Cédulas na Pennsylvania têm 600 mil votos para Biden e apenas 3.200 para Trump

Multidão acompanhando recontagem fica boquiaberta. Biden mais uma vez consegue votos magicamente em condados disputadíssimos

Por Leonardo Trielli, Senso Incomum

Um trecho da audiência que investiga fraude eleitoral, ocorrida no Senado Estadual da Pensilvânia na quarta-feira, 25, foi motivo de riso generalizado, tamanho o absurdo de um dos fatos descritos por um especialista.

O que causou espanto ao público foi um diálogo entre o advogado Rudy Giuliani e Phil Waldren (foto), coronel da reserva do exército americano, especialista em infowar (guerra de informações), operações de informática e combate a fraudes.

Waldren apresentava um gráfico com os picos de votos contabilizados durante a madrugada em um centro de contagem do estado.

“O que o círculo no gráfico indica é um pico no processamento dos votos, 337 mil votos de um grande lote foram adicionados, e isso é uma anomalia. Normalmente você vê uma curva suave acontecendo, não esses grandes picos. E este pico que ocorreu é o primeiro indicador de votação fraudulenta.”

Giuliani menciona 604 mil votos em noventa minutos, mas o coronel responde que os noventa minutos indicam apenas o primeiro pico de 337 mil votos. O número mencionado por Giuliani seria o número total de votos para Biden.

Giuliani: “E quando você vê esta curva inteira, com todos estes picos, você consegue calcular quantos desses votos foram para Biden e quantos foram para Trump?”

Waldren: “Próximo de 600 mil votos, imagino que seja por volta de 570 mil votos contando todos os picos.”

Giuliani: “Para Biden?”

Waldren: “Para Biden.”

Giuliani: “E para Trump?”

Waldren: “Acho que menos de 30 mil”

Plateia: (risos)

Não há indícios de fraude nas eleições americanas, diz a imprensa oficial.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas