Cérebro humano ainda é incomparavelmente mais avançado que um computador, segundo pesquisas

O universo é cheio de mistérios que desafiam o nosso conhecimento atual. Em “Além da Ciência”, o Epoch Times coleta histórias sobre alguns estranhos fenômenos para estimular a imaginação e abrir a mente para novas possibilidades. Elas são reais? Você decide.

É algo humilhante nessa era de ciência avançada, perceber que o cérebro humano continua um enigma.

Além do mais, enquanto nós gastamos milhões de dólares no desenvolvimento de grandes supercomputadores, e usamos enormes quantidades de energia (alimentada por recursos não renováveis) para alimentar nossos dispositivos, o comparativamente pequeno, eficiente e acessível cérebro humano supera, em muitas maneiras, os melhores computadores.

São necessários 82.944 processadores e 40 minutos para um supercomputador simular um único segundo de atividade cerebral humana.

Leia também:
Nossa vida é incrivelmente semelhante ao Matrix, explica renomado engenheiro
Cientistas descobrem ‘GPS’ no cérebro humano
O que a internet está fazendo com nossos cérebros?

No ano passado, o supercomputador K foi usado por pesquisadores no Instituto de Tecnologia de Okinawa da Universidade de Graduação no Japão e Forschungszentrum Jülich na Alemanha, numa tentativa de simular um único segundo de atividade do cérebro humano.

O computador poderia acomodar um modelo de rede de 1,73 bilhões de neurônios (células nervosas). O cérebro humano tem, no entanto, cerca de 100 bilhões de neurônios. Para colocar isso em perspectiva, há tantos neurônios no cérebro humano quanto há estrelas na Via Láctea.

Embora o computador tenha conseguido simular um segundo de atividade cerebral, isso demorou 40 minutos.

Um funcionário do Instituto Coreano de Ciência e Tecnologia da Informação verifica os supercomputadores no instituto de pesquisas em Daejeon, Coréia do Sul, em 2004 (Chung Sung-Jun / Getty Images)
Um funcionário do Instituto Coreano de Ciência e Tecnologia da Informação verifica os supercomputadores no instituto de pesquisas em Daejeon, Coréia do Sul, em 2004 (Chung Sung-Jun / Getty Images)

O supercomputador K foi o computador mais rápido do mundo em 2011. Ele pode processar 10,51 petaflops por segundo (petaflop/s), ou seja, cerca de 10.510 trilhões de cálculos por segundo. Já que os avanços na tecnologia movem-se rapidamente, vamos colocar isso na perspectiva de 2014. O supercomputador K é atualmente o quarto computador mais rápido, e em primeiro lugar está o Tianhe-2, capaz de processar 33,86 petaflops/s (33.860 trilhões de cálculos por segundo). Então, nós triplicamos o poder de processamento do nosso computador mais avançado em três anos.

Para reduzi-lo a uma escala que a maioria das pessoas possam identificar, a unidade gráfica dentro do iPhone 5s produz cerca de 0,0000768 petaflop/s. Assim, o computador mais rápido do mundo é cerca de 440 mil vezes mais rápido do que a unidade gráfica dentro do iPhone 5s, mas continua sendo mais lento do que o cérebro humano.

Seu cérebro é tão barato, é de graça.

Raros defeitos de nascimento aparte, todos nós nascemos com cérebros, e eles se encaixam bem em nossas cabeças! O Tianhe-2 custa cerca de 390 milhões dólares para ser construido, de acordo com a Forbes. No pico de potência, ele puxa mais de 17,6 megawatts de energia, e o complexo do computador abrange cerca de 720 metros quadrados. Alguns outros supercomputadores, considerados eficientes em energia, consomem cerca de 8 megawatts.

Para colocar isso em perspectiva, um megawatt equivale a 1 milhão de watts. Uma lâmpada de 100 watts consome 100 watts logo que é ligada, uma vez que “watt” refere-se à energia usada instantaneamente. Então, o computador mais rápido do mundo puxa energia equivalente a 176 mil lâmpadas.

(Monkey Business Images/Monkey Business/Thinkstock)
(Monkey Business Images/Monkey Business/Thinkstock)

Jeff Layton, Ph.D., um tecnólogo da empresa Dell, escreveu em um post no seu blog: “Esses sistemas são terrivelmente grandes, caros e consomem muita energia.”

É também muito útil.

Os computadores que usamos na vida diária podem ser bastante úteis, porém alguns especialistas expressaram dúvida sobre a utilidade dos supercomputadores.

O South China Morning Post relatou em um artigo sobre o Tianhe-2, que situa-se na China: “Ao contrário dos computadores domésticos que podem lidar com várias tarefas, que estendem-se de processamento de texto a jogos e navegação na web, os supercomputadores são construídos para fins muito específicos. Para explorar suas capacidades computacionais completas, os investigadores têm de passar meses, senão anos, escrevendo ou reescrevendo códigos de software para treinar a máquina, para fazer uma tarefa eficientemente.”

Um cientista sênior do Centro de Computação Beijing, cujo nome não foi revelado, disse: “A bolha do supercomputador é pior do que uma bolha imobiliária. Um edifício vai permanecer por décadas depois que é construído, mas um computador, não importa o quão rápido ele é hoje, se tornará lixo em cinco anos.”

Como a largura de banda do seu cérebro se compara a um modem?

Delimitar uma medida para a velocidade de processamento da mente humana tem sido tentado por vários cientistas. Os números que eles trouxeram têm variado, dependendo da abordagem. Comparar a largura de banda de um modem com a “largura de banda” de um cérebro não é uma ciência exata.

Primeiro, vamos olhar quantos bits por segundo (bps) seu cérebro pode processar, depois vamos observar quantos bps um modem médio pode processar. Você pode pensar nisso em termos de quanto tempo demora para fazer upload de uma foto na Internet versus quanto tempo leva para processar o que você vê diante dos seus olhos.

(RealCG Animation Studio/iStock/Thinkstock)
(RealCG Animation Studio/iStock/Thinkstock)

 

 (Scyther5/iStock/Thinkstock)
(Scyther5/iStock/Thinkstock)

 

O Dr. Tor Nørretranders, um professor adjunto de Filosofia da Ciência na Copenhagen Business School, escreveu um livro intitulado “The User Illusion: Cutting Consciousness Down to Size” (A Ilusão do Usuário: Reduzindo a Consciência ao Seu Tamanho), no qual ele afirmou que a mente consciente processa cerca de 40 bps, sendo que a mente subconsciente processa 11 milhões bps.

O físico teórico austríaco Herbert W. Franke afirma que a mente humana pode, conscientemente, absorver e reter 160 bps de uma vez. De forma interessante, ele nota que a mente pode, assim, reduzir a complexidade de qualquer situação até 160 bits.

Fermin Moscoso del Prado Martin, um psicólogo cognitivo da Université de Provence, na França, determinou que o cérebro humano pode processar cerca de 60 bps. Em um comentário num artigo de revisão da tecnologia sobre o seu trabalho, ele fez nota que não determinou um limite superior, ou seja, significando que ele não pode dizer, com certeza, que o cérebro é incapaz de processar além de 60 bps.

Agora, vamos ver quão rápido é seu modem doméstico.

(Vladru/iStock/Thinkstock)


(Vladru/iStock/Thinkstock)

Um megabit por segundo (mbps) é igual a 1 milhão de bps; modems domésticos podem operar, em qualquer marca, desde 50 mbps até algumas centenas de mbps. Isso é milhões de vezes mais rápido do que sua mente consciente, e pelo menos cinco vezes do que seu subconsciente. Um ponto para computadores aqui, eles superam os cérebros nesta consideração. Claro, tão pouco ainda é compreendido sobre o subconsciente, que estes números estão longe de ser certeiros.

E mesmo que sejamos relativamente lentos em absorver dados, a forma como os processamos é maravilhoso.

Nós aprendemos, nós inventamos.



A Inteligência Artificial (IA) está despontando no desenvolvimento de computadores que são criativos. Porém, a mais avançada IA está muito aquém do cérebro humano, assim como era há muitos milhares de anos.

Em um artigo escrito por MakeUseOf.com, o engenheiro elétrico e escritor freelance Ryan Dube comentou sobre a afirmação a seguir pelo autor Gary Marcus: “A diferença fundamental entre computadores e a mente humana é na organização básica da memória.”



(Vladislav Ociacia/iStock/Thinkstock)


(Vladislav Ociacia/iStock/Thinkstock)

Dube escreveu: “Para recuperar dados, o computador usa locais de armazenamento lógicos. Um cérebro humano, por outro lado, lembra-se onde as informações são armazenadas com base em sugestões. Essas pistas são outras peças de informações ou memórias ligadas à informação que você precisa recuperar.

 Isto significa que a mente humana pode conectar um número quase ilimitado de conceitos em uma variedade de maneiras, e então às vezes desconectar ou recriar conexões com base em novas informações. Isso permite que o humano pise fora dos limites do que já foi aprendido — levando a nova arte e novas invenções que são a marca registrada da raça humana.”

Leia também:
‘Sua mente pode controlar a matéria’, afirma físico
A mente e as doenças modernas
Físico evidencia que intenção humana existe fisicamente

O cérebro é ainda pouco compreendido, e nós ainda podemos descobrir benefícios insondáveis. 

A National Geographic ilustrou como é grande a tarefa de mapear o cérebro humano com precisão. Ela reportou em sua edição de fevereiro de 2014 intitulada “The New Science of the Brain” (A Nova Ciência do Cérebro), que cientistas criaram um modelo 3D de uma parte do tamanho de um grão de sal do cérebro de um rato. Para mapear essa pequena parte do cérebro do rato com precisão, eles usaram um microscópio eletrônico para fazer sua imagem em 200 seções, cada uma tão grossa quanto um cabelo humano. “Um cérebro humano visualizado a este nível de detalhe exigiria uma quantidade de dados igual a todo o material escrito em todas as bibliotecas do mundo”, escreveu a National Geographic.

Em 2005, pesquisadores no Caltech e UCLA descobriram que apenas alguns dos 100 bilhões neurônios do cérebro são usados para armazenar informação sobre alguma dada pessoa, lugar ou conceito. Por exemplo, encontraram que quando foram mostradas aos indivíduos do teste fotos da atriz Jennifer Aniston, um determinado neurônio no cérebro responderia. Outro neurônio foi dedicado à atriz Halle Berry.



* Ilustração de um chip de computador e cérebro humano via Shutterstock
 
Matérias Relacionadas