Cadeia de comando do FBI bloqueou a reabertura do caso Epstein em 2011, afirmam vítimas

Por Ivan Pentchoukov

O agente especial Jason Richards queria reabrir o caso contra o agressor sexual Jeffrey Epstein há quase uma década, mas desistiu devido à pressão de sua gerência no FBI, de acordo com testemunho de Virginia Giuffre, uma das supostas vítimas de Epstein.

Em comunicado feito em 3 de maio de 2016, Giuffre disse que Richards queria reabrir a investigação de Epstein, mas não pôde porque “suas mãos estavam atadas” por pessoas que estavam acima da “cadeia de comando”.

“Eu queria reabrir o caso. E na última conversa que tive com ele, não me lembro quando ele foi, ele disse que tinha problemas para as pessoas que estavam acima dele “, disse Giuffre.

Na época relevante, Richards atuava como agente especial do FBI em Washington, mas não está claro se ele trabalhou no escritório de campo ou no escritório central. O FBI e Richards não responderam aos pedidos de comentários.

A declaração de Giuffre foi divulgada como parte da abertura de centenas de páginas de documentos em seu caso de difamação contra Ghislaine Maxwell, ex-namorada de Epstein. Maxwell foi presa no início deste mês e está em uma prisão de Nova Iorque aguardando julgamento por acusações de tráfico sexual de crianças. Giuffre afirmou que Maxwell a recrutou e a preparou para o abuso sexual de Jeffrey Epstein. Giuffre afirmou que Maxwell e Epstein a traficaram posteriormente para políticos e empresários poderosos, incluindo o príncipe Andrew. Maxwell nega as acusações contra ela.

Giuffre entrou em contato com o agente especial Richards por e-mail em 2014, perguntando se ele poderia fornecer evidências de que o FBI coletou em seu caso contra Epstein para ajudar em outro processo. Richards respondeu recomendando Giuffre a registrar uma solicitação da Lei de Liberdade de Informação.

A prisão de Maxwell atraiu a atenção internacional porque ela estaria diretamente envolvida na empresa de tráfico de crianças de Epstein. Epstein e Maxwell estavam ligados a alguns dos políticos, celebridades e empresários mais importantes do mundo.

Um dos registros recém-divulgados mostra Giuffre dizendo a um advogado litigando em um caso separado contra Epstein que o ex-presidente Bill Clinton devia um favor a Epstein. De acordo com Giuffre, Epstein brincou sobre o favor em resposta à sua pergunta sobre por que Clinton estava na ilha de Epstein. Giuffre disse que o ex-presidente ficou em uma das vilas da ilha na época em que ela e duas meninas de Nova Iorque também estavam na ilha.

Giuffre disse anteriormente que viu Clinton na ilha, mas não testemunhou nenhuma má conduta do ex-presidente. Clinton, através de um advogado, negou repetidamente qualquer má conduta. O porta-voz de Clinton, Ángel Ureña, disse a repórteres um comunicado sobre o assunto a partir de 2019.

“Ele não fala com Epstein há mais de uma década e nunca esteve em Little St. James Island, o rancho de Epstein no Novo México ou sua residência na Flórida”, afirmou o comunicado.

O ex-presidente, que foi acusado de má conduta sexual por várias mulheres, havia anteriormente negado estar na ilha de Epstein, mas admitiu que ele voou no avião de Epstein, conhecido como “Lolita Express”.

Giuffre disse que os atos sexuais eram frequentes na ilha e no Lolita Express, que tinha uma cama.

Giuffre não é o único que alega que Clinton estava na ilha. O contratado de TI de Epstein disse em um documentário da Netflix lançado este ano que viu Clinton na ilha.

Epstein cometeu suicídio supostamente em sua cela no ano passado, enquanto enfrentava acusações de tráfico sexual de crianças.

Siga Ivan no Twitter: @ivanpentchoukov

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 

 
Matérias Relacionadas