Centenas de incêndios no Canadá forçam a evacuação de milhares de pessoas

Por Agência EFE

Centenas de incêndios florestais no oeste e centro do Canadá forçaram milhares de pessoas a evacuar de suas comunidades e estão fazendo a qualidade do ar cair em cidades como Edmonton, Calgary e Toronto.

A região mais afetada pelos incêndios é a Colúmbia Britânica, na costa do Pacífico do Canadá, onde cerca de 300 incêndios florestais ainda estavam ativos na terça-feira, principalmente na parte sudeste da província.

O maior desses incêndios, o de Sparks Lake, a oeste da cidade de Kamloops, já consumiu mais de 45.000 hectares de floresta. Até agora, os incêndios queimaram mais de 270.000 hectares na Colúmbia Britânica desde o início da temporada.

As autoridades da Colúmbia Britânica responsabilizaram o alto número de incêndios pela intensa onda de calor que varreu a província no final de junho e início de julho e estima ter matado pelo menos 500 pessoas.

A onda de calor fez com que termômetros da cidade de Lytton, a oeste de Kamloops, chegassem a 49,6 graus Celsius, a maior temperatura já registrada no país.

As altas temperaturas estão facilitando centenas de incêndios florestais nas províncias de Alberta, Saskatchewan, Manitoba e Ontário.

E a fumaça desses incêndios está causando problemas em cidades como Edmonton, Calgary e Toronto.

Hoje, o Serviço Meteorológico do Canadá alertou que a qualidade do ar em Edmonton, capital de Alberta, representa um “alto risco” para pessoas com problemas respiratórios.

A fumaça é tão densa que bloqueia os raios do sol e resfria o ar. Na segunda-feira, as previsões do tempo previam temperaturas de 26 ou 27 ° C em Edmonton, mas os termômetros só chegaram a 13 ° C devido ao efeito da fumaça.

Em Toronto, a cidade mais populosa do país, a qualidade do ar piorou na esteira dos incêndios no norte de Ontário e, nesta terça-feira, o risco é moderado.

Nas últimas horas, 101 bombeiros mexicanos chegaram a Ontário para ajudar no combate aos mais de 100 incêndios florestais na província.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 

 
Matérias Relacionadas