Casos de violência doméstica aumentam durante confinamento doméstico

Por Tom Ozimek

Enquanto todos os americanos em todo o país estão isolados com ordens para ficar em casa, casos de violência doméstica têm aumentado segundo especialistas e relatórios dos departamentos de polícia.

“Os sobreviventes estão presos a seus agressores no momento e, devido ao isolamento social, não têm muitos meios de escapar ou receber apoio”, disse Stephanie Brown, diretora executiva da Casa Myrna, um grupo que apoia sobreviventes de violência doméstica na área de Boston, de acordo com a WBUR.

As repercussões econômicas dos fechamentos nas empresas e as demissões de funcionários tornaram as coisas ainda piores, acrescentou.

“O abuso emocional e financeiro dos sobreviventes aumentará e se intensificará e também esperamos ver um aumento na violência física”, disse Brown.

Cortinas quebradas são vistas em uma janela no Brookdale Hospital Medical Center, no Brooklyn, Nova York, em 13 de abril de 2020 (Scott Heins / Getty Images)
Cortinas quebradas são vistas em uma janela no Brookdale Hospital Medical Center, no Brooklyn, Nova York, em 13 de abril de 2020 (Scott Heins / Getty Images)

O Departamento de Polícia de San Antonio registrou um aumento de 21% nos pedidos de violência familiar entre 1 de janeiro e 7 de abril, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo a agência de notícias local KSAT.

Um porta-voz do departamento explicou que o fechamento de escolas, requisitos de permanência em casa e estresse financeiro foram fatores agravantes.

“Não há mais escola. A assistência à infância é limitada porque os funcionários estão sendo demitidos e isso continuará aumentando a imensa quantidade de estresse financeiro que já existia. Além disso, a comunicação pode não ser ótima”, disse Alisia Pruneda, oficial de informações públicas do Departamento de Polícia de San Antonio.

Trabalhadores dos serviços de emergência transportam um paciente na calçada do lado de fora do Hospital Mount Sinai em 13 de abril de 2020 na cidade de Nova Iorque (David Dee Delgado / Getty Images)
Trabalhadores dos serviços de emergência transportam um paciente na calçada do lado de fora do Hospital Mount Sinai em 13 de abril de 2020 na cidade de Nova Iorque (David Dee Delgado / Getty Images)

Aileen Robinson, coordenadora de operações de violência doméstica do Departamento de Polícia de Chicago, disse ao The Hill que Chicago registrou um aumento de 14,6% no número de queixas de violência doméstica na primeira semana de abril em comparação com o mesmo período em 2019.

“Já sabemos que os agressores estão usando isso como uma ferramenta para manipular não apenas as vítimas, mas também a polícia”, disse Robinson, referindo-se aos agressores que usam o coronavírus como arma, que ameaçam expulsar as vítimas se elas testarem positivo.

O vírus do Partido Comunista Chinês (PCC), comumente conhecido como o novo coronavírus que causa a doença de COVID-19, se espalhou de forma agressiva pelos Estados Unidos. A contagem publicada pela Universidade Johns Hopkins indica que, em 13 de abril, mais de 558.000 infecções foram registradas em todo o país, enquanto o número de mortes excede 22.000.

Paramédicos cuidam de uma pessoa com possíveis sintomas de COVID-19 em Los Angeles, Califórnia, em 12 de abril de 2020 (Apu Gomes / AFP / Getty Images)
Paramédicos cuidam de uma pessoa com possíveis sintomas de COVID-19 em Los Angeles, Califórnia, em 12 de abril de 2020 (Apu Gomes / AFP / Getty Images)

Um total de 18 das 22 agências policiais em todo o país, que responderam a pedidos de informações sobre casos de violência doméstica, disseram à NBC que haviam visto um aumento nessas queixas em março. .

“O estresse financeiro por si só cria uma bomba-relógio para algumas famílias com histórico de violência doméstica”, disse Steve Mueller, xerife do condado de Cherokee, Carolina do Sul, segundo o relatório.

Mueller revelou que o município registrou um aumento mensal de 35% nas queixas de violência doméstica em março.

]”Infelizmente, muitos desses casos de violência doméstica ocorrem na frente de crianças, e as crianças também se tornam vítimas de abuso e agressão”, disse Mueller.

As Nações Unidas (ONU) descreveram o fenômeno do aumento da violência doméstica contra mulheres e meninas no meio da pandemia da COVID-19 como uma “pandemia sombria”.

“Em todo o mundo, 243 milhões de mulheres e meninas de 15 a 49 anos foram submetidas a violência sexual e / ou física perpetrada por um parceiro íntimo nos últimos 12 meses”, escreveu a ONU em seu relatório (pdf).

“É provável que o número aumente à medida que as preocupações com segurança, saúde e dinheiro aumentam as tensões e as tensões são exacerbadas por condições de vida restritas e confinadas”, afirmou.

O oficial Pruneda disse à KSAT que freqüentemente há ajuda para as vítimas de abuso doméstico, mas primeiro elas precisam reunir a coragem para se aproximar.

“Mas não podemos fazer nada sobre isso, a menos que eles liguem, alguém ligue”, disse Pruneda. “Às vezes, isso também exige um grande ato de bravura.”

 
Matérias Relacionadas