Casa Branca publica memorando que revela escandalosa espionagem do governo

Um memorando bombástico do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos divulgado em 2 de fevereiro mostra que altos funcionários da gestão Obama abusaram dos poderes de vigilância para espionar a equipe de Trump.

O documento mostra como a alta liderança no Departamento Federal de Investigação (FBI) e no Departamento de Justiça (DOJ, na sigla em inglês) requisitou um mandado para espionar um associado de Trump usando um dossiê que eles sabiam ter sido compilado por uma fonte tendenciosa e que continha alegações não verificadas.

De acordo com trechos iniciais do documento obtido pelo Washington Examiner, o dossiê anti-Trump não verificado e pago por Hillary Clinton foi parte essencial da solicitação inicial para vigiar Carter Page. O dossiê foi utilizado novamente para mais três pedidos de renovação.

Leia também:
• EUA: por que o memorando é tão significante
• Altos funcionários do FBI discutem ‘sociedade secreta’ trabalhando contra Trump
• Trump revela que altos funcionários do FBI e DOJ politizaram investigação em favor de Clinton

O memorando revela que o vice-diretor do FBI, Andrew McCabe, confirmou que o FBI não requisitaria uma autorização de vigilância sem a informação no dossiê da oposição. Pior ainda, o memorando descobriu que altos funcionários do FBI e do DOJ conheciam as origens políticas do dossiê, mas não incluíram esta informação nos pedidos de mandado ao tribunal da Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISA).

Finalmente, o relatório do Comitê de Inteligência da Câmara mostra que o ex-vice-procurador-geral associado do DOJ, Bruce Ohr, conheceu o autor do dossiê, o ex-espião britânico Christopher Steele, no verão de 2016 e informou à liderança do DOJ que Steele era tendencioso contra Trump. Steele disse a Ohr que ele estava apaixonado pela possibilidade de Trump não ser eleito presidente.

Reagindo ao conteúdo do memorando, o presidente norte-americano Donald Trump disse a repórteres no escritório oval da Casa Branca na sexta-feira que: “Eu acho que isso é terrível, isso é uma desgraça, o que está acontecendo neste país, isso é uma desgraça.”

“Muitas pessoas devem ter vergonha”, disse ele.

McCabe demitiu-se na segunda-feira antes de o Comitê de Inteligência votar em disponibilizar ao público o memorando. Trump teve cinco dias para tornar a declassificação oficial e assinou a ordem pouco antes do meio-dia de hoje.

Leia também:
• Agentes do FBI veem demissão do vice-diretor como desvencilhar agência da política
• CEO do Comitê Nacional Democrata renuncia em meio à reestruturação e pobre financiamento
• Donald Trump Jr. responde à participação de Hillary Clinton na premiação do Grammy
• Por que organizações de mídia não podem abandonar narrativa falsa sobre colusão russa
• Trump alerta sobre a ‘enfermidade’ nas instituições dos EUA
• Hillary Clinton enfrenta agora três investigações, e pode ser parte de uma quarta
• New York Times aparece no topo da lista de Trump sobre Notícias Falsas

 
Matérias Relacionadas