Causa da morte de bebê com COVID-19 permanece sob investigação, diz médico forense

"O bebê tinha menos de sete semanas e é apenas um lembrete de que ninguém está seguro contra esse vírus"

Por Zachary Stieber

A causa oficial de morte de um bebê com resultado positivo para a COVID-19 em Connecticut ainda está sob investigação, confirmou o Epoch Times.

O bebê de seis semanas morreu em 26 de março no Hospital e Centro Médico Saint Francis, em Hartford. O governador de Connecticut, Ned Lamont, anunciou naquele dia que a morte do bebê foi causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), conhecido como o novo coronavírus, que causa a doença COVID-19.

“Passei muito tempo tentando lhe dizer que quase todas as mortes estão relacionadas a pessoas com mais de 70 e 80 anos, mas temos um fato trágico em Connecticut”, disse Lamont em entrevista coletiva. “Provavelmente a pessoa mais jovem a morrer de COVID morreu aqui em Connecticut. Aquele bebê tinha menos de sete semanas e é apenas um lembrete de que ninguém está seguro contra esse vírus”.

Mas o Departamento de Medicina Legal do Connecticut disse ao Epoch Times que a causa da morte ainda está sendo determinada após a autópsia do bebê em 27 de março.

“No momento, não emitimos uma causa final de morte. Existem inúmeros testes que devemos fazer em mortes infantis antes de emitir uma causa final de morte”, observou o escritório. Isso inclui testes histopatológicos, microbiológicos e toxicológicos.

 Uma enfermeira de maternidade usa uma máscara facial enquanto cuida de um recém-nascido em uma maternidade privada em 12 de março de 2020 em Wuhan, Hubei, China (Getty Images)
Uma enfermeira de maternidade usa uma máscara facial enquanto cuida de um recém-nascido em uma maternidade privada em 12 de março de 2020 em Wuhan, Hubei, China ((Getty Images)

Em tempos normais, normalmente leva várias semanas para concluir todos os testes. O escritório não respondeu a perguntas sobre se haveria um atraso em meio à pandemia ou se as autoridades estavam preocupadas com o pronunciamento antecipado do governador que ligava a morte do bebê ao COVID-19.

O bebê testou positivo para COVID-19, confirmou o escritório.

Pressionado por sua declaração em uma entrevista coletiva na semana passada, Lamont pediu ao epidemiologista do estado de Connecticut Matthew Cartter que resolvesse o problema. Cartter disse a repórteres que as autoridades de saúde pública não tinham certeza do que causou a morte do bebê.

“Nossa definição, o que temos no departamento de saúde do estado, é diferente do que o médico legista nos diz. Não conheço a causa da morte dessa pessoa ou de nenhuma das pessoas, porque não determinamos a causa da morte”, afirmou.

“Definimos mortes associadas ao COVID-19 confirmadas em laboratório como qualquer pessoa que tenha sintomas de COVID-19, que tenha um resultado positivo para COVID-19, antes ou por volta da hora da morte. Nós não determinamos a causalidade.”

O monitoramento da gripe é feito da mesma maneira, explicou.

O Departamento de Polícia de Hartford não respondeu a um pedido de comentário sobre a morte do menino.

O governador de Connecticut, Ned Lamont, fala durante a série "Making A Leader" da SiriusXM Business Radio nos estúdios da SiriusXM em Nova Iorque em 20 de dezembro de 2019 (Bonnie Biess / Getty Images para SiriusXM)
O governador de Connecticut, Ned Lamont, fala durante a série “Making A Leader” da SiriusXM Business Radio nos estúdios da SiriusXM em Nova Iorque em 20 de dezembro de 2019 ((Bonnie Biess / Getty Images para SiriusXM)

Morte prematura

O anúncio de Lamont provocou um rebuliço na comunidade de mães grávidas e pela primeira vez, assustou muitas, de acordo com relatos da mídia social.

O COVID-19 afeta principalmente idosos e pessoas com problemas de saúde subjacentes. apenas uma morte pela doença foi documentada entre pessoas com 24 anos ou menos nos Estados Unidos, de acordo com dados do Centers for Disease Control and Prevention. Essa pessoa tinha entre 1 e 4 anos. Nenhuma outra informação estava disponível sobre esse caso, incluindo se era o caso de Connecticut.

O Departamento de Saúde Pública de Illinois explicou no final de março que um bebê com menos de 1 ano de idade em Chicago apresentou resultado positivo para COVID-19.

“Nunca houve uma morte associada ao COVID-19 em um bebê antes. Uma investigação completa está em andamento para determinar a causa da morte”, disse o diretor estadual de Saúde Dr. Ngozi Ezike em comunicado. “Nós devemos fazer todo o possível para impedir a propagação desse vírus mortal. Não apenas para nos proteger, mas também para proteger aqueles que nos rodeiam”, acrescentou.

Natalia Derevyanny, porta-voz do Departamento de Administração do Condado de Cook disse ao Epoch Times que a causa e o modo da morte ainda não foram determinados. Ela se recusou a responder quanto tempo as autoridades pensam que a investigação levará.

Uma morte infantil também foi relatada na China. O menino tinha 10 meses de idade com intussuscepção, sofreu de falência de múltipla dos órgãos e morreu um mês após ser internado em um hospital.

Uma equipe médica trata pacientes com COVID-19 em um hospital em Wuhan, China, em 19 de março de 2020 (STR/ / AFP via Getty Images)

Outros esclarecimentos

Pelo menos duas outras mortes relatadas por autoridades americanas causadas pelo COVID-19 foram esclarecidas posteriormente.

O Departamento de Saúde Pública da Geórgia disse que um garoto de 11 anos na área de Atlanta morreu devido ao vírus do PCC.

O departamento disse posteriormente que a caracterização ocorreu devido a um erro.

“O centro de informações cometeu um erro ao enviar eletronicamente informações sobre uma morte. Ao revisar o prontuário médico, o erro foi corrigido”, disse Nancy Nydam, porta-voz do departamento, eletronicamente ao Epoch Times.

As autoridades de saúde da Califórnia disseram que um garoto de 17 anos morreu da nova doença, mas depois indicou que está estudando a situação.

“Embora os primeiros testes tenham indicado um resultado positivo para o COVID-19, o caso é complexo e pode haver uma explicação alternativa para essa fatalidade. A privacidade dos pacientes nos impede de oferecer mais detalhes no momento”, argumentou o Departamento de Saúde Pública do Condado de Los Angeles em um comunicado.

A morte foi removida da lista de mortes do condado pelo vírus.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber

 
Matérias Relacionadas