Centro Global dos EUA concentra-se em abordar desinformação sobre COVID-19

"Uma parte muito importante da redução da vulnerabilidade do público é conscientizá-lo de como um ambiente de desinformação pode ser manipulado"

Por Bowen Xiao

De acordo com um alto funcionário do Global Engagement Center (GEC), dedicado a expor e combater a desinformação, países estrangeiros como China, Rússia e Irã vêm usando a pandemia global para “explorar o espaço de informações para fins nocivos”.

Em recente comunicado oficial, a enviada especial Lea Gabrielle, coordenadora do GEC do Departamento de Estado, disse que rastreia as narrativas promovidas pelos três países sobre o vírus desde janeiro. Uma das principais responsabilidades do centro é manter a liderança do Departamento de Estado informada sobre o cenário internacional da informação.

Gabrielle falou extensivamente sobre a campanha de desinformação lançada pelo Partido Comunista Chinês. Ela disse que monitorou os esforços maliciosos de desinformação da China, onde culpam falsamente os Estados Unidos como a fonte do vírus do PCC, e seus esforços para criar um retrato da “supremacia” do PCC na administração da crise da saúde.

“O que vimos é que o PCC está mobilizando seu aparato global de mensagens, que inclui a mídia estatal e diplomatas chineses, para lançar versões selecionadas e localizadas das mesmas falsas narrativas”, disse ele em teleconferência em 27 de março.

“Eu direi que o espaço da informação está em constante evolução”, disse ele, referindo-se aos esforços de desinformação de Pequim. “Tem sido muito fluido e a abordagem chinesa também”.

Um aspecto que o GEC continua a observar e avaliar é o fato de estarem vendo operações de inteligência estatais russas, chinesas e iranianas “convergindo em torno dos mesmos temas narrativos de desinformação sobre o COVID-19”, segundo Gabrielle.

Documentos internos do governo obtidos pelo Epoch Times destacaram como o regime chinês propositadamente falhou em relatar casos do vírus do PCC e censurou as conversas sobre o surto, ajudando a alimentar a propagação da doença.

Em um caso recente, o GEC avaliou narrativas falsas na África dirigidas por autoridades chinesas. Eles descobriram que essas narrativas “receberam principalmente reações negativas e praticamente terminaram”, então os oficiais do PCC mudaram seu jogo. Ela disse que a equipe pode analisar as narrativas em mudança através de várias ferramentas diferentes de ciência de dados.

Entre 1 de janeiro e 18 de março, o GEC coletou e analisou mensagens de mídia social de dezenas de contas oficiais do governo e diplomatas chineses na África. Inicialmente, eles descobriram que nenhuma das contas falava sobre o vírus do PCC, mas no final do período, cerca de 60% das postagens estavam relacionadas ao problema da COVID-19.

“Vimos a China se concentrar em quatro narrativas importantes de nossa análise” na África, disse ele. “Uma foi a contenção bem-sucedida do vírus na China. A segunda foi o apelo à colaboração internacional. A terceira foi o elogio à Organização Mundial da Saúde à China. E a quarta foi a resistência econômica da China”.

O funcionário observou que os posts anti-EUA no Twitter contavam apenas como uma pequena parte das publicações gerais e com baixo desempenho no público africano que “rejeitavam essencialmente as alegações de que o coronavírus havia se originado nos Estados Unidos”. O público africano também rejeitou as alegações de que o termo “vírus chinês” era uma referência racista; portanto, as autoridades do PCC se afastaram do assunto e se concentraram na narrativa de “elogiar as ações da China”.

“Também estamos vendo algo semelhante no Hemisfério Ocidental”, disse Gabrielle, referindo-se à natureza mutável das campanhas de desinformação.

Na Itália, funcionários da República Popular da China (RPC) também mudaram suas narrativas para melhor atender a diferentes públicos. No Hemisfério Ocidental, questões relacionadas ao vírus do PCC representam cerca de “metade do conteúdo promovido pelas contas oficiais chinesas”, afirmou.

“Os funcionários da RPC se tornaram realmente ativos e estão mostrando esforços conjuntos para veicular sistematicamente suas mensagens para o público global usando hashtags, aumentando seus seguidores nas mídias sociais para convencer as pessoas de que eles estão agindo com responsabilidade e fornecendo ajuda” acrescentou ele.

Hashtags e mídias sociais têm sido ferramentas essenciais no kit de propaganda usado pelo PCC. Nas últimas semanas, a mídia estatal Xinhua News promoveu as hashtags “#Trumpandemic” e “#TrumpVirus” em seus posts no Twitter e no Facebook. Um comentarista de Pequim disse ao jornal estatal chinês Global Times que o termo “pandemia de Trump” é “não apenas vívido, mas também muito preciso”.

O Epoch Times entrou em contato com o Departamento de Estado para comentários adicionais sobre a campanha de desinformação da China. Um porta-voz se recusou a comentar.

Enquanto isso, os cidadãos na China não têm acesso a plataformas de mídia social como Twitter e Facebook e recebem um fluxo constante de propaganda do regime comunista por lá.

Para combater a enxurrada de narrativas falsas de diferentes agentes estatais, o governo dos EUA lançou uma série de iniciativas, segundo Gabrielle, “que incluem mensagens públicas em casa e no exterior, envolvimento diplomático e promoção de informações baseadas em fatos para o público local”.

O Epoch Times informou anteriormente que as autoridades americanas estavam cada vez mais respondendo nas mídias sociais, abordando o desejo de desinformação da China e como as agências federais estão intensificando os esforços criando novos sites para separar fatos da ficção.

Na coletiva, um jornalista também perguntou sobre até que ponto o GEC estava trabalhando com empresas privadas de tecnologia para combater essas narrativas. Gabrielle disse que eles têm uma “equipe de engajamento tecnológico” que trabalha com diferentes empresas e plataformas de mídia social, mas acrescentou que combater a desinformação “tem várias abordagens”.

“Dependendo da situação, simplesmente não existe uma abordagem padronizada. Temos que analisar cada situação individualmente e descobrir quais são as melhores práticas ”, respondeu ela. “As empresas de tecnologia estão analisando suas plataformas específicas (…) mas nossos cientistas de dados estão analisando todo o ecossistema de desinformação”.

O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus como o vírus do PCC porque o encobrimento e a má administração do Partido Comunista Chinês da epidemia, iniciada na cidade de Wuhan, no centro da China, permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e criar uma pandemia global.

Embora as narrativas conduzidas pelo PCC possam mudar rapidamente, os objetivos são os mesmos: abandonar a responsabilidade pelo manuseio fracassado do vírus do PCC e retratar uma imagem que o surto foi contido com sucesso.

“Acho realmente triste ver agentes estatais se aproveitando de uma crise global de saúde para tentar promover suas próprias agendas”, acrescentou Gabrielle. “Acho que uma parte muito importante da redução da vulnerabilidade do público é conscientizá-lo de como um ambiente de desinformação pode ser manipulado”.

 
Matérias Relacionadas