divulgação dos dados de nascimento da China para 2020. Mas de acordo com dados divulgados por alguns governos locais, a população do continente parece estar em declínio, e a uma taxa alarmante em algumas áreas onde os nascimentos caíram mais de 20%.

Liang Jianzhang, o fundador do principal site de viagens da China, Ctrip.com, e professor da Escola de Administração Guanghua da Universidade de Pequim, alertou em um artigo de opinião de 1º de fevereiro publicado na principal publicação de negócios da China, Caixin, que o colapso populacional no continente chegou.

Ele disse que como a taxa de natalidade da China não pode ser aumentada substancialmente, o declínio da população do país não vai parar.

De acordo com Liang, a população da cidade de Guangzhou viu aproximadamente 195.500 nascimentos no ano passado, uma diminuição de 9% em relação a 2019; A cidade de Wenzhou viu aproximadamente 73.230 nascimentos, uma redução de 19,01% em relação ao ano anterior; A cidade de Hefei teve uma queda de 23% em comparação com 2019; e a quantidade de nascimentos na cidade de Taizhou diminuiu 32,6%. Nenhuma jurisdição ainda relatou um aumento na taxa de natalidade.

Para colocar isso em contexto, nos primeiros três trimestres de 2020, a taxa de natalidade nos Estados Unidos caiu aproximadamente 5%, de acordo com dados preliminares dos Centros de Controle de Doenças dos EUA. Um relatório do Instituto Brookings descobriu que, durante a epidemia de gripe espanhola, as taxas de natalidade nos Estados Unidos caíram 12,5%.

O número de nascimentos em Guangzhou em 2020 foi o mais baixo em 10 anos, e Wenzhou viu sua menor taxa de natalidade nos últimos 6 anos.

O PCC introduziu pela primeira vez a ideia de uma política de controle de natalidade em 1955, e implementou sua “política do filho único” em 1979. No entanto, desde 2013, ele tem afrouxado a política, dizendo que “se um dos pais for filho único , eles podem ter dois filhos. ” Em 2016, revisou para dois o número de crianças permitidas por lei.

No entanto, dados públicos mostram que a população da China tem diminuído de 2016 a 2020 – a população de recém-nascidos em 2016 era de 17,86 milhões, mas de 2017 a 2020, os nascimentos caíram para aproximadamente 17,23 milhões, 15,23 milhões, 14,65 milhões e 13,80 milhões, respectivamente.

A menor taxa de natalidade oficial da China foi em 1961, no final da Grande Fome, quando apenas 11,8 milhões de bebês nasceram.

O acadêmico taiwanês Wu Sezhi escreveu em um artigo de opinião recente que, além de sua “política de dois filhos”, a China não parece ter um programa que incentive seus cidadãos a ter mais filhos. Wu atribuiu isso aos recursos limitados do PCC agora confrontados com uma economia enfraquecida por fatores internacionais juntamente com o impacto da pandemia.

Wu também disse que, no longo prazo, o envelhecimento da população da China lançará uma grande sombra sobre seu desenvolvimento econômico. Ele prevê que os impactos do declínio da população da China serão mais graves do que os experimentados por outros países, já que a China ainda tem uma grande diferença de riqueza urbano-rural. O país também carece de um processo completo de desenvolvimento industrial.

 

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas