Caverna de Anúbis evidencia misteriosa presença de Celtas na América

Talvez uma das maiores anomalias históricas do novo mundo, a Caverna de Anúbis em Oklahoma evidencia a misteriosa presença de um antigo culto na América pré-colombiana.

Localizadas em Oklahoma, perto de Tulsa, a Caverna de Anúbis é composta por três cavernas, aparentemente insignificantes, que contêm esculturas inusitadas retratando o Deus egípcio Anúbis, bem como uma escultura de um touro. Um fazendeiro local apresentou as cavernas à comunidade científica em 1978.

Não muito longe das cavernas, perto do rio Arkansas, está uma rocha de arenito de aproximadamente 230 quilos, descoberta por dois irmãos em 2010. Ela descreve uma grande escritura de um touro semelhante às imagens hieroglíficas egípcias do Touro Epis, que foi considerado divino pelos antigos egípcios. Esta escultura de touro é muito semelhante ao touro nas esculturas da Caverna de Anúbis.

Mais esculturas podem ser encontradas ao longo da Montanha Turquia, perto do local onde está a rocha. As esculturas contêm exemplos de “Ogham”, uma antiga língua céltica, de acordo com o programa do History Channel ‘América Unearthed’. Ogham é a forma mais antiga de escrita na Irlanda e na Escócia, que remonta a 350 d.C. na Irlanda. A linguagem pode ter sido originada na Líbia antiga, sendo trazida para os celtas por viajantes missionários.

Mais exemplos de Ogham podem ser encontrados na Caverna de Anúbis, ou bem perto de outras esculturas de touro. O especialista nas cavernas de Anúbis, Phil Leonard, acredita que as esculturas foram feitas por antigos adoradores de Mithra e que a caverna foi projetada para servir como um marcador de equinócio, de acordo com o History Channel.

O local da Caverna de Anúbis representa os registros mais bem preservados do culto a Mitra, que se estendeu aos Impérios Persas e Romanos, de acordo com a revista Ancient American. O Deus do sol, Mithra, era adorado na Índia antes de 2 mil a.C., e a adoração a esse Deus se espalhou pela Pérsia e pela Ásia menor. O nome evoluiu para “Mitra” e mais tarde “Mitras”, pelos romanos.

Quando o Mitraismo foi eventualmente propagado para os povos celtas na Europa Ocidental, uma grande ênfase foi colocada sobre a história de Mitra matando o touro, de acordo com a Ancient América. Curiosamente, a escultura de touro na pedra do rio Arkansas parece estar sangrando, o que dá ainda mais credibilidade à teoria de Mithra.

O mistério permanece sobre como exatamente essas pessoas fizeram o seu caminho até Oklahoma. No entanto, a ideia de que vikings viajaram para a América do norte até o oeste de Minnesota está se tornando mais amplamente aceita.

 
Matérias Relacionadas