CDC aumenta alerta de varíola do macaco, recomenda máscaras e depois retira recomendações

“Casos de varíola foram relatados na Europa, América do Norte, América do Sul, África, Ásia e Austrália”

Por Katabella Roberts 

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), na segunda-feira, elevaram seu nível de alerta para a varíola dos macacos para o nível 2 e recomendaram que as pessoas usassem máscaras ao viajar, logo antes de fazer uma reversão nas recomendações.

Em uma atualização, a agência do governo elevou o alerta para o nível 2, incentivando as pessoas a praticar medidas de precaução aprimoradas, como evitar contato com pessoas visivelmente doentes, lavar as mãos regularmente e usar cobertura facial.

“Casos de varíola foram relatados na Europa, América do Norte, América do Sul, África, Ásia e Austrália”, escreveu o CDC em seu alerta.

“Alguns casos foram relatados entre homens que têm relações sexuais com homens. Alguns casos também foram relatados em pessoas que moram na mesma casa que uma pessoa infectada”, acrescentou.

O órgão de saúde alertou, na segunda-feira, que os viajantes devem evitar contato próximo com pessoas doentes, incluindo aquelas com lesões na pele ou genitais, bem como com animais selvagens mortos ou vivos, como pequenos roedores e macacos.

Os viajantes também foram instados a evitar comer carne de caça selvagem ou usar produtos como cremes e loções derivados de animais selvagens da África, onde casos de varíola do macaco são majoritariamente encontrados.

“Evite o contato com materiais contaminados usados ​​por pessoas doentes (como roupas, roupas de cama ou materiais usados ​​em ambientes de saúde) ou que tenham entrado em contato com animais infectados”, disse o órgão de saúde.

Por fim, o CDC instou os viajantes a usar máscaras, observando que isso “pode ajudar a protegê-lo de muitas doenças, incluindo a varíola dos macacos”.

No entanto, os conselhos sobre o uso de máscaras não estão mais presentes no site do CDC a partir de 7 de junho, enquanto o restante dos conselhos para viajantes permanece em vigor.

Um porta-voz do CDC disse ao Epoch Times na terça-feira: “ontem, o CDC removeu a recomendação de máscara do aviso de saúde de viagem de varíola dos macacos porque isso causou confusão”.

“Os Avisos de Saúde em Viagem informam viajantes e médicos sobre problemas de saúde atuais que afetam a saúde dos viajantes, como surtos de doenças, eventos ou reuniões especiais e desastres naturais, em destinos ao redor do mundo. Em países onde há um surto atual de varíola, o CDC continua a recomendar o mascaramento em situações de alto risco, incluindo contatos domésticos e para profissionais de saúde, ou para outras pessoas que possam estar em contato próximo com uma pessoa que foi confirmada com varíola do macaco.”

“O CDC continuará a atualizar as recomendações à medida que se souber mais sobre esse surto atual”.

A varíola do macaco é causada por vírus raro que se acredita ser transmitido aos seres humanos a partir de animais e é uma doença endêmica na África Central e Ocidental, normalmente localizada próxima às florestas tropicais.

O vírus se espalha de uma pessoa para outra através do contato próximo com fluidos corporais, lesões, gotículas respiratórias e materiais contaminados.

Os cientistas dizem que o vírus pode causar uma série de sintomas, incluindo febre, dores no corpo, inchaço dos gânglios linfáticos, fadiga, dores de cabeça e uma erupção cutânea que geralmente ocorre de um a três dias após o início da febre, antes de se espalhar para outras partes do corpo. A erupção pode durar até um mês.

Em 6 de junho, havia 1.019 casos confirmados de varíola em 29 países ao redor do mundo vinculados ao surto atual, dos quais 30 estão nos Estados Unidos, segundo o CDC.

O primeiro caso suspeito foi relatado em 7 de maio em um indivíduo que viajou do Reino Unido para a Nigéria e posteriormente retornou ao Reino Unido.

Autoridades de saúde observaram que vários casos foram encontrados entre homens homossexuais, embora o vírus em si não seja uma infecção sexualmente transmissível e possa ser pego por qualquer pessoa.

A varíola do macaco é fatal entre 1 a 11% das pessoas infectadas, embora a vacinação anterior contra a varíola, que está relacionada ao vírus da varíola, possa fornecer proteção.

Em maio, a empresa farmacêutica e de biotecnologia Moderna anunciou que está testando potenciais vacinas contra a varíola dos macacos em ensaios pré-clínicos como parte de seu compromisso de avançar nos programas contra patógenos que representam uma ameaça à saúde pública até 2025.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas