CEO da GM enfrenta críticas severas de legisladores dos EUA sobre investimentos no México

GM paga menos de US$ 3 por hora em quatro fábricas no México, uma fração do que paga nos Estados Unidos

Por Reuters

WASHINGTON – A presidente-executiva da General Motors, Mary Barra, foi duramente criticada por membros do Congresso de Michigan em 6 de dezembro pela construção de um novo veículo no México, enquanto encerrou a produção em cinco fábricas de montagem na América do Norte e cortou quase 15.000 empregos.

No segundo dia de reuniões no Capitólio, Barra enfrentou uma dura sessão com legisladores que são normalmente apoiadores do estado onde a GM está sediada e tem milhares de trabalhadores.

O senador Gary Peters, um democrata de Michigan, questionou por que a GM estava lançando a produção de seu novo Chevrolet Blazer SUV no México enquanto cortava a produção nos Estados Unidos e disse que a empresa precisa transferir o veículo para os Estados Unidos.

“Conseguimos respostas sobre algumas das decisões que eles tomaram. Mas eu acho que eles precisam rever esse processo de pensamento e entender a importância de fazer (veículos) localmente”, disse Peters. “O motivo pelo qual temos potencial nos Estados Unidos é porque geramos potencial no México”.

Em 2014, a GM anunciou que estava investindo US$ 5 bilhões no México até 2018 para modernizar e expandir suas instalações industriais. A GM diz que desde 2009 investiu US$ 22 bilhões em instalações nos Estados Unidos.

O representante Sander Levin, democrata de Michigan, disse que a GM paga menos de US$ 3 por hora em quatro fábricas no México, uma fração do que paga nos Estados Unidos.

“É muito lucrativo deixar os Estados Unidos e ir para o México”, disse Levin sobre a expansão da produção de caminhões e SUVs da GM no México.

Os legisladores ficaram irritados com a falta de notificação antes do anúncio de corte de emprego da GM na semana passada e queriam garantias de que a GM não estaria fechando mais fábricas nos Estados Unidos.

A Barra disse aos repórteres depois das reuniões que era “importante para a General Motors fazer mudanças necessárias, mas incrivelmente difíceis”.

A GM está encerrando a produção em sua fábrica de Detroit-Hamtramck Assembly no próximo ano, bem como em sua fábrica Warren Transmission no subúrbio de Detroit, junto com fábricas em Ohio, Maryland e Canadá e eliminando cerca de 8.000 posições assalariadas.

A Barra disse que a decisão de construir o Blazer no México, anunciada em junho, “foi feita há muitos anos”.

Ela disse à Reuters em 5 de dezembro que seria “muito caro” reverter o curso porque o novo SUV estava sendo lançado em poucos dias. Ela também observou que a GM está lançando uma série de novos veículos em Michigan no próximo ano.

Ao ser interrogada se há mais instalações dos Estados Unidos em risco de fechamento, Barra disse que a GM “analisou os passos necessários para fortalecer a empresa … Acreditamos que os passos que tomamos são necessários para o nosso futuro”.

Representante Tim Walberg, um republicano de Michigan, disse que os legisladores foram pegos de surpresa pelos cortes de emprego e expressaram sua raiva, mas acrescentou: “nada havia sido revelado.”

A representante Brenda Lawrence, que representa Detroit, disse os legisladores estavam notificando a GM sobre futuras decisões de produção, observando que a empresa está fazendo lucros fortes e conseguiu uma ajuda maciça do contribuinte há uma década atrás.

“Estamos observando as decisões que eles estão tomando”, disse Lawrence.

De David Shepardson

 

 
Matérias Relacionadas