Censura do Twitter assemelha-se à da China comunista

Nos quase 16 anos desde que o Twitter foi criado, o site cresceu de um lugar outrora hospitaleiro para um lugar bastante inóspito

Por John Mac Ghlionn

Opinião

No dia 21 de março de 2006, alguém decidiu enviar algo chamado tweet. Uma mensagem bastante banal, que incluía as seguintes cinco palavras: “Estou apenas configurando meu twttr”. O responsável pelo tweet foi Jack Dorsey, cofundador do Twitter.

Nos quase 16 anos desde que o tweet foi postado, o site de microblog cresceu de um lugar outrora hospitaleiro – onde as pessoas eram livres para compartilhar ideias – para um lugar bastante inóspito.

Em novembro, Dorsey entregou sua carta de demissão, e com razão. O Twitter tornou-se uma máquina de censura – um lugar onde visões dissidentes e não ortodoxas são rejeitadas. De muitas maneiras, a censura do Twitter agora assemelha-se à da China comunista.

Sendo alguém que viveu na China até muito recentemente, tenho experiência em primeira mão com a censura. Agora, antes de ser acusado de hiperbólico, deixe-me dizer o seguinte: o que estou discutindo aqui é uma abordagem em relação à censura e as maneiras pelas quais aqueles que se desviam da narrativa prescrita são punidos, rápida e severamente.

No Twitter, não é incomum que as pessoas tenham suas contas suspensas temporariamente. Da mesma forma, na China, não é incomum que as pessoas sejam “suspensas temporariamente”. Em outubro de 2020, logo após criticar membros do Partido Comunista Chinês (PCC), o bilionário Jack Ma desapareceu misteriosamente. Três meses depois, o cofundador e ex-CEO do Alibaba Group reapareceu. Sua “conta” foi reativada. O PCC permitiu que Ma voltasse à sociedade.

No entanto, na China, muitas pessoas não têm a mesma sorte que Ma. Eles desaparecem de vista – para nunca mais serem vistos. Na linguagem do Twitter, por mais grosseiro que possa parecer, suas contas estão “permanentemente suspensas”.

O que nos leva à deputada Marjorie Taylor Greene. Para alguns, um republicano é um herói, um indivíduo corajoso que acredita na defesa da Primeira (e Segunda) Emenda. Para outros, no entanto, ele é um perigo para a sociedade e alguém responsável por disseminar uma perigosa “desinformação” – palavra que se tornou uma arma usada por quem está no poder.

No dia 2 de janeiro, o Twitter decidiu suspender permanentemente a conta da deputada norte-americana por espalhar desinformação sobre a COVID-19. Greene respondeu chamando o Twitter de “inimigo dos Estados Unidos”, uma empresa que simplesmente “não consegue lidar com a verdade”. “Tudo bem”, ela advertiu, “vou mostrar aos Estados Unidos que não precisamos deles e que é hora de derrotar nossos inimigos”.

Deputada norte-americana Marjorie Taylor Greene, Republicana da Geórgia, se pronuncia durante uma conferência de imprensa no Capitólio, no dia 5 de fevereiro de 2021, em Washington, DC (ALEX EDELMAN / AFP via Getty Images)
Deputada norte-americana Marjorie Taylor Greene, Republicana da Geórgia, se pronuncia durante uma conferência de imprensa no Capitólio, no dia 5 de fevereiro de 2021, em Washington, DC (ALEX EDELMAN / AFP via Getty Images)

Greene está certa? O Twitter é “um inimigo” do povo? Bem, não de todas as pessoas.

Em agosto do ano passado, em um esforço para impedir campanhas de “desinformação”, o Twitter realizou uma parceria com a Reuters e a Associated Press, dois meios de comunicação que possuem um histórico obscuro de trabalhar em estreita colaboração com governos de todo o mundo, de acordo com reportagens de alta credibilidade.

Tanto o Twitter quanto a Reuters, como discuti anteriormente, fazem parte da Trusted News Initiative (TNI) (Iniciativa das Notícias Confiáveis), um programa que foi estabelecido em 2019 para aparentemente impedir “notícias falsas”. Outros membros da TNI incluem o Facebook, um veículo conhecido para a desinformação, e o The Washington Post, um meio que publicou vários artigos pouco convincentes nos últimos tempos

Os membros da TNI, incluindo o Twitter, trabalharam incansavelmente para reprimir a “desinformação” sobre as vacinas. O termo “desinformação” é interessante, porque parece ser usado por quem está no poder para se referir a qualquer coisa que considere perigosa – mesmo que a “desinformação” seja, de fato, uma informação correta. Hoje, o termo é frequentemente usado para desacreditar aqueles que questionam a eficácia das quarentenas, das máscaras, vacinas, etc. O termo “desinformação” é usado com um descuido imprudente.

Embora eu não esteja qualificado para falar sobre a eficácia real de várias vacinas, não é preciso mais do que alguns neurônios em funcionamento para ver que as pessoas e empresas responsáveis ​​​​por combater a “desinformação” estão altamente engajadas.

Isso, talvez, explique por que a conta no Twitter do Dr. Robert Malone foi recentemente suspensa. Qual foi seu pecado? Criticar a vacina da Pfizer. Para os desavisados, Malone é virologista e imunologista. Ele é excepcionalmente qualificado para comentar sobre a eficácia das vacinas, ao contrário de Bill Gates, um homem que está sempre debatendo a necessidade de vacinar as pessoas, embora não possua nenhuma preparação de mérito (a menos que ter uma conta bancária considerável seja considerado uma preparação).

Malone dedicou toda a sua existência profissional ao desenvolvimento da tecnologia de vacinas. Mas assim que teve a audácia de criticar a Pfizer – uma empresa com histórico de manipulação de dados em estudos científicos – ele se viu banido do Twitter, uma plataforma ridiculamente popular com mais de 37 milhões de usuários somente nos Estados Unidos.

Para concluir

Marjorie Taylor Greene merecia ter sua conta desativada? Eu vou deixar você decidir. E o Dr. Robert Malone? Mais uma vez, vocês são livres para tirar suas próprias conclusões.

Antes de ir, deixe-me terminar fazendo mais uma pergunta: Podemos confiar nos que tomam as decisões no Twitter? Lembre-se que a plataforma faz parte da altamente comprometida TNI. A repressão contra indivíduos muito específicos com preocupações muito específicas merece uma análise mais aprofundada. O bloqueio de Malone pode muito bem vir a ser uma espécie de ponto de inflexão em que milhões de pessoas em todo o mundo percebem a realidade que enfrentamos.

Grandes empresas de tecnologia e grandes governos não são amigos de pessoas comuns. Eles são amigos daqueles que estão no poder – pessoas com agendas e ideologias específicas. Eles se tornaram ferramentas para preservar o status quo – não para melhorar a humanidade.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times. 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas