Chile interrompe segunda dose de AstraZeneca em pessoas com menos de 45 anos ‘como precaução’

Por Agência EFE

As autoridades de saúde chilenas anunciaram nesta quinta-feira que vão suspender temporariamente a administração de segundas doses da vacina AstraZeneca contra covid-19 a menores de 45 anos “por precaução” após detectar um caso de trombose em um jovem.

“Estamos aguardando o resultado de uma investigação. Amanhã (esta sexta-feira) o Instituto de Saúde Pública (ISP) vai dar o resultado se houve ou não um efeito adverso em um paciente de 31 anos ”, explicou o ministro da Saúde, Enrique Paris.

O Ministério da Saúde reiterou em comunicado que a vacina da Universidade de Oxford e da AstraZeneca foi aprovada pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA, por sua sigla em inglês) e que os eventos de trombose são eventos de “baixíssima frequência”.

A vacina inglesa, da qual já foram aplicadas 326.560 doses no país, foi aprovada em abril para uso emergencial em mulheres com mais de 55 anos e homens com mais de 18 anos.

“Por precaução, conseguimos chegar a essa resolução de adiar a segunda dose e aplicá-la em pessoas com mais de 45 anos, como tem sido feito em outros países do mundo”, acrescentou.

Pessoas fazem fila em frente aos ônibus usados ​​como centros de vacinação COVID-19 em Santiago, Chile, em 28 de maio de 2021 (Martin Bernetti / AFP via Getty Images)

O anúncio veio dias depois de ter sido anunciado que o tempo de administração entre as duas doses em homens com menos de 45 anos seria reduzido para apenas 28 dias, em vez de 12 semanas, o tempo usual.

O Chile, com 19 milhões de habitantes, realiza um dos processos de vacinação mais rápidos do mundo: 52,7% da população-alvo já recebeu as duas doses, número que o coloca atrás apenas de Israel.

Além da AstraZeneca, da qual tem 6 milhões de vacinas entregues, o Chile também autorizou a do laboratório chinês Sinovac, do qual já recebeu cerca de 18 milhões de doses; o da Pfizer / BioNTech, que também foi aplicado em menor proporção, e o do laboratório chinês CanSino, do qual comprou 1,8 milhão de doses.

Pessoas aguardam sua vez de serem vacinadas com a vacina chinesa CoronaVac contra COVID-19 em um centro de vacinação em Santiago, Chile, em 22 de abril de 2021 (Martin Bernetti / AFP via Getty Images)

Especialistas apontam a negociação precoce e diversificada, bem como a ampla rede de atenção básica, como fatores-chave para o sucesso da vacinação, a que todos os maiores de 25 anos, assim como os profissionais de saúde, já puderam acessar voluntariamente Trabalhadores com doenças crônicas e essenciais.

Porém, a meta do Governo de Sebastián Piñera, que pretendia vacinar toda a população-alvo antes de 1º de julho, está longe de ser cumprida, já que um mês após o prazo, o percentual de pessoas que receberam pelo menos uma dose é de 70,2% .

O país, que acumula quase 1,4 milhão de infecções e mais de 29 mil mortes, vive paralelamente há dias uma retomada de casos e não conseguiu deixar para trás uma segunda onda que começou em março após as férias de verão e que levou as autoridades a decreto de quarentena para mais de 90% da população.

Desde maio, as restrições foram relaxadas: o toque de recolher foi adiado por uma hora, a quarentena foi suspensa em dezenas de bairros do país e entrou em vigor um cartão de mobilidade que dá maior liberdade aos vacinados.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas