CEOs das principais companhias aéreas dos EUA alertam que tecnologia 5G pode aterrar aviões

Verizon e a AT&T estão prontas para lançar sua tecnologia sem fio 5G de próxima geração após vários atrasos

Por Katabella Roberts 

CEOs de algumas das principais companhias aéreas dos EUA alertaram na segunda-feira que o comércio do país essencialmente “parará” e haverá “interrupções significativas de operação” para passageiros aéreos se a banda C da tecnologia 5G não for implantada de maneira segura nos aeroportos.

Isso ocorre enquanto a Verizon e a AT&T estão prontas para lançar sua tecnologia sem fio 5G de próxima geração após vários atrasos devido a preocupações sobre como a tecnologia pode afetar os voos.

Em uma carta enviada ao diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Brian Deese, ao administrador da FAA, Steve Dickson, ao secretário de Transportes Pete Buttigieg, e à presidente da Comissão Federal de Comunicações (FCC), Jessica Rosenworcel, os CEOs afirmaram que “a menos que nossos principais hubs sejam liberados para voar, a vasta maioria do público viajante e de navegação estará essencialmente em terra”.

A carta foi assinada pelos principais executivos da American Airlines, Delta Air Lines, United Airlines, Southwest Airlines, Alaska Airlines e outros.

“Apesar da recente colaboração e compartilhamento de dados entre o setor de telecomunicações, a Federal Aviation Administration (FAA) e o setor de aviação, a aviação comercial nos Estados Unidos está enfrentando uma grande interrupção do público de viagens e transporte com base em nossa avaliação dos dados e discussões que estão em andamento para resolver a questão da melhor forma de implantar a ‘banda C’ do 5G de maneira segura nos aeroportos dos EUA”, escreveram os CEOs.

Os chefes das companhias aéreas solicitaram que o 5G fosse implementado em todo o país “exceto dentro das aproximadamente 2 milhas de pistas de aeroportos nos aeroportos afetados, conforme definido pela FAA no dia 19 de janeiro de 2022”.

“Isso permitirá que o 5G seja implantado, evitando impactos prejudiciais no setor de aviação, no público que viaja, na rede de fornecimento, na distribuição de vacinas, em nossa força de trabalho e na economia em geral”, declararam os CEOs. “Pedimos ainda que a FAA identifique imediatamente as estações base mais próximas das principais pistas dos aeroportos que precisam ser abordadas para garantir a segurança e evitar interrupções de maneira estreita e consistente com o acordo estabelecido no dia 3 de janeiro de 2022.

“Intervenção imediata é necessária para evitar interrupções operacionais significativas para passageiros aéreos, transportadores, redes de fornecimento e entrega de suprimentos médicos necessários. O dano que resultará da implantação no dia 19 de janeiro é substancialmente pior do que prevíamos originalmente”, afirmaram os chefes das companhias aéreas.

Eles alertaram que a tecnologia sem fio 5G poderia efetivamente deixar milhares de passageiros sem serviços em terra e deixar dezenas de milhares no exterior.

A FAA afirmou ao Epoch Times: “Reconhecemos a importância econômica da expansão do 5G e apreciamos as empresas sem fio que trabalham conosco para proteger o público de voo e a rede de fornecimentos do país. O complexo espaço aéreo dos EUA lidera o mundo em segurança por causa de nossos altos padrões de aviação, e manteremos esse compromisso à medida que as empresas sem fio implantarem o 5G”.

O Epoch Times entrou em contato com a Airlines for America, o grupo que organizou a carta, para comentários.

A FAA e outros funcionários da aviação temem que o uso do espectro da banda C para serviços sem fio 5G possa interferir na eletrônica sensível das aeronaves, interromper voos e resultar em alguns desvios.

No início deste mês, a Verizon e a AT&T rejeitaram um pedido de Buttigieg e Dickson para adiar o lançamento da tecnologia, citando preocupações de segurança.

No entanto, as empresas reverteram essa decisão apenas alguns dias depois, quando concordaram voluntariamente em adiar o lançamento e se ofereceram para expandir as chamadas “zonas de exclusão” em torno de certos aeroportos por seis meses, observando que medidas de precaução semelhantes já estavam em vigor na França.

Os CEOs afirmam que a expansão de seis meses dará à FAA e às autoridades da aviação mais tempo para estudar o potencial de interferência nas operações das aeronaves e “corrigir quaisquer altímetros que possam não atender aos padrões atuais”.

“Especificamente, por seis meses, até 5 de julho de 2022, adotaremos as mesmas zonas de exclusão de rádio de banda C que já estão em uso na França, com ligeira adaptação para refletir as modestas diferenças técnicas em como a banda C está sendo implantada nos dois países”, relataram eles em resposta ao pedido das autoridades.

“Essa abordagem – que é uma das mais conservadoras do mundo – incluiria extensas zonas de exclusão ao redor das pistas de alguns aeroportos. O efeito seria reduzir ainda mais os níveis de sinal da banda C em pelo menos 10 vezes na pista ou durante a última milha da aproximação final e a primeira milha após a decolagem”, declararam as empresas.

A FAA afirmou no domingo que liberou cerca de 45 por cento da frota de aviões comerciais dos EUA para realizar pousos de baixa visibilidade em muitos aeroportos onde a banda C do 5G será implantada no dia 19 de janeiro.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas