Cardeal Pell é culpado por crimes sexuais contra crianças

Suas vítimas foram dois meninos de 13 anos de idade com bolsas de estudo para o prestigiado St Kevin's College

Por Australian Associated Press

O cardeal George Pell, o católico de mais alta hierarquia na Austrália, foi condenado por cinco crimes sexuais contra crianças cometidos em 1996.

O cardeal estuprou um corista na década de 1990 e molestou outro.

Suas vítimas foram dois meninos de 13 anos de idade com bolsas de estudo para o prestigiado St Kevin’s College.

A dupla foi abordada após uma missa solene de domingo no final de 1996, onde foi pega bebendo vinho sacramental na sacristia do padre Pell, recém-instalado como arcebispo de Melbourne.

Pell repreendeu-os, expôs suas partes íntimas e molestou as vítimas.

Um júri de Melbourne, em dezembro, considerou Pell culpado de cinco acusações – uma de penetrar sexualmente uma criança e quatro de cometer atos indecentes com crianças.

Esse veredicto foi divulgado em 26 de fevereiro, após meses de sigilo processual, e o abandono de um segundo julgamento por alegações de que Pell agrediu indecentemente garotos em Ballarat, nos anos 70.

As principais vozes do julgamento que condenaram o cardeal George Pell, de crimes sexuais contra crianças, provocaram alguns comentários pungentes no tribunal.

O depoimento de uma das vítimas de Pell foi lido no tribunal pelo procurador-chefe da Crown, Mark Gibson SC.

“Ele se plantou na porta e disse algo como ‘o que você está fazendo aqui’ ou ‘você está com problemas’.

“Eu não reclamei para ninguém naquele momento. Parecia uma anomalia. Eu estava em choque e não contei.”

“É algo que carreguei durante toda a minha vida … foi preciso coragem muito mais tarde para que eu pensasse em avançar”, dizia a declaração da vítima.

Pell manteve sua inocência sobre todas as alegações e interpôs recurso de sua condenação.

Pell disse em uma entrevista da polícia de 2016, que foi lida em parte pelo júri, que “as alegações são um produto de fantasia”.

“Que lixo absoluto e vergonhoso.”

“É uma conduta vil e repugnante, ao contrário de tudo que eu prezo.”

Uma das vítimas, agora com 30 anos, levou as acusações à polícia depois de anos lutando para entender o que ele havia experimentado.

Cerca de um mês depois de ter sido estuprado por Pell, ele foi novamente agredido sexualmente, empurrado contra uma parede da catedral pelo agora cardeal que acariciava seus genitais.

A outra vítima de Pell morreu em 2014, em circunstâncias acidentais.

O principal advogado de defesa, Robert Richter QC, representou Pell no julgamento, e durante um julgamento anterior em que o júri foi dispensado depois de não chegar a um veredicto.

Richter não conseguiu convencer o mais recente júri de que os processos da catedral eram tão perfeitos que dois garotos simplesmente não poderiam ter “desaparecido” sem serem vistos.

Ele argumentou que as alegações eram uma “fantasia forçada”, que Pell sempre foi acompanhado depois da missa e que as vestes pesadas teriam impedido que ele revelasse seus genitais.

“Somente um louco tentaria estuprar meninos na sacristia do padre imediatamente depois da missa solene de domingo”, disse ele ao júri.

Pell, que estava fisicamente doente durante o julgamento e de muletas antes de um duplo implante de joelho no Natal, continua sob fiança.

Ele deve retornar ao tribunal do condado para uma audiência em 27 de fevereiro.

O juiz-chefe, Peter Kidd, deve sentenciá-lo em março.

Notícias da condenação de Pell “chocaram” os bispos católicos da Austrália

O arcebispo Mark Coleridge, presidente da Conferência dos bispos Católicos da Austrália, enviou uma declaração pública em resposta à condenação de Pell em 26 de fevereiro.

Coleridge queria que o público soubesse que os bispos da Austrália concordam com a igualdade da lei para todos os indivíduos.

“Nós respeitamos o sistema legal australiano”, disse Coleridge. “O mesmo sistema legal que emitiu o veredicto irá considerar o apelo que a equipe legal do cardeal apresentou”.

Seja qual for a conclusão, Coleridge espera que todos tenham o que merecem.

“Nossa esperança, em todos os momentos, é que através deste processo a justiça seja feita”, disse Coleridge.

Ele terminou a declaração em uma visão otimista para o futuro da Igreja e as vítimas que foram afetadas.

“Enquanto isso, oramos por todos aqueles que foram abusados e para seus entes queridos”, disse ele. “E nós nos comprometemos a nós mesmos, de novo, para fazer todo o possível para garantir que a Igreja seja um lugar seguro para todos, especialmente os jovens e os vulneráveis”.

De Amber Wilson e Karen Sweeney

 
Matérias Relacionadas