Cavalo selvagem segue seu instinto e salva dona do perigo

Por Adam Samuel

Com muito amor e cuidado, os cavalos são companheiros incríveis, seja para trabalhar ou para o lazer. Mas, algumas pessoas podem não perceber que os cavalos selvagens também podem ser excelentes parceiros equídeos.

Alicia Windsong Diamond, de 65 anos, conhece por experiência própria o quão incrível pode ser o mustang.

“Eu tinha 58 anos quando adotei três mustangs do Programa de Adoção de Cavalos Selvagens do Bureau of Land Management. Era uma época em que o governo estava considerando abater dezenas de milhares de cavalos selvagens. Lembro-me de que um dos meus amigos com o qual fazia trilhas me disse que eu era louca por adotar um mustang! “, disse Alicia ao The Epoch Times.

(Justin Sullivan / Getty Images)
(Justin Sullivan/Getty Images)

Alicia já tinha quatro cavalos domésticos em casa, mas os cavalos selvagens haviam despertado sua compaixão, e ela queria salvá-los de uma vida em cativeiro ou possível morte.

Um ano depois, um dos mustang, chamado Calypso, retribuiu a Alicia por sua bondade.

Embora Alicia não tivesse experiência com cavalos selvagens, ela era paciente em ganhar sua confiança. Ela forneceu segurança e bons cuidados, enquanto os cavalos selvagens aprenderam sobre o funcionamento cotidiano do mundo humano, e seus cavalos domésticos ajudaram a mostrar aos mustangs como se comportar. Ela começou a ver os resultados.

“Eu estava descobrindo como estar com esses novos cavalos selvagens, e os novos cavalos dominaram os princípios básicos de serem manipulados, preparados e selados”, disse ela.

(Foto de Anne Martinez)
(Foto de Anne Martinez)

Um dia, Alicia colocou Calypso em uma grande área de equitação e começou a montar um de seus cavalos domésticos fora da área onde estavam para que Calypso pudesse assistir e aprender sobre o conceito de equitação.

De repente, seu cavalo confiável parou e recusou-se a prosseguir – ele então ficou descontrolado.

“Ele é grande e forte e, de repente, tornou-se incontrolável. Ele ergueu-se alto no ar como ele nunca havia feito antes e girou, enquanto eu me esforçava para ficar na sela”, disse ela.

Alicia tentou manter a calma, mas sabia que estava com grandes problemas. Então Calypso começou a atacar furiosamente para o lado da arena.

(Foto de Alicia Windsong Diamond)
(Foto de Alicia Windsong Diamond)

O mustang parou um pouco antes de bater na cerca de madeira e inclinou a cabeça e o pescoço ameaçadoramente sobre a cerca em direção a um grupo de arbustos altos.

“Então eu vi os dois pares de olhos cintilantes, brilhantes e laranjas, que piscavam para mim do arbusto – e fora dois grandes lobos vermelhos correram”, disse ela.

O instinto de um cavalo é fugir de predadores; ultrapassar um predador é como os cavalos sobreviviam na natureza. Seu cavalo de equitação tinha girado e tentou avisá-la sobre os lobos, enquanto Calypso correu para defender e proteger seus amigos do perigo.

“A bravura de Calypso salvou a mim e ao meu amado cavalo de equitação de um grande perigo e um resultado terrível!”, disse Alicia.

(Foto de Nick Miller)
(Foto de Nick Miller)

O mustang preto aprofundou o gosto e a perspectiva de Alicia sobre cavalos selvagens.

“Eu passei a ver cavalos selvagens como parceiros gentis, leais e generosos”, disse ela. “Calypso sempre terá um lugar especial no meu coração e uma casa para passar a vida comigo”.

Alicia continua a advogar em favor dos cavalos domésticos e dos  selvagens através do Centro para Interespécies Paz e Justiça (CISPJ).

 
Matérias Relacionadas