CDC realizará reunião de emergência sobre inflamação cardíaca rara pós-vacinação

Por Katabella Roberts e Zachary Stieber

O Comitê Consultivo de Vacinas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças está programado para realizar uma reunião de emergência este mês para discutir relatórios acima do esperado de casos de inflamação cardíaca em homens jovens após uma segunda dose das vacinas Pfizer e Moderna COVID-19 .

A reunião de 18 de junho tratará das condições, que são muito raras e não estão diretamente relacionadas às vacinas, anunciou a agência em 10 de junho.

A primeira parte do encontro incluirá os dados mais recentes sobre a segurança da vacina COVID-19, incluindo casos de miocardite observados após a administração de vacinas baseadas na tecnologia de RNA mensageiro, de acordo com o programa do encontro.

A miocardite é uma doença rara que causa inflamação do coração. As causas incluem gripe e COVID-19.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças ( CDC ) revelaram em uma reunião na quinta-feira que as taxas de miocardite e uma condição semelhante, a pericardite, são maiores do que o esperado.

O CDC identificou até agora 226 relatórios em pessoas com 30 anos ou menos que poderiam atender à “definição de caso de trabalho” da agência para inflamação cardíaca pós-vacinação, revelou a agência . Isso era de um total de 12,2 milhões que haviam recebido a vacina até 31 de maio.

Embora a grande maioria dos pacientes tenha se recuperado, 41 continuaram com os sintomas, 15 permanecem hospitalizados e três estão em unidades de terapia intensiva.

O Dr. Tom Shimabukuro, vice-diretor do Escritório de Segurança de Imunização do CDC, disse ao Grupo Consultivo de Vacinas da Food and Drug Administration (FDA) durante uma reunião que o CDC continuará a avaliar a miocardite após a vacinação de mRNA e analisarão os benefícios e riscos antes da reunião de emergência na próxima semana.

Frascos com etiquetas adesivas que dizem “vacina COVID-19” e seringas ao lado do logotipo da farmacêutica norte-americana Pfizer. (Imagem Ilustrativa / JUSTIN TALLIS / AFP via Getty Images)
Alguns frascos com vacinas anti-COVID Moderna (Carl Court / Getty Images)

Nem todos os relatórios, que foram submetidos ao Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas, serão precisos, disse Shimabukuro. Mas ele acrescentou que a taxa acima do esperado que as estatísticas indicam é consistente com os dados de vigilância de Israel e do Pentágono.

Dado o número de doses da vacina COVID-19 administradas, esses relatos são raros. Mais de 18 milhões de pessoas com idades entre 12 e 24 anos receberam pelo menos uma dose da vacina COVID-19 nos Estados Unidos. O CDC continua a recomendar a vacinação COVID-19 para todas as pessoas com 12 anos de idade ou mais ”, disse um porta-voz do CDC ao Epoch Times por e-mail.

Haverá mais discussões sobre miocardite na reunião, acrescentou o porta-voz.

Dra. Monica Gandhi, professora de medicina e chefe associada da University of California, San Francisco, disse ao Epoch Times em um e-mail que o CDC pode acabar recomendando apenas vacinar crianças que não se recuperaram do COVID. -19 porque há um relação entre infecção por COVID e miocardite.

Outras possibilidades incluem dar uma única dose das vacinas Moderna ou Pfizer para menores de 20 anos, reduzindo a quantidade da dose e estendendo a duração entre as doses um e dois em jovens, acrescentou.

Vários membros do Comitê Consultivo sobre Vacinas e Produtos Biológicos Relacionados da Food and Drug Administration, que ouviram de Shimabukuro, expressaram preocupação com os dados de miocardite.

“Acho que, como todos nós discutimos amplamente as preocupações sobre miocardite e outros efeitos colaterais, que geralmente parecem piores após a segunda dose, acho que precisamos de alguns estudos sobre a dose única e se isso pode ser apropriado no futuro”, Dr. Mark Sawyer, professor de pediatria da Universidade da Califórnia, em San Diego, disse a colegas durante a reunião.

“Acho que a miocardite é algo para se olhar de perto porque provavelmente estamos olhando para a ponta do iceberg”, acrescentou o Dr. Michael Kurilla, diretor da Divisão de Inovação Clínica do Centro Nacional para o Avanço das Ciências Translacionais, que faz parte dos Institutos Nacionais de Saúde.

A Pfizer disse que apoia a avaliação do CDC de casos de inflamação do coração, observando que “o número de relatórios é pequeno, dado o número de doses administradas”.

“É importante entender que uma avaliação cuidadosa dos relatórios está em andamento e que as vacinas de mRNA COVID-19 não causaram miocardite ou pericardite”, disse a empresa ao Epoch Times por e-mail.

Moderna não respondeu a um pedido de comentário.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber
Siga Zachary no Parler:  @zackstieber 

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas