CDC precisa recuperar sua reputação como agência de saúde pública e ser apolítico, afirmam autoridades

'Deixar a Equipe de Resposta à COVID da Casa Branca separaria o CDC desse acordo politicamente carregado'

Por Meiling Lee 

Editores de uma organização de notícias médicas on-line pediram aos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) que “recuperem sua independência” e sua credibilidade como a principal agência de saúde pública do país, saindo da Equipe de Resposta à COVID da Casa Branca, em Washington.

“O CDC e sua diretora, Rochelle Walensky, precisam recuperar sua independência e retornar a Atlanta”, afirmaram os editores do Medpage Today em um artigo de opinião publicado na quarta-feira, acrescentando que “a presença da agência em Washington foi um obstáculo, e não uma ajuda, à sua reputação”.

Os editores alegam que o “casamento desconfortável de política e saúde pública” da Equipe de Resposta à COVID da Casa Branca fez com que o CDC perdesse sua credibilidade científica e “alimentasse a desconfiança das diretrizes de saúde pública”.

“Deixar a Equipe de Resposta à COVID da Casa Branca separaria o CDC desse acordo politicamente carregado e o capacitaria a gerenciar essa crise de saúde pública, como gerenciaram todas as crises anteriores de saúde pública, desde a pandemia de gripe suína H1N1 de 2009 até o surto de Ebola em 2014”, afirmam os editores.

As respostas da diretora dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, Dra. Rochelle Walensky, são vistas durante uma audiência do Subcomitê de Dotações do Senado em Washington em 19 de maio de 2021 (Greg Nash-Pool/Getty Images)

O CDC liderou o país durante a pandemia de gripe suína H1N1 de 2009 a partir de sua sede em Atlanta, na Geórgia, realizando coletivas de imprensa e comunicados televisionados, divulgando orientações sobre quando as escolas deveriam fechar e se comunicando com o Secretário de Saúde e Serviços Humanos dos EUA e com a Secretária de Educação.

Estima-se que houve cerca de 60,8 milhões de casos confirmados de gripe suína, mais de 274.000 hospitalizações e 12.469 mortes (onde 87% das mortes ocorreram em pessoas com menos de 65 anos) nos Estados Unidos, de 12 de abril de 2009 a 10 de abril de 2010.

A separação da Equipe de Resposta à COVID ajudará a “fortalecer e esclarecer” a mensagem do CDC, afirmam os editores.

“Desancorar o CDC da Casa Branca envia a mensagem de que a pandemia não acabou, e a agência de saúde pública do país está concentrando sua atenção em acabar com ela, em vez de endossar o que a Casa Branca afirma”, escreveram os autores.

Eles acrescentaram que “se o CDC realizasse seus próprios briefings, também poderia incentivar um papel mais ativo para o secretário do HHS (Departamento de Saúde e Serviços Humanos), Xavier Becerra, que ficou praticamente invisível durante a pandemia, com a Casa Branca comandando o show”.

Becerra, que anteriormente atuou como procurador-geral da Califórnia, foi criticado ultimamente por não ter um papel mais ativo desde que foi confirmado como secretário de saúde do país, em março de 2021.

A confiança no CDC sofreu um grande golpe durante a pandemia entre o público, incluindo aqueles da área médica. De acordo com uma pesquisa online do site de notícias médicas WebMD e Medscape, dos quase 2.000 enfermeiros pesquisados ​​de 25 de maio a 3 de junho de 2021, 77% “afirmaram que sua confiança no CDC diminuiu desde o início da pandemia”. Da mesma forma, 77% dos médicos, de cerca de 450 entrevistados, também declararam que sua confiança havia diminuído.

“O CDC deve retornar a Atlanta para retomar o papel que sempre deveria desempenhar: um árbitro apolítico das decisões de saúde pública e um conselheiro da Casa Branca, não seu simpatizante”, afirmaram os editores.

“Misturar os dois deixou um mau cheiro político na credibilidade da agência. Chegou a hora de dissolver esse casamento de conveniência condenado.”

O Epoch Times entrou em contato com o CDC, a Casa Branca e Becerra para comentários.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas