CE investiga violação do Google de regras de concorrência em serviços de publicidade

Agência EFE

A Comissão Europeia (CE) abriu uma investigação antimonopólio na terça-feira para determinar se o Google violou as regras de concorrência europeias ao favorecer seus próprios serviços de tecnologia de publicidade na Internet em detrimento de fornecedores, anunciantes e editores rivais.

Bruxelas vai examinar em particular se a empresa de tecnologia dos EUA está distorcendo a concorrência ao restringir o acesso de terceiros aos dados do usuário para fins publicitários em páginas da web e aplicativos móveis, reservando-os para seu próprio uso, disse o Executivo da Comunidade em um comunicado.

“O Google coleta dados para uso com fins publicitários, vende espaço publicitário e atua como intermediário na publicidade online. Portanto, o Google está presente em quase todos os níveis da cadeia de suprimentos para a exibição de anúncios na Internet ”, disse Margrethe Vestager, vice-presidente da comunidade e chefe da competição.

Seus serviços temem, explicou, que o Google esteja dificultando a competição de seus rivais no mercado de tecnologia de publicidade, o que, se confirmado, iria contra as leis comunitárias de abuso de posição dominante e acordos anticoncorrenciais entre empresas.

O Community Executive lembrou que em 2019 o gasto para colocar publicidade online foi de cerca de 20.000 milhões de euros (cerca de 23.800 milhões de dólares) na UE e que o Google fornece vários serviços tecnológicos que fazem a mediação entre anunciantes e editores para exibir essa publicidade em páginas web e  celulares.

A investigação da comunidade se concentrará em vários desses serviços oferecidos pela empresa norte-americana e nas obrigações e restrições que impõe àqueles que os utilizam ou a fornecedores concorrentes.

Ele analisará especificamente a obrigação imposta pelo Google de usar o Display and Video 360 (DV360) e / ou os serviços do Google Ads para comprar espaço publicitário na plataforma de vídeo do YouTube, de sua propriedade.

Bem como a obrigação de utilizar o seu serviço Google Ad Manager para gerir os anúncios nesse site e as “potenciais restrições” que impõe aos serviços concorrentes nesta área.

Será também analisado o possível favoritismo entre os diferentes serviços prestados pela Google.

Bruxelas vai examinar, por outro lado, as restrições impostas pelo gigante da tecnologia para que anunciantes, editores ou intermediários de publicidade rivais possam acessar dados sobre identidade ou comportamento de usuários que estão disponíveis para o Google.

Nesse sentido, eles vão analisar seus planos para proibir terceiros de usar “cookies” – ferramentas para coletar dados sobre o comportamento de usuários na Internet – em seu navegador Chrome, bem como para reduzir as informações disponíveis a terceiros no dispositivos móveis que eles usam o sistema operacional Android.

A Comissão pretende determinar o impacto que terão nos serviços de publicidade online.

“A competição justa é importante, tanto para os anunciantes alcançarem os consumidores nos sites das editoras, quanto para as editoras poderem vender seu espaço aos anunciantes para gerar receita e financiar o conteúdo”, disse Vestager.

Bruxelas tratará a investigação como uma prioridade e levará em consideração os regulamentos europeus de proteção de dados (GDPR), que exigem que todos os participantes do mercado ofereçam as mesmas garantias de privacidade aos usuários.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas