Canadá exige libertação de canadenses detidos na China e recebe apoio de aliados

A detenção dos dois canadenses, juntamente com um terceiro no início desta semana, ocorreu depois que o Canadá prendeu a CFO da Huawei, Meng Wanzhou, em Vancouver, em 1º de dezembro

Por Omid Ghoreishi, Epoch Times

O Canadá exigiu formalmente que os canadenses Michael Kovrig e Michael Spavor, que estão presos por mais de uma semana, sejam libertados pelo regime chinês. Os aliados do Canadá, incluindo os Estados Unidos, o Reino Unido e a UE também levantaram suas vozes em apoio à posição do Canadá.

“Estamos profundamente preocupados com a detenção arbitrária pelas autoridades chinesas de dois canadenses no início deste mês e pedimos sua libertação imediata”, disse a ministra de Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, em uma declaração por escrito.

A detenção dos dois canadenses, juntamente com um terceiro no início desta semana, ocorreu depois que o Canadá prendeu a CFO da Huawei, Meng Wanzhou, em Vancouver, em 1º de dezembro, em um pedido de extradição dos Estados Unidos. A China diz que não há conexão entre as detenções e a prisão de Meng.

A China já havia alertado o Canadá sobre “graves consequências” se Meng não fosse libertada imediatamente.

“O Canadá é um país governado pelo Estado de direito”, disse Freeland. “O Canadá está conduzindo um procedimento legal justo, imparcial e transparente com relação a Meng Wanzhou, diretor financeiro da Huawei… O Estado de direito é fundamental para todas as sociedades livres; nós defenderemos e apoiaremos este princípio.”

Em uma entrevista anterior, em 19 de dezembro, o primeiro-ministro Justin Trudeau disse ao Global News que ele ainda não havia conversado com seu homólogo chinês sobre a detenção dos três canadenses, dizendo que ele não queria “politizar” ou “amplificar” a questão porque não contribuiria “para o resultado que todos nós queremos, que são os canadenses estarem seguros e protegidos”.

Durante uma coletiva de imprensa com Freeland em Washington em 14 de dezembro, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, pediu diretamente à China para libertar os canadenses, chamando sua detenção de ilegal e inaceitável.

Pouco depois da declaração de Freeland em 21 de dezembro, o Departamento de Estado dos Estados Unidos reiterou seu pedido para a libertação dos canadenses detidos.

“Compartilhamos o compromisso do Canadá com o estado de direito como fundamental para todas as sociedades livres, e defenderemos e apoiaremos esse princípio. Também expressamos nossa profunda preocupação pela detenção de dois canadenses pelo regime chinês no início deste mês e pedimos sua libertação imediata ”, disse Robert Palladino, porta-voz do Departamento de Estado, em um comunicado.

Pequim diz que Kovrig e Spavor foram detidos por causa de preocupações de segurança nacional. As autoridades disseram que a terceira canadense, Sarah McIver, está sofrendo “punição administrativa” por trabalhar ilegalmente na China.

As autoridades canadenses disseram que a natureza do caso de McIver é diferente das outras duas.

Kovrig, ex-diplomata em licença do Departamento de Relações Exteriores do Canadá, está atualmente empregado como assessor de um think tank internacional. Ele está sendo negado a representação legal e não tem permissão de desligar as luzes à noite. Spavor é um empresário conhecido por administrar intercâmbios culturais com a Coréia do Norte.

O Reino Unido e a UE também emitiram declarações em apoio ao Canadá.

“Estou profundamente preocupado com sugestões de motivação política para a detenção de dois cidadãos canadenses pelo regime chinês. Eu peço que eles sejam tratados de maneira justa, imparcial e transparente ”, disse o secretário de Relações Exteriores da Inglaterra, Jeremy Hunt.

“O motivo declarado para a prisão e detenção de Michael Kovrig e Michael Spavor, ambos cidadãos canadenses, levanta preocupações sobre pesquisas legítimas e práticas comerciais na China”, disse um porta-voz da UE.

Em sua declaração, Freeland disse que aprecia a ajuda de quem se manifesta em apoio ao Canadá.

“Compartilhamos com nossos parceiros a convicção de que o Estado de direito não é uma escolha: é a base da democracia. O Canadá não comprometerá nem politizará o Estado de direito e o devido processo legal. ”

Com reportagens da Reuters

 
Matérias Relacionadas